FC Porto-Boavista, 2-1 (destaques)

Ricardo Jorge Castro , Estádio do Dragão, Porto
12 mai, 23:27

Taremi herói em horas extra

FIGURA: Mehdi Taremi

Esteve longe de ser o melhor jogador do dérbi. Mas é inegável que é a figura. E o nome decisivo num jogo com um final épico. Dramático. O iraniano, que entrou aos 59 minutos, que entrou a ouvir alguns assobios, que foi alvo de insatisfação depois de alguns golos falhados, tornou-se protagonista ao marcar o 2-1 que deu a vitória do FC Porto ante o Boavista aos 90+8m. E tudo o que ficou para trás foi rapidamente esquecido. Quem diria que o provável último jogo pelo FC Porto no Estádio do Dragão terminaria assim?

MOMENTO: o golo de Taremi (90+8m)

A impaciência e o desespero do universo FC Porto no Estádio do Dragão virou felicidade indescritível colorida de azul e branco quando Mehdi Taremi, ao segundo poste, de cabeça, concluiu para o fundo da baliza o cruzamento de Francisco Conceição. Mesmo no fim do jogo, quando o 4.º lugar ao final da jornada parecia o destino dos dragões – e a obrigatoriedade de ir a Braga vencer – e a manutenção quase uma certeza para o Boavista, tudo mudou de um momento para o outro. Na noite do FC Porto e na noite de Taremi.

OUTROS DESTAQUES

Francisco Conceição: é um dos rostos da vontade e entrega do FC Porto na adversidade e na busca pelo êxito. Não lhe faltaram esses fatores no dérbi, com sucessivas arrancadas pela direita e colocações de bola na área, que na maioria das vezes careceram de finalização por parte dos colegas em frente à baliza. Porém, acabou com uma belíssima assistência para o decisivo golo de Taremi. Correu e lutou até ao último instante.

Pepê: começou o jogo na frente junto a Galeno, Conceição e Evanilson e acabou a lateral, mas com propensão ofensiva constante, com a saída de Martim Fernandes para a entrada de Taremi (59m). Teve a grande oportunidade da primeira parte num belo lance em que leva a bola ao ferro e foi um dos jogadores que mais inteligência mostrou com e sem bola para procurar levar a equipa para a frente.

Sasso: deu o que pôde (e às vezes o que parecia já não conseguir dar) em defesa da sua equipa. Ganhou todos os duelos que teve, assinando ações defensivas determinantes para acabar com ataques do FC Porto, com cortes importantíssimos quando os dragões ameaçavam a baliza guardada por João Gonçalves.

Bruno Lourenço: fez um belíssimo golo aos 60 minutos para dar vantagem ao Boavista.

Zé Pedro: fez o golo do empate (1-1) aos 81 minutos e deu vida ao FC Porto na busca pela vitória que acabaria por surgir mesmo a fechar o jogo.

Relacionados

Patrocinados