Há um novo rei da Dinamarca: quem é Frederico X, o sucessor de Margarida II, que recebe a monarquia "numa bandeja de prata"

CNN , Lauren Said-Moorhouse
14 jan, 14:16

Descubra quem é o novo rei da Dinamarca, que enfrenta vários desafios agora que sucede à mãe, a monarca mais antiga do país

Desde os três anos de idade que é conhecido como o príncipe herdeiro da Dinamarca, mas este domingo deixou o Palácio de Christiansborg, em Copenhaga, como rei Frederico X, soberano da mais antiga monarquia da Europa.

A transição real da Dinamarca foi desencadeada há poucas semanas pelo anúncio bombástico da Rainha Margarida II na véspera de Ano Novo, quando revelou a sua intenção de abdicar no início de 2024. A notícia de que a mãe de Frederico, a única rainha reinante do mundo, iria abdicar do trono chocou os dinamarqueses.

Margarida tornou-se a monarca mais antiga da Europa após a morte da rainha britânica Isabel II em 2022. As duas monarcas eram conhecidas por serem muito próximas, e presumia-se que a chefe de Estado dinamarquesa, tal como a sua prima distante, encarava o seu papel como um emprego para toda a vida.

No entanto, Margarida, de 83 anos, mudou de ideias e decidiu afastar-se exatamente 52 anos depois de ter subido ao trono. Então, quem é o novo rei da Dinamarca e que tipo de monarca será ele?

O príncipe herdeiro Frederico X substitui a mãe, a rainha Margarida II, no trono da Dinamarca (Hasse Nielsen)

Um adolescente rebelde

Embora a monarquia dinamarquesa remonte a mais de 1000 anos, atualmente a realeza tem um papel limitado nos termos da Constituição do país. Os dinamarqueses têm imenso orgulho na família real e os monarcas desempenham um importante papel de embaixadores.

"Ele é extremamente popular. As sondagens mostram um apoio muito convincente do povo dinamarquês", disse Birgitte Borup, editora de cultura do jornal dinamarquês Berlingske, à CNN. "A rainha Margarida está a servir-lhe a monarquia numa bandeja de prata."

Borup disse que Frederico X será "um tipo diferente de rei", explicando que ele "tem os pés assentes no chão e é interessado em desporto, enquanto a sua mãe é muito diferente culturalmente". Acrescentou ainda que "o seu principal desafio poderá ser o seu jeito para as palavras", uma vez que "não é conhecido por ser muito bom a fazer freestyling perante uma multidão".

Nascido em 1968, Frederico André Henrique Cristiano é o primeiro filho de Margarida e do seu falecido marido, o Príncipe Henrique, que morreu em 2018. O seu nome próprio foi escolhido de acordo com a tradição real dinamarquesa que pressupõe que o herdeiro deve ser chamado Frederico ou Cristiano. O seu único irmão, o príncipe Joaquim, nasceu em 1969.

Crescer sob o olhar do público não foi fácil para o tímido jovem real. Começou por frequentar o ensino primário na Krebs' Skole, uma escola privada de elite em Copenhaga, antes de ir para um colégio interno na Normandia, França. Frederico não se sentia à vontade com a atenção dos meios de comunicação social e estava ansioso pelo seu destino. No início da década de 1990, muitos viam-no como o "príncipe das festas" com um gosto particular por carros velozes.

Frederico X começou a sua educação militar em 1986 no Regimento de Guarda-Vidas da Rainha 
(Joergen Jessen/Ritzau Scanpix/AFP/Getty Images)

A sua passagem pela Universidade de Aarhus ajudou a reabilitar a sua reputação e, em 1995, tornou-se o primeiro membro da família real dinamarquesa a obter um mestrado. Os seus estudos de ciências políticas incluíram um ano no estrangeiro, em Harvard, onde se inscreveu sob o pseudónimo de Frederico Henriksen - uma homenagem ao seu pai.

Enquanto esteve nos EUA, Frederico - que também é fluente em francês, inglês e alemão - ganhou o seu estatuto de diplomata ao servir na missão da Dinamarca junto da ONU durante vários meses em 1994. Mais tarde, foi colocado em Paris durante um ano, como primeiro secretário da embaixada dinamarquesa em 1998.

Atleta de sucesso

Frederico foi também submetido a um extenso treino militar nos três ramos das forças armadas dinamarquesas, tendo concluído o treino no corpo de elite da marinha, o Frogman Corps, onde foi apelidado de "Pingo".

Além de ser um oficial militar condecorado, tem-se revelado um desportista ávido e extremamente capaz. Ao longo dos anos, correu várias maratonas - em Copenhaga, Paris e Nova Iorque - e, em 2013, tornou-se o primeiro membro da realeza a competir num Ironman, concluindo com um tempo de 10:45:32.

Foi também membro do Comité Olímpico Internacional entre 2009 e 2021 e, em 2000, participou numa expedição de quatro meses, com 2.795 quilómetros de trenós puxados por cães, através do norte da Gronelândia, um território autónomo da Dinamarca.

Frederico também ganhou popularidade no seu país através da sua iniciativa Royal Run. Lançado em 2018 para assinalar o seu 50.º aniversário, o desafio desportivo tornou-se, desde então, um dos maiores eventos de corrida do país, contando com mais de 80.000 participantes todos os anos.

O ávido desportista acena depois de cruzar a linha de chegada durante a Royal Run em Copenhaga, em maio passado 
(Ida Marie Odgaard/Ritzau Scanpix/AFP/Getty Images)

Entretanto, tal como o seu homólogo britânico, o Rei Carlos III, o rei de 55 anos também se tornou um ambientalista entusiasta. Desde que Copenhaga acolheu as conversações sobre o clima COP15, em 2009, tem-se empenhado em chamar a atenção para os perigos das alterações climáticas e em promover o papel da Dinamarca num futuro mais verde.

Os especialistas da família real dinamarquesa afirmam que, embora Frederico seja popular entre o público, vai enfrentar desafios agora que sucede ao trono - o que o torna rei e chefe de Estado da Dinamarca, da Gronelândia e das Ilhas Faroé.

"Frederico é uma pessoa muito mais informal do que a sua mãe", compara o historiador Lars Hovbakke Sørensen. "No futuro, terá de apelar mais aos dinamarqueses que não se interessam pelo desporto, mostrando interesse por outras questões, se quiser manter o amplo apoio à monarquia."

Trine Villemann, autora de livros sobre a família real dinamarquesa, disse à CNN que, "antes de mais, Frederico terá de provar que pode fazer mais do que desporto".

A antiga correspondente da realeza e autora de "1015 Copenhagen K", uma biografia não autorizada da família, explicou que, "embora ele tenha dito publicamente há alguns anos que se sente confortável com o seu futuro papel, no fundo, há muitos dinamarqueses que ainda têm dúvidas e ele precisa de ultrapassar isso - independentemente da sua popularidade".

Um encontro por acaso

Frederico deixou os seus dias de solteiro para trás quando conheceu a executiva de vendas australiana Maria Elisabete Donaldson. Os dois conheceram-se num bar barulhento de Sydney em 2000, enquanto o príncipe herdeiro estava na Austrália para os Jogos Olímpicos de verão de 2000. Segundo a história, Maria não se apercebeu de que estava a ser encantada nessa noite pela realeza da família real da Dinamarca.

Quatro anos mais tarde, os dois casaram-se numa cerimónia sumptuosa na Catedral de Copenhaga, perante uma congregação de reis, rainhas e convidados de honra, sob os olhos atentos de milhões de pessoas em todo o mundo.

Frederico e Maria aparecem na varanda do Palácio de Christian VII após o seu casamento, em 2004. Ao casal juntaram-se a rainha e o seu falecido marido, o príncipe Henrique, bem como o pai da princesa herdeira, John Donaldson, e a sua mulher, Susan Moody (Ian Waldie/Getty Images)

Atualmente, têm quatro filhos: Cristiano, de 18 anos, que se torna o novo príncipe herdeiro da Dinamarca com a ascensão do pai, Isabella, de 16 anos, e os gémeos Vicente e Josefina, de 13 anos. O casal tentou dar aos seus filhos uma educação mais informal do que a que Frederico recebeu, inscrevendo-os para escolas públicas regulares.

Em declarações à CNN antes do seu Jubileu de Rubi de 2012, que assinala 40 anos no trono dinamarquês, a rainha Margarida expressou a sua admiração pela nora, dizendo: "Tenho muito confiança nela. Temos de facto uma relação muito boa, uma relação calorosa".

E os dinamarqueses comuns também abraçaram Maria, que tem sido elogiada pela sua postura e empenhamento em causas sociais.

Villemann descreve Maria como "a força por detrás de Frederico" e descreve a sua transição de plebeia para membro da família real como "notável e impressionante".

A especialista real aponta várias prioridades da futura rainha ao longo dos anos, como o seu trabalho na área da saúde mental e a luta contra o bullying e a solidão através da sua fundação. Ela explicou: "Atrevo-me a dizer que a Maria abriu caminho para pessoas como a Princesa de Gales na escolha de causas e na sensibilização da forma como utilizou a sua plataforma real."

De acordo com Borup, Maria será o "maior trunfo para a monarquia" nos próximos anos.

"Não nasceu na realeza, mas parece que nasceu. Ela comporta-se com tanta graciosidade e é uma representante fantástica para a nação da Dinamarca", exaltou. "É conhecida por estar sempre bem preparada e por ter assumido tarefas muito importantes, como a luta contra a violência doméstica."

"Quando Maria e Frederico se conheceram na Austrália, costumava dizer-se que ela tinha tido sorte em encontrar um príncipe de conto de fadas. Acho que o tempo mostrou que ele teve ainda mais sorte".

Relacionados

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados