Os mosquitos e as carraças estão a aparecer com maior frequência. Eis como se manter seguro este verão

CNN , Katia Hetter
23 jun, 12:00
Mosquitos. Olivier Morin/AFP/Getty Image/FILE

Mosquitos e carraças podem transmitir doenças graves – saiba como se proteger e tratar possíveis mordidas

Bem-vindo ao verão no Hemisfério Norte, com toda a sua diversão ao sol - e pequenas criaturas que querem dar-lhe uma dentada.

Os mosquitos e as carraças podem transmitir doenças transmitidas por vetores, e estão a aparecer com maior frequência. O que é que as pessoas podem fazer para se protegerem enquanto continuam a desfrutar de tudo o que os meses de verão têm para oferecer? E que tratamentos estão disponíveis caso sejam mordidos?

Para o descobrir, falei com a especialista em bem-estar da CNN, Leana Wen. Wen é médica de emergência e professora associada clínica na Universidade George Washington. Anteriormente, foi comissária de saúde de Baltimore.

Comecemos por falar das doenças transmitidas por carraças, mais concretamente da doença de Lyme. O que é a doença de Lyme e porque é que as pessoas devem prestar atenção a esta doença?

Nos Estados Unidos, a doença de Lyme é a doença mais comum transmitida por vectores e transmitida por carraças.

As pessoas que contraem a doença de Lyme podem ter sintomas temporários semelhantes aos da gripe, como dores musculares, febre e dores de cabeça. Podem também desenvolver uma erupção cutânea e ter dores nas articulações. A preocupação com a doença de Lyme é que alguns doentes não tratados progridem para sintomas a longo prazo. Estes podem ser graves e debilitantes e incluem dores contínuas nos nervos, paralisia facial e alterações da função cardíaca.

Quando é a época alta da doença de Lyme?

Estamos agora na época alta. Em áreas onde a doença é predominante, como no leste dos Estados Unidos, as pessoas podem ser picadas por carraças de patas pretas que transportam a doença de Lyme desde a primavera até ao outono, de acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA. No ano passado, houve relatos de que os diagnósticos da doença de Lyme atingiram o seu pico imediatamente antes do feriado de 4 de julho.

A incidência da doença de Lyme aumentou nos últimos anos?

Sim. As taxas de diagnóstico da doença de Lyme duplicaram de 2004 a 2018, com um aumento da prevalência geográfica, o que significa que há mais zonas com uma incidência elevada desta doença do que anteriormente. (Os dados mais recentes mostram um aumento ainda mais dramático, embora a metodologia de vigilância tenha melhorado para captar mais diagnósticos). Há uma variedade de teorias que explicam este facto. A maioria está centrada na influência das alterações climáticas - por exemplo, o facto de as temperaturas mais quentes terem expandido o habitat das carraças e talvez também acelerado os seus ciclos de vida. O mesmo acontece com outras doenças transmitidas por vetores, como as transmitidas por mosquitos, que também estão a aumentar, provavelmente devido ao aumento das temperaturas.

O que é que as pessoas podem fazer para reduzir as suas probabilidades de contrair a doença de Lyme?

O passo mais importante é evitar as picadas de carraças. Se estiver numa zona conhecida por ter Lyme, deve usar camisas de manga comprida e calças quando fizer caminhadas. Utilize repelente de insectos que contenha o ingrediente DEET. Depois da atividade, procure cuidadosamente por carraças. Se tiver crianças pequenas e animais de estimação, dedique algum tempo a examiná-los também.

Se encontrar uma carraça, retire-a, guarde-a para identificação num pequeno frasco e contacte o seu médico de família. Uma terapia antibiótica precoce pode evitar o desenvolvimento da doença de Lyme. Além disso, se acabar por desenvolver sintomas, faça imediatamente um teste. O tratamento com antibióticos pode reduzir a progressão para sintomas crónicos.

E os mosquitos? Que doenças podem transmitir?

Os mosquitos podem transmitir muitas doenças aos seres humanos, incluindo o vírus do Nilo Ocidental, a dengue e a malária.

O vírus do Nilo Ocidental é a principal causa de doenças transmitidas por mosquitos no território continental dos Estados Unidos. Embora a maioria das pessoas com a doença não fique doente, cerca de 1 em cada 150 pessoas infectadas desenvolve uma doença grave que pode ser fatal. Em 2023, 47 estados notificaram casos de Nilo Ocidental. No total, foram registados 2.406 casos nos EUA.

A dengue é outro vírus transmitido por mosquitos. Os surtos são comuns em todo o mundo e, ocasionalmente, há casos relatados nos EUA. A maioria desses casos ocorre a quem viaja, mas os tipos de mosquitos que podem transmitir dengue são encontrados em muitas partes dos EUA. Isso significa que a transmissão local é possível. Nos últimos anos, a transmissão de dengue por pessoas que não costumam viajar ocorreu em estados como a Flórida, o Texas, o Arizona e a Califórnia.

Outra infecção transmitida por mosquito que é muito mais comum noutras partes do mundo é a malária. Se não for tratada, os sintomas podem tornar-se graves e evoluir para insuficiência renal, convulsões, coma e morte. Embora a maioria dos casos nos EUA envolva viajantes que contraíram malária noutras partes do mundo, também se registaram casos transmitidos localmente. No ano passado, foram registados casos deste tipo na Florida, Texas e Maryland.

Mencionou os casos de malária nos EUA. O que devem fazer as pessoas que vão viajar para outros países onde se sabe que existem estas e outras doenças transmitidas por mosquitos?

Aconselho as pessoas a consultarem o guia completo do CDC, que inclui recomendações para cada país de destino, e a marcarem uma consulta com o seu médico de família ou com uma clínica médica de viagens. Dependendo do local para onde vai, das atividades planeadas e do seu historial médico pessoal, poderá ser-lhe recomendada a administração de vacinas adicionais ou de medicamentos profiláticos.

Por exemplo, se for para um local onde exista o risco de febre amarela, poderá ter de tomar essa vacina. Se viajar para zonas com elevadas taxas de malária, pode ser-lhe recomendado que comece a tomar medicamentos antimaláricos.

O que é que cada um pode fazer para reduzir a possibilidade de ser picado por mosquitos?

Todos devem ter em mente dois passos fundamentais. O primeiro é reduzir as picadas. Pode fazê-lo cobrindo os braços e as pernas com roupa, sempre que possível. O vestuário tratado com o inseticida permetrina pode proporcionar uma camada adicional de proteção.

Também pode usar repelente de insectos. Certifique-se de que utiliza repelentes registados na Agência de Proteção Ambiental dos EUA. Estes contêm ingredientes ativos como o DEET e são seguros, mesmo para crianças e mulheres grávidas.

O segundo passo fundamental é o controlo da fonte - ou seja, reduzir os mosquitos perto de si. Durante a época alta dos mosquitos, no verão e no início do outono, use telas nas janelas e portas para reduzir os mosquitos em sua casa. Além disso, é crucial procurar água parada no seu jardim, uma vez que estes são locais de reprodução dos mosquitos. Verifique se há objetos em sua casa que possam conter água - como baldes, contentores de lixo, pneus e brinquedos - e esvazie-os e lave-os pelo menos uma vez por semana.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Mais Lidas

Patrocinados