Poderá esta fábrica de remoção de carbono do oceano ajudar a salvar o mundo? Há cientistas que estão preocupados

CNN , Laura Paddison
5 mai, 22:00
Uma imagem gerada por computador da fábrica de remoção de dióxido de carbono da Equatic em Singapura

Numa parte do oceano, na zona oeste de Singapura, uma startup está a construir uma fábrica para transformar o dióxido de carbono do ar e da água do mar no mesmo material das conchas, num processo que também produzirá hidrogénio “verde” - um combustível limpo muito apregoado.

O conjunto de edifícios baixos que começa a ganhar forma em Tuas tornar-se-á a “maior” fábrica de remoção de dióxido de carbono dos oceanos, quando estiver concluída no final deste ano, segundo a Equatic, a empresa que está por detrás da iniciativa e que saiu da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

A ideia é que a central extraia a água do oceano, a faça passar por uma corrente eléctrica e faça passar ar através dela, produzindo uma série de reacções químicas que aprisionam e armazenam o dióxido de carbono sob a forma de minerais, que podem ser devolvidos ao mar ou utilizados em terra.

É uma visão convincente de uma potencial solução face ao agravamento da crise climática que tem alimentado um calor sem precedentes e condições meteorológicas extremas devastadoras. Os esforços para travar o aquecimento global continuam a ser extremamente ineficazes e muitos cientistas alertam agora para o facto de que, para além de reduzir rapidamente os combustíveis fósseis, o mundo terá também de eliminar a poluição de carbono que os seres humanos já lançaram para a atmosfera.

Esta fábrica de Singapura é um exemplo de uma série de projectos recentes que têm como instrumento os oceanos, que já absorvem quase 30% da poluição que aquece o planeta. Outros projectos incluem a aspersão de partículas de ferro no oceano para estimular o fitoplâncton absorvente de CO2, o afundamento de algas marinhas nas profundezas para fixar o carbono e a pulverização de partículas nas nuvens marinhas para refletir parte da energia solar.

Mas os projectos de remoção de carbono são controversos, criticados por serem caros, não comprovados à escala e uma distração das políticas de redução dos combustíveis fósseis. E quando envolvem os oceanos - ecossistemas complexos já sob enorme pressão devido ao aquecimento global - as críticas podem ser ainda mais fortes.

Há “grandes lacunas de conhecimento” no que diz respeito à geoengenharia dos oceanos em geral, disse Jean-Pierre Gatusso, um cientista dos oceanos da Universidade de Sorbonne, em França. “Estou muito preocupado com o facto de a ciência estar atrasada em relação à indústria”, disse à CNN.

Como funciona

A tecnologia da Equatic, que foi testada em pequenos projectos-piloto em Los Angeles e Singapura, requer três ingredientes principais: água do mar, rochas e eletricidade.

Funciona da seguinte forma: A central bombeia a água do mar e faz passar uma corrente eléctrica através dela, separando-a em quatro componentes: dois líquidos, um ácido e um alcalino, e dois gases, hidrogénio e oxigénio.

A água ácida será misturada com pedras trituradas para que o pH volte aos mesmos níveis da água do mar e depois será devolvida ao oceano.

As ventoinhas bombeiam ar através da corrente alcalina, o que faz com que o dióxido de carbono forme carbonato de cálcio sólido, o material a partir do qual se formam as conchas, que terá o aspeto de uma areia fina, bem como bicarbonato dissolvido.

Uma amostra de carbono removido do oceano sob a forma sólida de carbonato de cálcio e hidróxido de magnésio do programa SeaChange da UCLA - agora conhecido como Equatic - em 2023. (Patrick T. Fallon/AFP/Getty Images)

Os minerais sólidos e dissolvidos, que, segundo a Equatic, podem fixar o carbono durante pelo menos 10 000 anos, serão devolvidos ao oceano ou utilizados em terra. A água do mar também será devolvida ao mar, pronta para absorver mais dióxido de carbono da atmosfera.

Gaurav Sant, fundador da Equatic e professor de sustentabilidade na UCLA, afirma que “isto é importante porque permite medir perfeitamente tudo o que se está a fazer”. Isto inclui a eletricidade que a central consome, bem como a quantidade de carbono retida.

A instalação de 20 milhões de dólares estará totalmente operacional no final do ano e será capaz de remover 3.650 toneladas métricas de dióxido de carbono por ano, disse Edward Sanders, diretor de operações da Equatic, que estabeleceu uma parceria com a Agência Nacional da Água de Singapura para construir a fábrica. Esta quantidade equivale a retirar da estrada cerca de 870 veículos de passageiros médios.

A ambição é atingir 100 000 toneladas de CO2 por ano até ao final de 2026 e, a partir daí, milhões de toneladas nas próximas décadas, disse Sanders à CNN. A fábrica pode ser reproduzida em praticamente qualquer lugar, disse ele, empilhada em módulos “como blocos de lego”.

Gaurav Sant no local do projeto de remoção de carbono no Porto de Los Angeles em 2023. (Patrick T. Fallon/AFP/Getty Images)

À medida que a fábrica aumenta de escala, será necessário garantir que não haja impactos negativos, disse Sant à CNN. “Há uma grande diferença entre fazer isto à escala de uma tonelada, de um milhão de toneladas ou de mil milhões de toneladas. É preciso medir, é preciso monitorizar, é preciso adaptar-se”.

Os custos iniciais são elevados, mas a empresa diz que planeia ganhar dinheiro vendendo créditos de carbono aos poluidores para compensar a sua poluição, bem como vendendo o hidrogénio produzido durante o processo.

A Equatic já assinou um acordo com a Boeing para lhe vender 2.100 toneladas métricas de hidrogénio, que planeia utilizar para criar combustível verde, e para financiar a remoção de 62.000 toneladas métricas de CO2.

Oceanos frágeis

Para alguns críticos, no entanto, os riscos superam em muito os benefícios.

Lili Fuhr, directora do programa de economia fóssil do Centro para o Direito Ambiental Internacional, criticou o uso de “tecnologia especulativa” numa altura em que “as alterações climáticas já estão a matar os nossos oceanos”.

O processamento de grandes quantidades de água do mar pode matar a vida marinha, disse Fuhr à CNN. “Já sabemos que as centrais eléctricas matam as larvas de peixe e outras formas de vida marinha. A Equatic processaria muito mais água do mar por instalação do que uma central eléctrica", disse à CNN, ‘e seriam necessárias milhares de instalações deste tipo para ter um impacto significativo no clima global’.

Os impactos teriam de ser monitorizados de perto, disse James Niffenegger, um investigador do Laboratório Nacional de Energias Renováveis, que escreveu um relatório sobre a remoção de carbono dos oceanos. O “movimento artificial da água a esta escala vai ser maciço”, disse à CNN.

O processo pode também perturbar o delicado equilíbrio da química dos oceanos, disse Niffenegger. Embora haja muita investigação sobre os impactos negativos da acidificação dos oceanos, há muito menos sobre o que pode acontecer se o oceano se tornar mais alcalino.

Há indícios de que os impactos podem ser reduzidos, acrescentou, mas “só conseguiremos compreender o potencial desta solução quando começarmos a pôr em prática este tipo de coisas”.

Representação da fábrica da Equatic. A instalação removerá um pouco menos de 4.000 toneladas métricas de dióxido de carbono por ano, com o objetivo de aumentar para 100.000 toneladas métricas por ano até ao final de 2026. (Equatic)

Depois, há os requisitos energéticos - à medida que o mundo se afasta dos combustíveis fósseis, a procura de energia limpa está a aumentar exponencialmente. “A deslocação da água do mar exigiria grandes quantidades de energia renovável que seria mais bem utilizada para substituir os combustíveis fósseis”, afirmou Fuhr.

É um ponto ecoado por Gatusso, que disse que “a justiça deve ser considerada quando a preciosa eletricidade é usada para remover carbono em vez de a fornecer às populações necessitadas”.

A Equatic afirmou que filtra a água do mar para garantir que a vida marinha não entra no sistema e que a água descarregada no oceano terá a mesma composição que a água do mar normal e cumprirá as directrizes ambientais de Singapura.

A empresa também afirmou que a produção de hidrogénio, que pode ser utilizado para alimentar o processo, significa que o seu consumo global de energia é inferior ao de outros métodos de remoção de carbono.

O projeto da Equatic encapsula um debate mais vasto entre os que receiam que a precipitação na geoengenharia possa provocar danos incalculáveis nos ecossistemas e os que acreditam que a crise climática é tão grave que esta tecnologia deve ser uma opção.

É claro de que lado está o Equatic.

“A inação não é uma estratégia climática”, disse Sant, da UCLA, acrescentando que é vital poder tomar decisões com incerteza. “Se queremos mesmo mitigar a trajetória das alterações climáticas”, disse Sant, “temos de estar dispostos a avançar, e avançar rapidamente e em grande escala”.

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados