Previsões do BdP confirmam que eleições não colocam em causa confiança, diz João Leão

Agência Lusa , BMA
17 dez 2021, 17:13
João Leão no Money Conference
João Leão no Money Conference

Banco de Portugal prevê crescimento de 5,8% da economia em 2022

PUB

O ministro das Finanças, João Leão, considerou esta sexta-feira que as previsões macroeconómicas do Banco de Portugal (BdP), mais otimistas que as do Governo para 2022, confirmam que a atual situação política não coloca em causa a confiança das instituições.

"Estas previsões, tal como tenho referido, confirmam que a atual situação política de eleições antecipadas não colocou nem coloca em causa a confiança das diversas instituições no desempenho da economia portuguesa", disse João Leão em resposta a um pedido de reação da Lusa às projeções do BdP, esta sexta-feira divulgadas.

PUB

Na conferência de imprensa de apresentação do Boletim Económico de dezembro, que se realizou sexta-feira no Museu do Dinheiro, em Lisboa, o governador do BdP, Mário Centeno, disse que "não há nenhum risco político identificado" nas previsões.

O BdP previu esta sexta-feira um crescimento de 5,8% da economia em 2022, igualando as previsões mais otimistas, mantendo ainda a previsão de 4,8% para este ano.

As previsões sexta-feira divulgadas pelo BdP para 2022 igualam as mais otimistas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que também aponta para um crescimento económico de 5,8%, e superam as do Governo, que espera 5,5%.

PUB
PUB
PUB

"Mais uma vez verifica-se que as estimativas mais recentes, tanto nacionais como internacionais, superam as previsões oficiais do Governo", salientou o ministro de Estado e das Finanças à Lusa, apontando também que o BdP "prevê um crescimento perto de 17% até 2024".

Para João Leão, "o país tem feito um caminho sólido e sustentado e assim continuará a ser". E os dados do BdP esta sexta-feira conhecidos "apenas vêm reforçar a nossa confiança no futuro", acrescentou.

"Apesar de alguma incerteza associada à evolução da pandemia, estamos certos de que se trata de riscos transitórios que não impedirão a recuperação plena da economia portuguesa", referiu o ministro à Lusa.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Economia

Mais Economia

Patrocinados