É possível praticar gratidão em excesso? Por vezes, menos é mais

CNN , Jessica DuLong
25 dez 2023, 09:00
A prática da gratidão pode aumentar a felicidade, de acordo com vários estudos, mas o tiro pode sair pela culatra se exagerar, afirma Sonja Lyubomrisky, professora de psicologia da Universidade da Califórnia, em Riverside. SeventyFour/iStockphoto/Getty Images

NOTA DO EDITOR | Jessica DuLong é uma jornalista de Brooklyn, Nova Iorque, colaboradora de livros, coach de escrita e autora de "Saved at the Seawall: Stories From the September 11 Boat Lift" e "My River Chronicles: Rediscovering the Work That Built America"

A gratidão é reconhecida por melhorar praticamente todas as esferas da vida, incluindo a tomada de decisões, a autoestima e a redução do stress, bem como por melhorar a saúde cardiovascular, a imunidade e o sono. Não é preciso procurar muito para encontrar inúmeras recomendações para a prática de gratidão como chave para a felicidade.

Mas será que fazer uma lista diária das coisas pelas quais se está grato é realmente a solução milagrosa? A investigadora Sonja Lyubomirsky, professora de psicologia na Universidade da Califórnia, em Riverside, nos Estados Unidos, afirma que os factos não são assim tão simples.

Sonja Lyubomirsky, autora de "Os Mitos da Felicidade". Taea Thale

É verdade que incentivar a gratidão pode aumentar a felicidade, mas estudos demonstraram que nem todos beneficiam de práticas de gratidão como enumerar as suas bênçãos - e algumas pessoas podem mesmo piorar. Com base em décadas de investigação no campo da psicologia positiva, Lyubomirsky, autora do best-seller "Como ser feliz" e "Os Mitos da Felicidade", partilha ideias sobre como funcionam as práticas de gratidão, e quando têm um impacto contrário.

Esta conversa foi editada e resumida para maior clareza.

Uma prática eficaz de gratidão pode variar consoante o indivíduo, diz Lyubomirsky. Penguin Books

CNN: Em "Como ser feliz", refere que a gratidão é uma "meta-estratégia para alcançar a felicidade". Como é que isso funciona?

Sonja Lyubomirsky: A gratidão reforça o bem-estar, redireciona a atenção das pessoas, reformula as suas interpretações e dá cor às suas memórias com positividade. A pesquisa demonstrou que a gratidão pode neutralizar eficazmente as emoções negativas. É difícil sentir ciúme, ressentimento, raiva ou ansiedade quando também nos sentimos gratos.

Num sentido mais amplo, a gratidão também destaca um ponto de vista geral que o ajuda a lidar com a adversidade. Por exemplo, se a casa de alguém arder, essa pessoa pode concentrar-se no facto de a sua família ter sobrevivido para ajudar a atenuar a dor de tudo o que perdeu. A gratidão ajuda-o a lidar com os desafios e fatores de stress na sua vida.

Escreve que parte da razão pela qual a gratidão pode ser útil é porque interrompe a "adaptação hedónica". O que é que quer dizer com isto?

A adaptação hedónica é a nossa notável capacidade de nos ajustarmos rapidamente a qualquer nova circunstância ou acontecimento. É a razão pela qual o impulso que sentimos quando conseguimos algo de bom na vida é normalmente de curta duração. A gratidão ajuda-nos a interromper a adaptação hedónica. Estar grato é o oposto de tomar as coisas boas como garantidas.

O que nos diz a investigação sobre a prática da gratidão?

A correlação entre a felicidade e a gratidão está bem documentada. Estudos aleatórios e controlados também demonstraram a causalidade - que o bem-estar e a felicidade aumentam quando as pessoas são incentivadas a expressar gratidão de diferentes formas. Precisamos de mais estudos pré-definidos, precisamos de estudos maiores, mas estou bastante confiante neste resultado.

Se a felicidade e o bem-estar são os objetivos, qual a prática eficaz de gratidão?

Isso depende da pessoa. O que funciona é o melhor para si em determinado momento da sua vida. Algumas pessoas são muito verbais. Para elas, encontrar um parceiro para expressar gratidão pode funcionar melhor. Se estiver a atravessar um período difícil, talvez a melhor forma de praticar a gratidão seja passar tempo com amigos e familiares e falar sobre o que gostam.

Algumas pessoas adoram escrever, pelo que as cartas de agradecimento, quer as enviem ou as mantenham em privado, podem ser úteis. Outras mantêm um diário de gratidão. Um estudo concluiu que expressar gratidão através da composição de uma narrativa ou de uma carta é mais poderoso do que simplesmente escrever uma lista. Há muitas nuances, mas o objetivo é encontrar uma prática que se adeque a si.

Para as pessoas que gostam de escrever, uma prática eficaz de gratidão pode ser escrever notas de agradecimento a amigos e familiares, aponta Lyubomrisky. towfiqu ahamed/iStockphoto/Getty Images

Refere que apresentar a alguém as coisas, as pessoas e os lugares de que gostamos pode aumentar a gratidão. Como é que isso funciona?

Partilhar o seu mundo com outras pessoas pode ajudá-lo a ver os detalhes da sua vida com uma nova perspetiva, de uma forma mais clara, fazendo com que os aprecie como se os estivesse a viver pela primeira vez.

Vivo em Santa Mónica e tenho uma vista incrivelmente bela do oceano. Já me habituei a ela, mas se alguém chegar e exclamar "Oh meu Deus!”, isso pode fazer com que a minha apreciação da vista passe de 60% para 80%. Passar algum tempo com as crianças também pode ajudar neste aspeto. Elas veem o mundo de uma forma vibrante, entusiasmada e nova.

É possível exagerar na prática de gratidão?

Se o objetivo for aumentar a felicidade, sim. As intervenções de gratidão podem ser prejudiciais quando administradas com demasiada frequência. Um estudo encontrou diferenças entre grupos de participantes com base na frequência com que escreviam cinco coisas pelas quais estavam gratos.

Os estudantes foram aleatoriamente designados para enumerar as suas bênçãos uma vez por semana ou três vezes por semana, ou para um controlo em lista de espera. Os participantes que enumeraram as suas bênçãos uma vez por semana revelaram melhorias significativas no seu bem-estar, mas os que o fizeram três vezes por semana não revelaram qualquer benefício ou registaram ligeiras diminuições no seu bem-estar.

A minha interpretação foi que talvez três vezes por semana fosse excessivo. Talvez as pessoas se tenham aborrecido ou a atividade se tenha tornado uma tarefa árdua ou perdido o seu significado.

A prática de gratidão pode causar danos?

Há situações em que a prática de gratidão pode não surtir o efeito desejado. No início da minha carreira, ouvi profissionais de saúde mental que expressaram a sua preocupação com o facto de os exercícios de gratidão poderem piorar a saúde dos seus pacientes deprimidos. Fiquei intrigada com isto e por isso realizei um estudo com estudantes universitários deprimidos. Foram tantos os participantes que se sentiram menos felizes que tive de interromper o estudo. Alguns relataram que sentiram vergonha ou constrangimento por terem recebido qualquer tipo ajuda ou gentileza que tinham incluído na sua lista de gratidão. Outros disseram que tinham dificuldade em encontrar coisas pelas quais estarem gratos, o que os fazia sentir-se pior em relação a si próprios e às suas vidas.

Falei com um clínico que trabalha com adolescentes gravemente deprimidos no Canadá sobre o facto de um dos fatores de risco de suicídio ser o sentimento de que se é um fardo para os amigos e para a família - que as coisas seriam mais fáceis se eles não existissem. Ainda não investigámos isto, mas imagino que pedir às pessoas que já se sentem assim para refletirem sobre todas as formas diferentes como os seus amigos ou familiares as ajudaram e apoiaram ao longo dos anos poderia intensificar ainda mais esse sentimento.

De um modo geral, se eu lhe pedisse para contar as suas bênçãos todos os dias durante 10 dias, poderia ser difícil para si continuar a encontrar coisas pelas quais estar grato. E isto poderá levá-lo a concluir que talvez não seja assim tão afortunado.

Que conselho tem para evitar armadilhas quando se pratica a gratidão?

Use a sua intuição. Faça a sua própria pesquisa do "eu". Se estiver a praticar algo e se sentir menos positivo ou menos conectado, pare e experimente algo diferente. Tenha consciência de alguns dos fatores que já discutimos. Está a ter dificuldade em pensar em coisas pelas quais estar grato? Manter um diário de gratidão fá-lo sentir-se embaraçado, envergonhado ou um fardo? A prática tornou-se apenas uma obrigação? Então mude. Faça uma pausa ou expresse gratidão de outra forma.

E se o seu objetivo for a felicidade, lembre-se de que a gratidão é apenas uma das centenas de atividades que pode fazer para ser uma pessoa mais feliz, para prosperar mais. Outras incluem praticar atos de bondade e dedicar tempo a saborear cada momento. Praticar a gratidão é apenas uma estratégia.

Relacionados

Saúde Mental

Mais Saúde Mental

Mais Lidas

Patrocinados