"As buscas vão continuar, mas vamos adaptá-las". Menino desaparecido em França já devia ter sido encontrado, assumem autoridades

11 jul 2023, 19:57
Buscas por Émile em Alpes-de-Haute-Provence (Getty Images)

Émile, de dois anos, foi visto pela última vez no sábado, no jardim da casa dos avós

Desde o desaparecimento de Émile no sábado à tarde, em França, foram solicitados todos os tipos de recursos para que o menino de dois anos fosse rapidamente encontrado. O que, três dias depois, ainda não aconteceu. 

Helicópteros, uma centena de agentes, um equipa de alpinistas, cães farejadores e quase mil pessoas, entre vizinhos e voluntários, procuram a criança. O jornal El Mundo avança que os investigadores acreditam que já devia ter sido encontrada num raio de cinco quilómetros, considerando a sua idade e o facto de se tratar de uma região montanhosa e com pequenos riachos.

De acordo com o presidente do departamento dos Alpes da Alta Provença, uma vez que as buscas não deram resultado numa fase inicial, foi ativado um dispositivo mais “específico e seletivo”, no início desta semana. “As buscas vão continuar, mas vamos adaptá-las”, indica Marc Chappuis. “Vamos travar as incursões para mobilizar meios especializados na procura de vestígios e pistas.”

Sábado à tarde, 8 de julho, Émile desapareceu enquanto brincava na residência dos seus avós maternos, onde passava férias. Encontrava-se numa área fechada daquela habitação, semelhante a uma praceta, vestindo uma camisa amarela e calças brancas. As pistas disponíveis são escassas: duas testemunhas relataram vê-lo a descer a rua, mas nada lhes chamou a atenção ou levantou suspeitas. 

Por essa mesma razão, não foi acionado um alerta de rapto infantil. No entanto, um importante dispositivo de busca foi rapidamente implantado, com as autoridades a destacarem a importância das primeiras 48 horas para encontrarem o menino. Uma linha telefónica foi aberta para receber informações que possam ajudar na sua localização, resultando em cerca de 1200 chamadas, mas sem sucesso. Muitas foram de pessoas que se ofereceram para ajudar nas buscas. 

De acordo com a BFMTV, os investigadores utilizaram uma gravação da mãe do menino, transmitida em alta-voz durante as buscas, na esperança de que, caso ele estivesse escondido e assustado, isso o encorajasse a sair. 

O procurador público de Digne-les-Bains, Rémy Avon, ressalta que "nenhuma das possibilidades está descartada", seja o menino estar perdido, ter sofrido um acidente ou ter sido levado por alguém. Até ao momento, não foram encontrados elementos criminais relacionados com o seu desaparecimento, apesar das buscas realizadas desde sábado. 

Numa conferência de imprensa, esta terça-feira, o procurador comunicou que a equipa de investigação foi reforçada, possibilitando mais recursos a nível regional. Destacou ainda que foi adotada uma estratégia mais rápida e intensa. "Não há elementos que nos ajudem a compreender este desaparecimento perturbador", lamentou.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados