Maddie: terminaram as buscas da PJ na barragem do Arade

25 mai 2023, 14:59

Investigadores estiveram no local com equipamentos para limpar zonas de mato e vegetação

Terminaram as buscas realizadas pela Polícia Judiciária na barragem do Arade, perto de Silves. Depois de três dias à procura de pistas que possam ajudar a resolver o caso do desaparecimento de Madeleine McCan, a operação chegou ao fim esta quinta-feira.

Nas buscas também participavam membros das autoridades britânicas e alemãs, tendo em conta que o principal suspeito continua a ser o alemão Christian Brückner.

Desde as 13:00 que é visível a desmobilização de meios logísticos e materiais instalados tanto na base das operações, como nas zonas onde foram realizados os trabalhos.

Na estrada junto à área onde estão concentrados os jornalistas, foi visível a saída de carros dos sapadores a transportar as máquinas que estiveram envolvidas, nos três dias, nos trabalhos de desmatação e limpeza, assim como de viaturas com vários elementos da Polícia Judiciária, GNR e Proteção Civil.

Os investigadores regressaram esta manhã ao terreno acompanhados também por sapadores florestais munidos de equipamentos para limpar zonas de mato e vegetação numa das margens da bacia da barragem do Arade, depois de as autoridades terem decidido prolongar as buscas, que deveriam ter terminado na quarta-feira.

Durante a manhã e início da tarde, as buscas decorreram com movimentações no terreno de várias equipas de operacionais, acompanhados por investigadores das polícias portuguesa, britânica e germânica.

A menina de origem britânica desapareceu em 2007 de um aldeamento turístico na Praia da Luz, no concelho de Lagos, onde estava a passar férias com os pais e os irmãos, a cerca de 50 quilómetros do local onde decorrem estes trabalhos.

As buscas foram requeridas pela polícia germânica por suspeitar do envolvimento de um cidadão alemão, Christian Brückner, no desaparecimento da criança, e que alegadamente frequentava aquele local na barragem do Arade, no concelho de Silves, no distrito de Faro.

A realização destas buscas em 2023, 16 anos depois do desaparecimento, estão a ser acompanhadas pela Polícia Metropolitana de Londres e pela Polícia Judiciária, com o apoio da Guarda Nacional Republicana, Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e Bombeiros Voluntários de Silves.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Mais Lidas

Patrocinados