Cancele a subscrição de tudo para começar a controlar a (tecnologia na) sua vida

CNN , Jessica DuLong*
18 fev, 15:00
Outra vez acordado até tarde a ler e-mails de trabalho na cama? Talvez queira experimentar uma dieta de tecnologia. d3sign/Moment RF/Getty Images

"Porque se move mais depressa do que os nossos corpos e mentes, a tecnologia perturba os instintos naturais e corporais que temos para fazer uma pausa, descansar e refletir", explica Julio Vicent Gambuto

O número de mensagens não lidas na sua caixa de correio deixa-o tonto? Os seus polegares doem de tanto escrever no teclado? Já se esqueceu de como são os seus amigos da vida real sem um filtro do Instagram?

Está na altura de uma intervenção, e Julio Vincent Gambuto tem o remédio certo: cancelar a subscrição.

Trinta e um por cento dos adultos afirmam estar "quase constantemente online", de acordo com um inquérito do Pew Research Center de 2021. Os americanos passam, em média, mais de duas horas e meia nas redes sociais por dia. Dos quase 10 mil milhões de e-mails enviados por dia nos EUA, cada trabalhador a tempo inteiro recebe uma dose diária de 120 mensagens.

Gambuto, autor de "Please Unsubscribe, Thanks!: How to Take Back Our Time, Attention, and Purpose in a World Designed to Bury Us in Bullshit", diz que está na altura de recuperar o controlo das nossas vidas, silenciando os pings, rings e dings do Slack [ou Teams], Gmail, WhatsApp e outros alertas que nos interrompem durante todo o dia.

O seu livro oferece estratégias práticas para recuar, reavaliar e cancelar a subscrição das ideias, hábitos e compromissos tecnológicos que nos afastam da felicidade. Ele espera que, ao reestruturarmos as nossas relações com os nossos dispositivos, possamos criar o "espaço sagrado" necessário para nos empenharmos numa vida que realmente desejamos.

Esta conversa foi editada e condensada para maior clareza.

O autor Julio Vincent Gambuto. Foto Jon Speyers

CNN: A tecnologia está a ajudar ou a prejudicar o progresso da sociedade?

Julio Vincent Gambuto: Ambos. Os avanços nos cuidados de saúde, como as ferramentas de diagnóstico de ponta, são apenas um exemplo dos incríveis benefícios da revolução tecnológica. Mas é importante, especialmente quando entramos neste capítulo da IA, que questionemos as noções comuns de tecnologia como: a resposta, o futuro ou necessariamente o progresso.

Enquanto sociedade, temos de questionar essas ideias e trazer as nuances de volta à conversa. Se quisermos construir um futuro que seja benéfico para o maior número possível de pessoas, temos de acordar para as formas como a tecnologia não nos está a servir. É fundamental que recuperemos o nosso tempo, atenção, concentração e dinheiro - o nosso poder, na verdade - para avaliar como as nossas vidas mudaram para o bem e para o mal.

De que forma é que a velocidade da tecnologia afeta a nossa capacidade de prestar atenção e estar presente?

Porque se move mais depressa do que os nossos corpos e mentes, a tecnologia perturba os instintos naturais e corporais que temos para fazer uma pausa, descansar e refletir. O nosso envolvimento com os dispositivos interrompe os rituais diários que evoluíram ao longo de milénios para nos servir bem, como indivíduos e como sociedade. Porque é que estou acordado a responder a e-mails às 23 horas, sujeitando-me à luz azul que me impede de dormir às 3 da manhã? O ritmo alucinante da tecnologia não permite os milissegundos necessários para estarmos suficientemente conscientes para dar um passo atrás.

O ritmo desumano da tecnologia e a sua falta de limites deformaram-nos. Para equilibrar melhor as nossas vidas, precisamos de abrandar o ritmo e reinstituir limites. Qualquer forma de o fazer - quer seja na sua agenda, online ou nas suas interações sociais - é melhor.

Em que é que o marketing e a publicidade de hoje são diferentes, por exemplo, da era Mad Men, e porque é que isso é importante?

O que mudou foi a enorme quantidade de mensagens de marca em todo o lado. Eu cresci num mundo de comunicações de marketing quando a "Regra dos Sete" era um evangelho. Essa máxima, que teve origem em 1923, dizia que "um potencial cliente precisa de ver uma mensagem pelo menos sete vezes num período de 18 meses" para ser levado a agir. Agora, com os ecrãs em todo o lado, essa ideia tornou-se mais forte. Alguns especialistas em marketing digital estimam que somos expostos a mais de 4.000 mensagens de marca por dia, embora não existam números oficiais.

Os anúncios de hoje são também mais interativos. Agora, um anúncio no telemóvel ou na televisão inclui uma hiperligação que lhe dá uma forma clicável de comprar imediatamente. Além disso, as enormes quantidades de dados disponíveis significam que as campanhas direcionadas já não são limitadas por categorias muito gerais de informação. Os dados de marketing atuais são insidiosos. A capacidade dos dados psicográficos - que classificam as pessoas com base em variáveis psicológicas, como atitudes, valores ou medos - para avaliar mais do que o seu género, raça, estado civil, etc., é alucinante. A tecnologia permite que as grandes empresas apertem os seus botões, quase literalmente, para que você aperte os delas.

"Please Unsubscribe, Thanks!", de Julio Vicent Gambuto. Simon & Schuster

O seu livro apela à "literacia da marca". O que é que quer dizer com isso?

Seria muito útil educarmo-nos a nós próprios e aos nossos filhos sobre a literacia dos media e das marcas, fornecendo as ferramentas para questionar e compreender o processo incrivelmente poderoso de criação de marcas - que está enraizado na narração de histórias - e as motivações e incentivos em jogo. Todos nós devemos compreender a forma como estas mensagens são elaboradas e como a fotografia, a animação e o vídeo são utilizados para manipular, persuadir e comover emocionalmente as pessoas. À medida que avançamos para uma sociedade muito mais automatizada e orientada para a IA, vamos precisar de competências de pensamento crítico para questionar o que vemos e como digerimos os meios de comunicação que consumimos.

É possível tirar partido das vantagens da tecnologia sem ser vítima dela?

É absolutamente possível utilizar e beneficiar da tecnologia. O meu apelo é para que a utilizemos e não para que sejamos utilizados por ela. O primeiro passo é cancelar a subscrição, o que retira o nosso envolvimento do piloto automático.

Como é que podemos beneficiar com o cancelamento da subscrição?

Quando decidimos conscientemente se queremos algo nas nossas vidas, damos a nós próprios a oportunidade de interromper a dinâmica que nos mantém num ciclo infinito de envolvimento digital. Podemos aplicar isto ao nosso calendário de trabalho, hábitos de consumo, relações sociais e muitas outras partes da vida.

Ao cancelarmos a subscrição de tudo durante um curto período de tempo e ao recorrermos ao analógico sempre que possível, tornamo-nos mais conscientes do nosso comportamento e dos nossos hábitos de consumo. Com esse conhecimento, podemos voltar a adicionar conscientemente qualquer tecnologia que nos esteja a servir bem. A principal vantagem é a capacidade de tomar decisões intencionais, em vez de seguir simplesmente o status quo, motivado por pressões sociais ou hábitos. Esta mudança permite-nos estar presentes para nos apanharmos a entrar no modo predefinido e, em vez disso, mudarmos a nossa abordagem.

O seu livro enquadra o cancelamento da subscrição como uma dieta de eliminação para a tecnologia. Que estratégias sugere?

  • Fazer uma "desintoxicação digital". Talvez volte a usar dinheiro para as despesas diárias ou a passar cheques em papel para as suas contas mensais, deixe de fazer compras online - incluindo encomendar comida para levar - e deixe de usar as redes sociais.

  • Silencie todas as notificações possíveis no seu telemóvel e computador. Desligue o seu telemóvel, pelo menos durante alguns períodos do dia, ou deixe-o quando sair durante 15 minutos, depois 30, depois uma hora.

  • Recupere o seu computador portátil e o seu telemóvel eliminando aplicações, limitando-se a apenas 10 na base do seu computador portátil e a 20 no máximo no seu telemóvel.

  • Reduza a tecnologia dos seus dispositivos. Em vez de sucumbir à constante necessidade de atualização, substituí o meu iPhone por um "smartphone simples para seniores" de baixa tecnologia.

  • Cancele a subscrição de todos os e-mails automáticos. Estabeleça regras sobre a forma como vai utilizar o correio eletrónico para melhorar e facilitar a sua vida ou o seu trabalho, para que a sua caixa de entrada não seja apenas um depósito de lixo digital sem qualquer ordem ou intenção.

  • Utilize a sua resposta automática de correio eletrónico e a mensagem de correio de voz de saída para definir expectativas sobre o seu horário de trabalho e os tempos de resposta das comunicações.

  • Decida como quer utilizar as mensagens de texto. Quando descobri que demasiadas das minhas amizades tinham lugar apenas em mensagens de texto, deixei de iniciar conversas por texto e passei a telefonar às pessoas. No início, elas ficaram assustadas, mas ouvir as vozes umas das outras faz maravilhas por uma amizade.

  • Desligue os altifalantes inteligentes e a tecnologia de assistente virtual para tornar a sua casa o mais silenciosa e sem marcas possível. Desligue o Wi-Fi durante períodos de tempo. Tente colocar um despertador antigo no seu quarto para que não haja nada a apitar. Regresse a casa para um local de consolo e restauração.

O objetivo aqui é dar a si próprio o espaço para tomar decisões intencionais sobre a forma como pretende utilizar os dispositivos e as aplicações para melhorar a sua vida.

Insta os leitores a deixarem de pedir desculpa pelo tempo de resposta. Porquê?

Pedir desculpa por não responder imediatamente a um e-mail é, indiretamente, dizer que todos devemos concordar que os e-mails devem ser respondidos no prazo de um dia. Está na altura de deixarmos de nos pressionar uns aos outros para aceitarmos estas expectativas, quando nenhum de nós se comprometeu com isso. Podemos ajudar a mudar as normas coletivas alterando a nossa linguagem. Em vez de "desculpe", podemos simplesmente dizer: "É ótimo ter notícias suas". Temos de nos opor à cultura que adoptámos de pedidos de desculpa, vergonha e pressão sobre as expectativas de comunicação.

O seu livro fornece vários "guiões", sugerindo linguagem para conversas relacionadas com o cancelamento de subscrições. Também aconselha: "Pára de dizer a palavra sim". Porquê?

Passei os meus 20 anos em modo "diga sim à vida". Mas isso não é sustentável. É crucial que nos lembremos de que o nosso tempo, energia e concentração têm limites. Reconhecer isto é incrivelmente libertador, porque nos permite criar estruturas operacionais que nos aliviam das pressões.

Por exemplo, durante a digressão do meu livro, desafiei-me a publicar apenas uma fotografia por cidade nas redes sociais. Isso mudou completamente a forma como eu interagia durante os eventos e aliviou a minha carga de trabalho depois. Esta simples restrição transformou a minha experiência porque pude estar presente a falar com as pessoas sem a pressão de registar cada minuto.

A promessa que está na base dos seus conselhos é a criação daquilo a que chama "espaço sagrado". O que é isso?

Durante décadas, tive treinadores, terapeutas e professores de dança que me diziam "encontra o sossego" ou "pratica meditação" ou "sai da tua cabeça" ou "deixa-te ir". Nunca percebi o que queriam dizer. A minha vida nunca foi calma. Mesmo quando estava sozinho numa sala, não conseguia chegar a esse sossego, tendo em conta tudo o que estava no meu ecrã, no meu telemóvel e no meu cérebro.

Agora consigo, e acho que o espaço sagrado permite-me ouvir a minha verdadeira e genuína voz interior. Na nossa sociedade, passamos muito tempo a fugir dessa voz, a encobri-la, a enchê-la de ruído, externo ou interno. Esta é uma tarefa difícil, mas acredito que quanto mais pessoas conseguirem ouvir essa voz, mais saudável será a nossa sociedade. A premissa subjacente a este livro é que, ao desafiarmo-nos a encontrar o silêncio e a ouvir as nossas vozes autênticas, podemos ser mais saudáveis e mais felizes, individual e coletivamente.

*NOTA DO EDITOR | Jessica DuLong é uma jornalista de Brooklyn, Nova Iorque, colaboradora de livros, coach de escrita e autora de "Saved at the Seawall: Stories From the September 11 Boat Lift" e "My River Chronicles: Rediscovering the Work That Built America"

Relacionados

Saúde Mental

Mais Saúde Mental

Mais Lidas

Patrocinados