Estamos no Mês do Orgulho LGBTQ+. Tudo o que precisa de saber sobre o "Pride"

CNN , Ayana Archie e Brandon Griggs
6 jun, 09:00
Milhares em Berlim na primeira marcha após legalização de casamento homossexual

Junho é o Mês do Orgulho, quando as comunidades LGBTQ do mundo se reúnem e celebram a liberdade de serem elas mesmas.

Os encontros de orgulho estão enraizados na árdua história de grupos minoritários que lutaram durante décadas para superar o preconceito e serem aceites por aquilo que são.

Os organizadores originais escolheram este mês para homenagear a revolta de Stonewall em junho de 1969 em Nova Iorque, o que ajudou a desencadear o moderno movimento dos direitos dos homossexuais. A maioria dos eventos do Orgulho acontece todos os anos em junho, embora algumas cidades realizem as suas celebrações noutras épocas do ano.

Quem o celebra?

Um participante da Venezuela participa no desfile anual do orgulho gay de Berlim em 2017

Eventos de orgulho acolhem qualquer um que sinta que a sua identidade sexual não se inclui no que é convencional, embora muitas pessoas heterossexuais se juntem também.

LGBTQ é uma sigla que significa lésbica, gay, bissexual, transgénero e queer. O termo às vezes é estendido à LGBTQIA, para incluir grupos intersexo e assexuados. Queer é um termo abrangente para pessoas não heterossexuais; intersexo refere-se àqueles cujo sexo não é claramente definido devido a diferenças genéticas, hormonais ou biológicas; e o assexuado descreve aqueles que não sentem atração sexual.

Estes termos podem também incluir pessoas fluidas de género, ou aquelas cuja identidade de género muda ao longo do tempo ou dependendo da situação.

Como começou?

As pessoas celebram fora do histórico Stonewall Inn durante a Marcha do Orgulho de Nova Iorque a 27 de junho de 2021, em Nova Iorque

Na madrugada de 28 de junho de 1969, a polícia invadiu o Stonewall Inn, um bar gay em Greenwich Village, em Nova Iorque, e começou a obrigar os clientes a saírem. A tensão rapidamente aumentou quando os clientes resistiram à prisão e uma multidão crescente de espectadores atirou garrafas e moedas aos agentes. A comunidade gay de Nova Iorque, farta de anos de assédio por parte das autoridades, eclodiu em motins no bairro que se estenderam durante três dias.

A revolta tornou-se um catalisador para um movimento emergente dos direitos dos homossexuais, à medida que organizações como a Frente de Libertação Gay e a Aliança dos Ativistas Gays foram formadas, modeladas após o movimento dos direitos civis e o movimento dos direitos das mulheres. Os membros realizaram protestos, reuniram-se com líderes políticos e interromperam reuniões públicas para responsabilizar os líderes. Um ano depois dos motins de Stonewall, as primeiras marchas do Orgulho Gay da nação foram realizadas.

Em 2016, a área em torno do Stonewall Inn, ainda hoje um local popular noturno, foi designada monumento nacional.

De onde veio o nome Pride?

Membros e aliados da comunidade LGBTQ marcham em 12 de junho de 2021, em Washington

A sua origem é em grande parte atribuída a Brenda Howard, uma ativista bissexual nova-iorquina apelidada de "Mãe do Orgulho", que organizou o primeiro desfile do Pride para comemorar o aniversário de um ano da revolta de Stonewall.

Qual é a origem da bandeira do arco-íris?

Em 1978, o artista e designer Gilbert Baker foi contratado pelo supervisor da cidade de São Francisco Harvey Milk, um dos primeiros funcionários gay eleitos abertamente nos EUA, para fazer uma bandeira para as próximas celebrações do Orgulho da cidade.

Baker, um proeminente ativista dos direitos dos homossexuais, inspirou-se nas riscas da bandeira americana, mas também no arco-íris para refletir os muitos grupos dentro da comunidade gay.
Um subconjunto de bandeiras representa outras sexualidades no espectro, tais como bissexuais, pansexuais e assexuados.

Posso participar de eventos do Pride se não for LGBTQ?

Kamala Harris, então procuradora-geral da Califórnia, participa no desfile do Orgulho de São Francisco em 2016

Claro que sim. Eventos de orgulho recebem aliados de fora da comunidade LGBTQ. São oportunidades para mostrar apoio, observar, ouvir e ficar a saber mais.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados