O que aconteceu ao bebé de meses que foi raptado pelo Hamas? Ninguém sabe onde está Kfir

CNN , Rhea Mogul
29 nov 2023, 11:27
Kfir Bibas foi raptado por militantes do Hamas da sua casa em Israel, a 7 de outubro. Hostages Missing Families Forum

Bebé de 10 meses está entre as crianças ainda em cativeiro ou desaparecidas em Gaza

Com dez meses de idade, Kfir Bibas já passou mais de um quinto da sua jovem vida em cativeiro. O seu rosto com olhos grandes e cabelo é um símbolo vivo da dor e do sofrimento suportados pelas famílias dos reféns israelitas.

Passados mais de 50 dias desde o seu rapto por militantes do Hamas na sua casa no sul de Israel, a família de Kfir diz não estar mais perto de saber se ele está a salvo - ou mesmo vivo.

"Estamos muito, muito preocupados com ele", disse Eylon Keshet, uma prima da família, à CNN, segurando uma fotografia do bebé.

"Não temos a certeza se ele conseguirá sobreviver. Cada dia que passa ali é um perigo real, real para a sua vida."

Kfir, o irmão Ariel, de quatro anos, a mãe Shiri e, presumivelmente, o pai Yarden foram raptados de Nir Oz, um kibutz israelita que foi devastado durante o ataque do Hamas em 7 de outubro. Os atacantes assassinaram mais de um quarto da comunidade e capturaram dezenas de outros, disparando contra as casas das pessoas, saqueando e destruindo o que podiam.

Ariel Bibas, 4 anos, foi raptado de sua casa no sul de Israel por militantes do Hamas em 7 de outubro. Yosi Shnaider

Cerca de 1200 pessoas, a maioria civis, foram mortas pelo Hamas no sul de Israel nesse dia - o maior ataque terrorista contra Israel desde a fundação do país em 1948.

Um vídeo do rapto da família Bibas tornou-se um dos primeiros momentos marcantes desse dia, quando uma mãe aterrorizada se agarrou firmemente aos filhos, com Ariel ainda a chuchar na chucha. As crianças não choram nem fazem barulho enquanto os militantes do Hamas cercam a mãe abalada, com um cobertor enrolado no corpo. Os seus avós foram mortos no ataque, acrescentou Keshet.

O pai dos rapazes foi atingido por um martelo, disse a irmã, não havendo mais informações sobre o seu estado atual ou o seu paradeiro. O primo de Yarden, Keshet, disse que a família acredita que Yarden foi separado da mulher e dos filhos, com base em vídeos que viram.

"Não faz sentido que alguém possa permitir que isto continue a acontecer", disse Keshet. "É desumano. É muito assustador."

Acredita-se que o Hamas tenha mantido mais de 200 reféns em Gaza antes das libertações negociadas com Israel. Ao abrigo do acordo de tréguas, grupos de cidadãos israelitas e de outros cidadãos - na sua maioria mulheres e crianças, em conformidade com os termos do acordo - têm sido libertados todos os dias desde sexta-feira.

Mais de 14.800 palestinianos, incluindo 6.000 crianças, foram mortos em Gaza desde que Israel lançou a sua ofensiva em resposta aos ataques terroristas do Hamas de 7 de outubro, de acordo com os números do Ministério da Saúde palestiniano na Cisjordânia, que obtém os seus dados das autoridades sanitárias da Faixa de Gaza dirigidas pelo Hamas.

Como parte do acordo de tréguas, Israel libertou das suas prisões mulheres e crianças palestinianas, muitas das quais nunca foram acusadas ou condenadas.

A trégua inicial de quatro dias foi prolongada por mais dois dias na segunda-feira, quando começaram a surgir histórias das famílias dos reféns libertados, dando as primeiras indicações sobre como era a vida em cativeiro.

Na segunda-feira, o porta-voz das Forças de Defesa de Israel, Daniel Hagari, disse que a família Bibas não é atualmente refém do Hamas, o que complica ainda mais os esforços de libertação.

Enquanto o Hamas governa Gaza, outros grupos militantes operam lá, incluindo organizações como a Jihad Islâmica Palestiniana.

Os nomes de Kfir, Ariel e Shira ainda não constam de uma lista de reféns que se espera que sejam libertados. Estima-se que cerca de oito crianças ainda estejam detidas pelo Hamas, e os seus rostos galvanizaram uma nação de luto que clama pelo seu regresso.

Shiri Bibas com o seu marido Yarden. Yosi Shnaider

Mais de 100 pessoas reuniram-se em Telavive na terça-feira para soltar balões cor de laranja no céu em homenagem aos dois rapazes Bibas e à sua mãe, segundo imagens da agência.

A tenra idade de Kfir captou a atenção e a angústia dos israelitas. O bebé ainda estava a ser alimentado a biberão e não estava numa fase em que comesse alimentos sólidos quando foi levado.

"Ele precisa de leite em pó para bebé", disse Keshet, entre lágrimas, acrescentando que a família está também extremamente preocupada com a saúde de Ariel.

"Ariel é uma criança frágil e tem vários problemas de saúde", contou, explicando que o menino de quatro anos tem um problema de pele que precisa de tratamento. "É uma criança muito animada e gosta muito de carros e tratores", acrescentou.

Para a prima de Shiri, Yifat Zailer, os dias e as noites têm sido "emotivos e stressantes".

"A pouca esperança que temos dá-nos força para continuar", assumiu à CNN. "(Estamos) a implorar e a pedir a liberdade da nossa família."

Todos os dias, Zailer espera ver o nome da sua família na lista de reféns a libertar.

"Há um bebé de dez meses que ainda está em cativeiro. A vida dele está em risco. Nenhuma criança deve ser usada como moeda de troca", defendeu, exibindo um rosto magro e olhos sombrios.

"Esperemos que isto acabe em breve e que possamos, de alguma forma, continuar a reparar a nossa vida despedaçada - completamente despedaçada - aqui."

*Kaitlan Collins, Yom Pomrenze, Lotte Beilin, Lauren Izso e Jessie Gretener contribuíram para este artigo

Relacionados

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados