Croácia
45'
0 - 1
Albânia

Cotrim Figueiredo sugere que ex-presidentes da AR usaram o Chega para “eternizar o PS no poder

Agência Lusa , MJC
1 jun, 13:07
O cabeça de lista da Iniciativa Liberal (IL) às eleições europeias, João Cotrim de Figueiredo visita a Feira do Livro em Lisboa (Lusa/ Miguel A. Lopes)

Dizendo que tem acompanhado o que se tem passado na Assembleia da República, apesar de não com a atenção de que gostaria, o candidato a da Iniciativa Liberal referiu que “as cercas sanitárias mais agressivas não funcionam”

O cabeça de lista da Iniciativa Liberal às eleições europeias sugeriu hoje que as interjeições dos antigos presidentes da Assembleia da República ao Chega acabaram por o fortalecer e “eternizar o PS no poder”.

“A primeira ou segunda interjeição podia ter sido uma coisa espontânea de querer mostrar que há limites, que isto está fora daquilo que seria a norma e a cultura da Assembleia da República, mas a partir do momento em que se percebe que essas interjeições funcionaram a favor do infrator e insistem eu, que não tenho as pessoas como burras, só posso inferir que a intenção era continuar a favorecer com aquela velha teoria de que um Chega forte é garantia que o PS se eternizava no poder e se foi isso é gravíssimo”, afirmou João Cotrim de Figueiredo.

O primeiro da lista da IL às europeias, que se realizam em Portugal a 9 de junho, abordou este tema depois de questionado pelos jornalistas sobre o atual funcionamento do parlamento quando passava pelo `stand´ da Assembleia da República na Feira do Livro de Lisboa, certame que visitou esta manhã acompanhado da comitiva.

Dizendo que tem acompanhado o que se tem passado na Assembleia da República, apesar de não com a atenção de que gostaria, o candidato a eurodeputado referiu que “as cercas sanitárias mais agressivas não funcionam”.

“Dizem que está particularmente tumultuosa, menos educada [Assembleia da República]. Talvez seja interessante dizer em público e em campanha que a cortesia e as boas maneiras nunca prejudicaram nenhuma proposta política, nenhum funcionamento, nenhum sistema, porque é uma base de respeito entre pessoas”, atirou.

Para Cotrim de Figueiredo, as pessoas saberem tratar-se com cortesia e respeito “é o mínimo” e isso “está a perder-se no parlamento”.

Questionado sobre se estaria a falar sobre algum partido político em particular, o candidato da IL ao Parlamento Europeu assumiu estar a referir-se ao Chega, mas “não é o único”. O tema da liberdade de expressão não é novo, tem décadas de discussão e é particularmente difícil, entendeu.

À pergunta sobre se deve haver “um árbitro” no parlamento, Cotrim de Figueiredo respondeu com uma nova questão: “E quem arbitra o árbitro?”. Para, de seguida, sublinhar que os “riscos de ter um árbitro do que pode e não pode ser dito são maiores do que as asneiras e as baboseiras que são ditas se não houver um árbitro”.

Relacionados

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados