Musk responde a críticas sobre pagar 20 euros para ter contas verificadas no Twitter: "que tal 8 euros?"

CNN , Jennifer Korn
1 nov, 17:59
Sede do Twitter, em São Francisco, EUA. Foto: AP Photo/Jeff Chiu

Depois de enfrentar críticas pelo seu plano de cobrar aos utilizadores do Twitter 20 euros por mês para obter ou manter uma conta verificada, Elon Musk tem uma contra-oferta: talvez €8?

Sob a orientação de Musk, o Twitter está a trabalhar para actualizar o seu produto de assinatura conhecido como "Twitter Blue", que custa actualmente $4,99 (ou cinco euros) por mês, para incluir a funcionalidade de verificação, como reportado pela CNN Internacional. De acordo com documentos internos de planeamento do Twitter a que a CNN teve acesso, o Twitter poderia também retirar as cobiçadas marcas de verificação azuis dos utilizadores atualmente verificados, se estes não começarem a pagar o preço mais elevado de 20 euros/mês (ou 19,99 dólares) pelo produto de subscrição no prazo de 90 dias.

As notícias rapidamente provocaram indignação e incredulidade entre alguns utilizadores de longa data do Twitter, incluindo o autor Stephen King, que tem quase sete milhões de seguidores na plataforma.

"$20 por mês para manter o meu certo azul?" escreveu na rede social na segunda-feira. "Que se lixe isso. Eles deviam pagar-me. Se isso for instituído, vou-me embora como a Enron". Mais tarde, numa resposta, King escreveu: "não é o dinheiro, é o princípio da coisa".

Musk respondeu a King na manhã de terça-feira cedo com o seu reconhecimento mais explícito até agora da proposta de cobrança para verificação de contas. "Nós precisamos de pagar as contas de alguma forma! O Twitter não pode depender apenas dos anunciantes", disse ele. "Que tal 8 dólares [cerca de 8 euros]?".

A troca destaca tanto o quão ténues podem ser alguns dos planos iniciais de Elon Musk para o Twitter como a urgência que ele enfrenta para aumentar as receitas e os lucros de uma empresa que perdeu dinheiro durante a maior parte da sua história. Musk adquiriu o Twitter por 44 mil milhões de dólares, um montante que admitiu ser "obviamente excessivo" para a empresa. Ele também preparou uma quantidade substancial de financiamento através de dívida para pagar o negócio.

Desde que completou a aquisição da plataforma de comunicação social na semana passada, o bilionário moveu-se rapidamente para sacudir o Twitter, incluindo a dissolução do conselho e o despedimento dos seus principais executivos. Em tweets durante o fim-de-semana, Musk sondou os seus seguidores sobre se deveriam trazer de volta o Vine, o defunto serviço de vídeo em forma curta do Twitter, e disse "absolutamente" em resposta à sugestão de um utilizador de repensar os limites de caracteres da plataforma. Não é claro o quanto Musk está empenhado em prosseguir qualquer uma ou todas estas mudanças.

No domingo, Musk tweetou: "todo o processo de verificação está a ser reformulado neste momento".

Mesmo antes da conclusão do negócio, Musk sugeriu a possibilidade de ligar a verificação a um serviço de assinatura pago. Em Abril, Musk disse que os assinantes pagos do Twitter "deveriam obter uma marca de verificação de autenticação". Num outro tweet, disse: "O preço deveria provavelmente ser ~$2/mês, mas pago 12 meses adiantado e a conta não recebe a marca de verificação durante 60 dias e suspenso sem qualquer reembolso se utilizado para fraude/spam".

Embora a marca de verificação azul tenha surgido como um símbolo de status para os utilizadores, foi também concebida para assegurar que as pessoas possam determinar quais as contas que são autênticas e quais não são, particularmente para celebridades, marcas e outras contas influentes. Se Musk criasse uma barreira paga para verificação, há preocupações que poderiam tornar mais difícil distinguir se um nome notável é ou não um bot.

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados