As raposas já foram os melhores amigos dos humanos

CNN , Mindy Weisberger
5 mai, 18:00
Raposa do Ártico (foto: Arterra/Universal Images Group v/ Getty Images)

Numa antiga sepultura no que é atualmente o noroeste da Argentina, uma pessoa foi enterrada com um companheiro canino - mas este amigo animal não era um cão, de acordo com uma nova investigação. O enterro continha o esqueleto de um tipo de canídeo que pode ter competido com os cães pelo afeto humano: uma raposa.

Os humanos e os cães têm uma longa história. A relação entre as duas espécies tem dezenas de milhares de anos. No entanto, uma nova análise de provas de um enterro na Patagónia, datado de há cerca de 1500 anos, sugere uma ligação semelhante entre um caçador-recolector do sul da América do Sul e a espécie de raposa grande e extinta Dusicyon avus.

Os arqueólogos descobriram originalmente o esqueleto quase completo de D. avus enterrado ao lado de um humano em Cañada Seca, um sítio no norte da Patagónia, em 1991. Não havia marcas de cortes nos ossos, pelo que a raposa não tinha sido comida, disse Ophélie Lebrasseur, investigadora da Wellcome Trust Palaeogenomics and Bio-Archaeology Research Network da Escola de Arqueologia da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Uma análise aprofundada do ADN antigo e a datação por radiocarbono confirmaram a espécie e a idade da raposa, e o exame do colagénio nos restos mortais da raposa revelou que esta comia os mesmos alimentos que este grupo de humanos. Juntamente com a colocação do esqueleto na sepultura, a dieta do animal sugeriu que a raposa era domesticada e pode ter sido mantida como animal de estimação, relataram os cientistas na quarta-feira na revista Royal Society Open Science.

A descoberta vem juntar-se a um conjunto crescente de provas provenientes de cemitérios de outros continentes que indicam que as raposas foram domesticadas por humanos e partilharam uma ligação baseada no companheirismo.

A raposa e a sociedade de caçadores-recolectores

O D. avus viveu desde a Época Pleistocénica (cerca de 2,6 milhões a 11.700 anos atrás) até ao Holocénico, extinguindo-se há cerca de 500 anos. Era mais ou menos do tamanho de um pastor alemão moderno, mas muito menos volumoso, pesando até 15 quilogramas.

Partes do exemplar de D. avus foram enterradas ao lado de um humano em Cañada Seca, um sítio no norte da Patagónia. (Cortesia de Francisco Prevosti)

"Em geral, o Dusicyon avus tem uma dieta carnívora", disse Lebrasseur, que co-liderou o estudo com Cinthia Abbona, pesquisadora do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica da Argentina. Mas quando os cientistas testaram o esqueleto de raposa do enterro, descobriram que sua dieta era menos carnívora do que o esperado, e mais semelhante à dieta dos humanos.

"Isso sugere que ou a comunidade estava a alimentá-la, ou ela estava à volta da comunidade e alimentava-se dos resíduos da cozinha", disse Lebrasseur à CNN. "Isso sugere que há uma relação mais próxima e uma integração do canídeo dentro da sociedade".

A noção de raposas como animais de estimação na América do Sul alinha-se com evidências de outros enterros de raposas na Europa e na Ásia, disse Aurora Grandal-d'Anglade, paleobióloga da Universidade da Corunha, em Espanha. Grandal-d'Anglade, que não esteve envolvida no novo estudo, descreveu anteriormente sepulturas da Idade do Bronze na Península Ibérica que incluíam dezenas de cães e quatro raposas enterrados ao lado de pessoas. Os investigadores verificaram que as raposas tinham sido dispostas de forma muito semelhante à dos cães, o que sugere que também elas eram companheiras dos humanos.

"Não há nenhuma razão para que as raposas não possam ser domesticadas", disse Grandal-d'Anglade à CNN por e-mail. "Sabemos que os humanos, em muitas sociedades completamente diferentes, mantêm frequentemente animais domésticos (não só canídeos, mas também macacos, pássaros, répteis) simplesmente como animais de companhia. Quando visto desta forma, aparecem cada vez mais sítios onde as raposas parecem ter desempenhado o papel de animais de companhia".

Encontrar D. avus numa sepultura humana foi surpreendente por outra razão - embora a espécie tenha sido difundida no sul da América do Sul, era anteriormente desconhecida nesta parte da Patagónia. De acordo com o estudo, os caçadores-colectores que viviam na região mantinham-se normalmente a uma distância de cerca de 70 quilómetros, pelo que era provável que encontrassem a simpática raposa dentro desse raio de ação.

"O Dusicyon avus deve ter feito parte da vizinhança próxima, para poder ser integrado na comunidade", disse Lebrasseur.

O que os enterros de raposas revelam sobre o "melhor amigo do homem"

A análise também lançou luz sobre o que levou as raposas à extinção - ou melhor, o que não levou. Uma hipótese sugeria que as raposas cruzavam-se com cães que os colonizadores europeus introduziram na América do Sul, e que o cruzamento acabou por fazer com que a linhagem das raposas se extinguisse. Mas o DNA da raposa contava uma história diferente, relataram os autores do estudo.

"Com base no que conseguimos recuperar e na técnica que desenvolvemos em Oxford há alguns anos, pudemos sugerir que a hibridação entre cães domésticos e Dusicyon avus não teria sido capaz de produzir descendentes férteis", disse Lebrasseur.

O D. avus viveu desde a época Pleistocénica (cerca de 2,6 milhões a 11.700 anos atrás) até ao Holocénico, tendo sido extinto há cerca de 500 anos. Aqui está um crânio completo de um sítio diferente do do norte da Patagónia. Cortesia de Francisco Prevosti

No entanto, é ainda possível que os cães não tenham sido totalmente inocentes no declínio das raposas. Com uma dieta semelhante à do D. avus, os cães podem ter ajudado a acelerar a extinção das raposas, ultrapassando-as. Os cães também podem ter transportado e transmitido doenças que adoeceram as raposas, acrescentou Lebrasseur.

Os especialistas explicam frequentemente a domesticação dos cães como algo que aconteceu porque os humanos se aperceberam que podiam pôr os cães a trabalhar como caçadores ou pastores, disse Grandal-d'Anglade. Mas o esqueleto de D. avus em Cañada Seca e outros enterramentos de raposas sugerem que um animal não precisava de ser um trabalhador útil para ser acarinhado pelos humanos - podia ser simplesmente um amigo.

"A proliferação de canídeos de diferentes espécies em estreita relação com os seres humanos parece indicar que, em princípio, se tratava de uma relação de afeto, de companheirismo", afirmou Grandal-d'Anglade. "O facto de os encontrarmos em tantas sociedades diferentes e em continentes diferentes indica que manter animais para companhia, e não apenas como animais de trabalho ou de carne, é uma caraterística ancestral dos humanos".

Mindy Weisberger é uma escritora de ciência e produtora de media cujo trabalho foi publicado na Live Science, Scientific American e na revista How It Works.

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados