Nesta praia paradisíaca e de águas quentes é 98% garantido que não será picado por mosquitos - e sem recurso a químicos

CNN , Regan Stephens
30 dez 2023, 11:00
Praia no resort Soneva Fushi, Maldivas. Cortesia Soneva Fushi

A solução mais eficaz que encontraram levou a uma redução drástica dos mosquitos e, no processo, revigorou as plantas e os animais tropicais da ilha

Qualquer pessoa que já tenha sido atacada por mosquitos enquanto tentava relaxar numa caminhada panorâmica ou numa praia tranquila sabe perfeitamente que mesmo uma pequena praga pode ter um grande impacto nas férias.

Mas, para além de um mero incómodo, os mosquitos podem representar um risco mais grave para a saúde, uma vez que são portadores de doenças como a malária, dengue e zika. Soneva Fushi, uma estância na ilha privada de Kunfunadhoo, nas Maldivas, passou anos a trabalhar para erradicar estas pragas.

A solução mais eficaz que encontraram levou a uma redução drástica dos mosquitos e, no processo, revigorou as plantas e os animais tropicais da ilha.

A Soneva estabeleceu uma parceria com a empresa alemã Biogents, que desenvolveu armadilhas para mosquitos que se baseiam em atrativos amigos do ambiente.

"Estávamos à procura de formas de controlar os mosquitos sem recorrer a produtos químicos", afirmou Arnfinn Oines, diretor de consciência social e ambiental da Soneva.

Há muito que a região se debate com um problema de mosquitos, agravado durante a estação das monções - que decorre de maio a novembro.

Vários métodos que tentaram, incluindo a utilização de várias armadilhas e o trabalho para eliminar os locais de reprodução dos mosquitos, colocaram os seus próprios desafios.

Outra abordagem para combater as pragas voadoras envolveu a utilização de métodos como "nebulização térmica e pulverização", de acordo com Oines, que não são exatamente precisos para atingir apenas os insetos com inseticidas e podem ser desagradáveis para os hóspedes e anfitriões. Apesar de tentarem utilizar estas técnicas de forma discreta, acabavam inevitavelmente por incomodar os hóspedes, disse.

Uma armadilha para mosquitos criada pela Biogents no Soneva Fushi. Cortesia de Soneva Fushi

Além disso, estas técnicas são normalmente úteis apenas para eliminar os mosquitos adultos. E, passado algum tempo, mesmo esses desenvolvem resistência, tornando os produtos químicos ineficazes, observou Oines.

O que não desenvolve resistência, porém, é a abundância de outros insetos na ilha de Kunfunadhoo. Como resultado, registou-se uma diminuição notável das populações de borboletas, libélulas, abelhas e escaravelhos.

A Soneva empregou pela primeira vez o sistema Biogents em 2019, utilizando dois tipos diferentes de armadilhas - mais de 500 no total posicionadas em redor da ilha. O primeiro tipo, chamado BG-GAT, é uma armadilha passiva destinada a mosquitos-tigre-asiático que já picaram alguém e estão à procura de um local para pôr ovos, de acordo com Oines.

O segundo tipo, a BG-Mosquitaire CO2, destina-se a atrair mosquitos à procura de sangue, o que faz utilizando dióxido de carbono criado através da fermentação de levedura e açúcar, mais ácido lático, que imita a pele humana.

"O BG-Mosquitaire CO2 é único e eficaz na medida em que simula os seres humanos através da utilização de CO2 e do cheiro a suor", explicou. Essencialmente, os dispositivos cheiram e "respiram" como os humanos, atraindo e contendo os insetos. Nas primeiras semanas, as armadilhas estavam a apanhar milhares de mosquitos por dia.

Para além da utilização das armadilhas, a estância de férias deu formação aos funcionários sobre a ecologia dos mosquitos. Agora, a equipa do Soneva faz inspeções à propriedade para identificar e reduzir coisas como lonas, cascas de coco caídas e qualquer outra coisa que possa conter água estagnada, necessária para que os insetos se reproduzam.

Um bungalow sobre a água no Soneva Fushi. Sandro Bruecklmeier/Cortesia Soneva Fushi

O programa de combate às pragas tem sido um sucesso, segundo a Soneva.

A estância de férias afirmou que registou uma diminuição drástica da população de mosquitos da ilha em mais de 98% no primeiro ano.

"Contámos os mosquitos capturados diariamente - a contagem tornou-se certamente mais fácil à medida que os números foram sendo reduzidos", indicou Oines. "Recebemos muitos comentários positivos de hóspedes que voltam ano após ano e que notaram a diferença."

O sistema de armadilhas da Biogents também provou ser altamente eficaz na utilização a longo prazo, sem preocupações de que os insetos desenvolvam resistência ao método. E mais boas notícias: desde que os produtos químicos foram descontinuados, os insetos nativos das Maldivas estão novamente a florescer.

"Estes polinizadores naturais estão agora de volta em abundância, o que significa que há mais flores, mais frutos e mais produtos", sublinhou Oines, acrescentando que mais frutos e insetos também significa que "há mais pássaros a visitar as costas de Kunfunadhoo e os pirilampos são novamente avistados à noite".

O aumento da biodiversidade, bem como os métodos ecológicos e sustentáveis utilizados para lá chegar, fazem sentido tendo em conta as raízes do resort. O Soneva Fushi foi fundado por Sonu e Eva Shivdasani em 1995, com um compromisso pioneiro para com a sustentabilidade ambiental. A visão do casal fez com que estivessem entre os primeiros a introduzir iniciativas como a reciclagem, a conservação de energia e a redução de resíduos na região. 

Hoje em dia, o Soneva Fushi continua a ser um exemplo de luxo sustentável no mundo da hotelaria, e conta com uma filosofia de desperdício zero e um programa inovador de restauração de corais entre as suas iniciativas ambientais, para além do controlo de pragas sem químicos nocivos.

Relacionados

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Mais Lidas

Patrocinados