Tom Stoltman domina o “superpoder” do autismo e torna-se o Homem Mais Forte do Mundo

CNN , Will Edmonds
15 jan, 09:00
Tom Stoltman, o homem mais forte do mundo
Tom Stoltman, o homem mais forte do mundo

A história de um jovem autista que seguiu os passos do irmão mais velho no atletismo de força até chegar ao pódio

PUB

Quando Tom Stoltman se baixou para pegar no quinto e último Atlas Stone, uma esfera colossal de 210 kg, ligeiramente mais pesada do que um piano vertical, e pousá-lo numa plataforma à altura dos seus ombros, ele soube que isso faria dele o “Homem Mais Forte do Mundo”.

Era o levantamento final, no evento final, depois de uma semana de obstáculos extenuantes, concebidos para testar os limites da força humana, desafiando gigantes de todo o mundo, em provas que vão desde empurrar um comboio de 20 toneladas até à velocidade máxima, fazer o máximo de repetições de agachamentos com 320 kg, atirar um barril de 15 kg o mais alto possível e inúmeros outros feitos inimagináveis de força.

PUB

No final, o título foi disputado por dois homens: o segundo classificado de 2020, Stoltman, da Escócia, e o quatro vezes campeão do título de “Homem Mais Forte do Mundo”, Brian Shaw. Stoltman derrotou o seu adversário americano e o título foi para o escocês.

Depois de Stoltman ter pousado a pedra titânica na plataforma, virou-se para ver o adversário americano com dificuldades em pegar na esfera colossal.

PUB
PUB
PUB

O escocês, de 27 anos, caiu de joelhos por exaustão, celebração e sensação de alívio. Soube que tinha alcançado o que parecia impossível: ele era o “Homem Mais Forte do Mundo”.

O gigante escocês não celebrou durante muito tempo. Foi imediatamente atirado ao chão pelo homem que ficou em sétimo na mesma competição, o irmão mais velho, Luke.

“Caímos de joelhos e trocámos algumas palavras. Esse foi o momento mais especial”, disse recentemente Stoltman ao CNN Sport, depois da sua vitória notável em Sacramento, na Califórnia, em junho. Uma vitória ainda mais notável tendo em conta o seu caminho extraordinário e improvável até ela.

Stoltman tem autismo, uma perturbação do desenvolvimento neurológico, caracterizada por dificuldades na interação social e comunicação, muitas vezes apresentada em padrões restritos e repetitivos.

“[Enquanto crescia] não fazia ideia de que estava a fazer algo errado”, relembra Stoltman. “Todos os meus comportamentos e as coisas que fazia, em casa, fora de casa, com os meus pais, irmãos, por aí fora, pareciam-me normais. Pensava que os miúdos é que faziam coisas diferentes”.

PUB
PUB
PUB

À medida que Stoltman entrou na adolescência, os seus problemas sociais intensificaram-se, até “se ter apercebido de algo” e ter decidido falar com os melhores amigos.

“Levantei-me e fui com sete ou oito dos meus melhores amigos para uma sala e disse-lhes que tinha autismo. Eles disseram que não havia problema nenhum, que iam continuar a gostar de mim pelo que era. Nesse dia, senti um peso a sair-me dos ombros e senti-me normal. Como um membro normal da sociedade. Senti-me normal ao pé de outras pessoas e eles trataram-me como se fosse igual a eles. Esse dia mudou a minha vida. Foi quando fui sincero sobre ter autismo.”

Ganhar músculo

O adolescente Stotlman acabou por seguir o seu irmão mais velho, Luke, que já entrava em competições de atletismo de força, até ao ginásio.

“Eu era um rapaz magro, sem muita confiança, e o Luke disse para ir com ele ao ginásio. Por isso, fui ao ginásio local e odiei todos os segundos que lá passei. Não gostei de ter pessoas a olhar para mim, mas continuei a esforçar-me e o Luke continuou a puxar por mim.

PUB
PUB
PUB

Sabia que ele era o melhor do país, portanto estava sempre a tentar aproximar-me dele. Ele era um irmão mais velho e eu tentava desafiá-lo em todas as sessões”.

Stoltman podia ser magro, mas não era pequeno. Com 2,03 metros, o jovem escocês tinha um apetite voraz, que depressa se tornou essencial no seu novo estilo de vida, dada a necessidade de “ganhar músculo”.

“Mesmo quando era mais novo, levava quatro ou cinco sandes para o almoço da escola, muita fruta e também doces. E ainda levava dois ou três lanches”.

Uma década depois, para preparar o seu corpo para o rigor implacável do treino e da competição, Stoltman costuma comer até 10 mil calorias por dia.

À medida que se começou a concentrar em aumentar a sua força, Stoltman descobriu que o autismo era uma característica valiosa.

“Autismo e (ir ao) ginásio estão de mãos dadas”, reflete Stoltman. “Quando estamos no ginásio, precisamos de uma rotina. E descobri que o mais importante no atletismo de força é a rotina.

Acordamos todos os dias. Comemos as mesmas refeições todos os dias. Fazemos as mesmas coisas todos os dias. E vamos ao ginásio à mesma hora, todos os dias”.

PUB
PUB
PUB

Contudo, a sua demanda incansável para melhorar o seu desempenho teve os seus desafios.

“Por vezes, se falhasse um levantamento, ficava a pensar nisso durante 24 horas ou não falava com a minha mulher. Ficava muito mal psicologicamente. Há aspetos positivos e negativos e ainda tenho problemas com o lado negativo das coisas”.

“Teria gritado do céu”

Em 2016, a mãe de Stoltman, Sheila, foi diagnosticada com cancro. Como era a sua maior fã, Stoltman fez-lhe uma promessa antes de ela falecer.

“Prometi à minha mãe, antes de ela falecer, que iria ganhar o Homem Mais Forte do Mundo por ela e que, fora do desporto, também seria um cavalheiro e um homem amável”.

O gigante com mais de 180 kg sorri, enquanto imagina como ela teria reagido à sua vitória.

“Ela teria gritado e perdido a cabeça”, diz ele. “Ela teria gritado do céu”.

A ascensão de Stoltman ao topo do atletismo de força fez parte de uma estratégia de três anos, um plano que ele concretizou com uma precisão infalível.

Em 2019, disse o seguinte na digressão de atletismo de força “Giants Live”: “Vou ganhar daqui a dois anos. Quero chegar ao pódio no próximo ano e ganhar no seguinte”.

PUB
PUB
PUB

Apesar dos obstáculos interpessoais, emocionais e físicos que Stoltman teve de superar para alcançar os objetivos, a sua jornada é um marco positivo que pode transmitir a outras pessoas com autismo.

“Digo sempre às crianças e aos pais delas para o usarem como um superpoder. Nós somos diferentes. Mas, agora, temos uma vantagem sobre as pessoas que não são diferentes. Nós temos um superpoder, eles não”.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Heróis

Mais Heróis

Patrocinados