"Quando vejo atletas russos... vejo todas as cidades destruídas": Yaroslava Mahuchikh vê no ouro olímpico uma missão pela Ucrânia

CNN , George Ramsay
7 abr, 22:00
Yaroslava Mahuchikh (CNN Newsource)

No ano passado, a certa altura, Yaroslava Mahuchikh jurou deixar de ler as notícias antes das competições, de tão angustiantes que eram as histórias e imagens do derramamento de sangue na sua Ucrânia.

Uma das melhores saltadoras em altura do mundo, Mahuchikh sabia que era necessária uma concentração absoluta para executar na perfeição a corrida, a descolagem e o salto em arco para trás, mas mesmo assim a sua mente gravitava em torno da situação angustiante a milhares de quilómetros de distância, no seu país natal.

Talvez isso seja natural quando o nosso país está em guerra e são lançados regularmente novos ataques com mísseis - alguns até dirigidos a bairros da nossa cidade natal.

"É um desafio para mim competir depois de ler as notícias sobre os foguetes disparados contra os civis", diz Mahuchikh à CNN Sport. "Estou a pensar em quantas pessoas morreram, quantas casas foram destruídas. É difícil."

Essa estratégia - tentar "repelir" a invasão da Ucrânia pela Rússia antes de competir - revelou-se eficaz no ano passado. Mahuchikh ganhou o seu primeiro título de campeã do mundo em agosto e depois defendeu com êxito a sua vitória na final da Liga Diamante em setembro.

Compreensivelmente, a sua confiança é agora elevada para os próximos meses - e os Jogos Olímpicos de Paris estão já aí à porta, em julho e agosto.

Não tem a certeza se regressará à Ucrânia durante esse período, uma vez que se deslocou entre vários locais de treino na Europa durante a maior parte dos últimos dois anos. Por causa da guerra, a itinerância tornou-se um tema comum na sua vida.

"Vivo numa mala, na verdade", diz Mahuchikh, "porque com as viagens, não temos uma cidade natal".

A sua família - a mãe e a irmã - juntou-se por vezes à jovem de 22 anos enquanto ela estava na estrada, mas o pai, como muitos ucranianos, ficou em casa, em Dnipro. Isso é muitas vezes uma fonte de ansiedade para Mahuchikh, especialmente quando os ataques russos têm como alvo a cidade do leste da Ucrânia.

"O meu pai dizia que, infelizmente, para muitas pessoas, é a vida atual, que vivemos desta forma", explica.

"E continuam a sua vida. O meu pai às vezes diz: 'Oh, sabes, se os foguetes vierem, está tudo bem, é a minha vida, talvez seja Deus a dizer que está terminada'. E eu digo: 'Oh, meu Deus, pai, por favor - vai para a cave'".

Dnipro foi alvo de vários ataques mortais com mísseis durante a invasão, com os militares russos a visarem prédios e instalações médicas na cidade.

Em agosto do ano passado, o Departamento de Crimes de Guerra da Procuradoria-Geral da Ucrânia afirmou que cerca de 10.749 civis tinham sido mortos durante a guerra e que 15.599 tinham ficado feridos.

No entanto, mesmo quando a luta continua, Mahuchikh ainda anseia pela familiaridade de estar em casa com a família e os amigos.

"Se eu não fosse uma atleta a nível internacional, acho que estaria na Ucrânia", diz. "Mas tenho alguns objetivos e estou a competir pelo meu país. Represento a Ucrânia em competições; é o meu objetivo e a minha missão, penso eu."

Depois de medalhas de prata consecutivas em 2019 e 2022, Mahuchikh comemora finalmente a conquista do ouro nos campeonatos mundiais de 2023. Kirby Lee/USA TODAY Sports/Reuters

A invasão da Rússia revigorou o sentimento de orgulho nacional de Mahuchikh. Usou sombra nos olhos de cor azul e amarela - as cores da bandeira ucraniana - nos campeonatos mundiais do ano passado e está a apoiar os esforços de angariação de fundos para enviar cadeiras de rodas a órfãos deficientes na Ucrânia.

Espera também que a participação em eventos de grande visibilidade e a conquista de medalhas de ouro lhe proporcionem uma plataforma a partir da qual possa chamar a atenção para a situação do seu país.

"Sinto que sou uma embaixadora da Ucrânia e que tenho a possibilidade de envolver muitas pessoas neste problema que o povo ucraniano tem atualmente", diz Mahuchikh.

"Muitas famílias estão a ser atacadas por foguetes; muitas crianças, infelizmente, perderam os pais ou os pais perderam os filhos. É muito triste, e é muito triste que muitos atletas e treinadores tenham morrido nesta guerra. Mas eu quero ajudar o meu país. É o meu principal objetivo".

Segundo Vadim Guttsait, ministro dos Desportos da Ucrânia e presidente do seu Comité Olímpico Nacional (NOC, em inglês), mais de 400 atletas ucranianos foram mortos desde o início da guerra.

Os Jogos Olímpicos deste ano, acredita Mahuchikh, permitirão aos atletas ucranianos promover uma mensagem de paz, embora, talvez inevitavelmente, os Jogos também se entrelacem com a geopolítica.

Em particular, a questão de saber se os atletas da Rússia e da Bielorrússia, uma das principais plataformas de lançamento de militares russos durante a guerra na Ucrânia, poderão competir, tornou-se um ponto de tensão.

Mahuchikh compete na Liga Diamante em Xiamen, China, em 2023. Greg Baker/AFP/Getty Images

 

Em dezembro, o Comité Olímpico Internacional (COI) anunciou que os atletas destes dois países poderão participar como neutros em Paris, desde que cumpram determinados critérios de elegibilidade.

 

Por exemplo, apenas os atletas individuais, e não as equipas, serão incluídos nos Jogos, e os atletas que apoiem ativamente a guerra ou que tenham contratos com as forças armadas do seu país não serão elegíveis.

No entanto, as federações internacionais são as primeiras a decidir se os atletas russos e bielorrussos se podem qualificar para os Jogos Olímpicos. A World Athletics, o organismo que rege o atletismo, excluiu os atletas russos e bielorrussos dos eventos "num futuro previsível", o que significa que, na situação atual, não poderão competir em eventos de atletismo em Paris.

É um tema controverso: alguns, como o conselho executivo do COI, acreditam que os atletas individuais não devem ser impedidos de competir com base no seu passaporte, enquanto outros, nomeadamente um grupo que representa os atletas ucranianos, argumentam que a participação russa de qualquer tipo apenas reforça a "máquina de propaganda" do país.

Mahuchikh congratula-se com a posição da World Athletics, considerando que as bandeiras neutras são uma forma ineficaz de ocultar a identidade nacional de um atleta.

"Quando vejo atletas russos... vejo todas as cidades destruídas, todas as vidas que foram destruídas por russos, pela Federação Russa", afirma, acrescentando que consideraria "difícil" competir contra atletas da Rússia e da Bielorrússia.

No mês passado, mais de 200 desportistas da Ucrânia escreveram uma carta ao presidente francês Emmanuel Macron, pedindo que os russos e os bielorrussos fossem proibidos de competir nos Jogos.

No entanto, nem os organizadores locais nem o governo francês têm jurisdição sobre quem se qualifica para os Jogos Olímpicos, e os organizadores de Paris 2024 sublinharam que essa responsabilidade cabe ao COI e às federações internacionais.

Mahuchikh nos Jogos Europeus de 2023 na Silésia, Polónia. Dean Mouhtaropoulos/Getty Images/European Athletics

Guttsait já sugeriu anteriormente que a Ucrânia poderia boicotar os Jogos se os atletas russos e bielorrussos fossem autorizados a competir, embora ainda não tenha sido tomada uma decisão final.

Mahuchikh é contra essa medida, acreditando que os Jogos Olímpicos devem representar "a paz em todo o mundo". Medalhada de bronze em Tóquio há três anos, é também uma das maiores estrelas da Ucrânia em Paris, com o objetivo de ganhar o que seria a primeira medalha de ouro do seu país no salto em altura.

"Todos os atletas querem competir, todos os atletas querem ganhar a medalha de ouro", diz Mahuchikh. "Claro que tenho objetivos para alcançar e quero ter esta medalha na minha carreira desportiva."

Mahuchikh ajustou a sua técnica antes da época indoor, encurtando a sua corrida para compensar a sua maior velocidade quando se aproxima da barra. A mudança parece ter dado resultado logo na primeira prova da época em Cottbus, na Alemanha, no final de janeiro - terminando em primeiro lugar depois de ter saltado uma altura de 2.04 metros, a melhor marca mundial do ano.

É aí que está o foco imediato de Mahuchikh, mas a longo prazo, ela tem ambições mais elevadas para a sua carreira - nomeadamente o recorde mundial de Stefka Kostadinova, de 2.09 metros

A marca da búlgara persiste desde 1987, o que faz dela um dos recordes mundiais mais antigos do atletismo. Mahuchikh assistiu a atletas como Karsten Warholm e Mondo Duplantis - ambos, tal como ela, patrocinados pela Puma - a estabelecerem recordes nos 400 metros com barreiras e no salto com vara, respetivamente, e agora espera juntar-se ao clube.

"Acredito que um dia vou saltar 2,10 metros", diz ela. "Quero fazer parte desta família de recordistas mundiais."

Heróis

Mais Heróis

Mais Lidas

Patrocinados