Portugal
Finalizado
2 - 1
Chéquia

Morte de Raisi acontece num momento difícil para o Médio Oriente e para o próprio Irão

CNN , Análise de Jerome Taylor
20 mai, 06:46
Ebrahim Raisi (EPA)

Com a morte de Raisi, é provável que tenham de ser realizadas novas eleições

A morte do presidente e do ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, num acidente de helicóptero numa remota encosta de uma montanha, ocorre num momento particularmente difícil para o Médio Oriente e para o Irão.

A guerra de Israel contra o Hamas e a subsequente catástrofe humanitária que se desenrolou em Gaza nos últimos sete meses inflamaram a opinião pública mundial e fizeram disparar as tensões em todo o Médio Oriente.

Além disso, trouxe para a luz do dia uma guerra sombria que dura há décadas entre o Irão e Israel.

No mês passado, o Irão lançou um ataque sem precedentes com drones e mísseis contra Israel - o seu primeiro ataque direto contra o país - em resposta a um aparente ataque aéreo israelita mortal contra o consulado do Irão em Damasco, que matou um comandante de topo da Guarda Revolucionária de elite do Irão (IRGC).

Segundo as autoridades americanas, Israel ripostou uma semana mais tarde, atingindo alvos fora da cidade iraniana de Isfahan com uma resposta muito mais pequena e calibrada.

Desde então, os ataques diretos entre os dois países cessaram. Mas a guerra por procuração prossegue, com milícias apoiadas pelo Irão, como o Hamas e o Hezbollah, a continuarem a combater as forças israelitas.

Entretanto, a linha dura da liderança iraniana tem resistido a uma explosão de dissidência popular recente nas ruas do seu país, onde anos de sanções lideradas pelos Estados Unidos a atingiram duramente.

O país foi convulsionado por manifestações lideradas por jovens contra o regime clerical e o agravamento das condições económicas após a morte, em 2022, de Mahsa Amini sob custódia da famosa polícia da moralidade iraniana.

Desde então, as autoridades iranianas lançaram uma repressão cada vez maior contra os dissidentes, em resposta aos protestos.

Essa repressão conduziu a violações dos direitos humanos, algumas das quais equivalem a "crimes contra a humanidade", de acordo com um relatório das Nações Unidas publicado em março.

Embora os protestos tenham cessado em grande parte, a oposição à liderança clerical continua profundamente enraizada entre muitos iranianos, especialmente entre os jovens, que anseiam por reformas, empregos e um distanciamento do domínio religioso sufocante.

Antigo chefe do poder judicial de linha dura, com um historial brutal em matéria de direitos humanos, Raisi foi eleito presidente em 2021, numa votação fortemente manipulada pela elite política da República Islâmica para que pudesse concorrer praticamente sem contestação.

Raisi derrotou um candidato mais moderado e a sua vitória foi vista como o sinal do início de uma nova era de endurecimento no Irão. No entanto, a taxa de participação nas eleições foi de apenas 41%, um valor mínimo recorde.

Os poderes do presidente do Irão são, em última análise, ofuscados pelos do líder supremo Ali Khamenei, que é o árbitro final dos assuntos internos e externos da República Islâmica.

Com a morte de Raisi, é provável que tenham de ser realizadas novas eleições.

A constituição iraniana determina que o vice-presidente - atualmente Mohammad Mokhbar - assuma o cargo de presidente interino e que se realizem novas eleições presidenciais no prazo de 50 dias.

Isto significa que o sistema clerical iraniano, liderado por Khamenei, tem agora de encontrar um novo líder a quem possa dar o seu apoio, num contexto de intensa insegurança regional e descontentamento interno.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados