Dois anos depois da tomada do poder pelos talibãs, mulheres afegãs estão a ser “apagadas de tudo”

CNN , Jessie Yeung, Anna Coren e Jawad Temori
15 ago, 22:00
Mulheres afegãs com burca seguram cartazes em protesto pelo seu direito à educação, em Mazar-i-Sharif, a 12 de agosto de 2023. Atef Aryan _ AFP _ Getty Images

Uma vida cada vez mais repressiva e brutal para as mulheres no Afeganistão.

Quando Zahra se lembra do que era a sua vida antes do verão de 2021, parece-lhe outra realidade.

Enquanto estudante no Afeganistão, tinha "muitos amigos".

"Éramos felizes juntos", recorda. "Estudávamos, às vezes reuníamo-nos... andávamos de bicicleta".

Zahra, agora com 20 anos, já não anda de bicicleta. Nem vai à escola, nem anda na rua sem cobrir a cara, nem vê os amigos que fugiram do país. Tudo o que pode fazer, diz ela, é sentar-se em casa e preocupar-se com um futuro que se desvendou diante dos seus olhos.

"Quando estou em frente ao espelho, quando olho para mim, vejo uma Zahra diferente da de há dois anos", diz. "Sinto-me triste pelo meu passado."

Esta terça-feira assinala-se o segundo aniversário da queda de Cabul nas mãos dos Talibãs, que assumiram o controlo do Afeganistão no contexto da caótica e controversa retirada dos Estados Unidos do país, após quase 20 anos de combates.

Os talibãs, que não são reconhecidos pela maioria dos países do mundo, declararam a terça-feira feriado nacional. O dia é "cheio de honra e orgulho para os afegãos", disse à CNN o porta-voz adjunto dos Taliban, Bilal Karimi.

"O Afeganistão foi libertado da ocupação, os afegãos conseguiram recuperar o seu país, a sua liberdade, o seu governo e a sua vontade. A única forma de resolver o problema é o entendimento e o diálogo, a pressão e a força não são lógicas", acrescentou.

Zahra, de 20 anos, em Cabul, no Afeganistão. CNN

Mas festejar é a última coisa que muitas mulheres afegãs como Zahra - que a CNN identifica apenas pelo primeiro nome por razões de segurança - querem fazer, à medida que a vida sob o domínio talibã se torna cada vez mais repressiva e brutal.

E, alertam os activistas, as coisas só podem piorar à medida que o mundo desvia o olhar, fatigado com as guerras de décadas no Afeganistão e demasiado preocupado com os seus próprios problemas internos. Ao mesmo tempo, a diminuição da ajuda externa significa que milhões de afegãos estão a lutar contra a seca, a fome e a doença, numa crise que, segundo os peritos em direitos humanos das Nações Unidas disseram esta semana, está a agravar-se.

"A liberdade das mulheres já não existe", afirmou Mahbouba Seraj, ativista dos direitos das mulheres afegãs e nomeada para o Prémio Nobel da Paz de 2023.

"As mulheres no Afeganistão estão a ser lentamente apagadas da sociedade, da vida, de tudo - das suas opiniões, das suas vozes, do que pensam, de onde estão."

Apagadas da esfera pública

Quando os talibãs, um grupo islâmico radical que tinha governado o Afeganistão nos anos 90, tomaram o poder em 2021, apresentaram-se inicialmente como uma versão mais moderada da sua antiga identidade, prometendo mesmo que as mulheres seriam autorizadas a continuar a sua educação até à universidade.

Mas, desde então, eles têm vindo a reforçar a repressão, fechando escolas secundárias para raparigas, proibindo as mulheres de frequentar a universidade e de trabalhar em ONG, incluindo as Nações Unidas, restringindo as suas viagens sem um acompanhante masculino e proibindo-as de frequentar espaços públicos como parques e ginásios.

Julho de 2023: mulheres afegãs protestam contra encerramento de salões de beleza Foto AFP via Getty Images

As mulheres já não podem trabalhar na maior parte dos setores e, no mês passado, os Talibãs deram mais um golpe quando encerraram todos os salões de beleza do país. O sector empregava cerca de 60 mil mulheres, muitas das quais eram as únicas responsáveis pelo sustento do agregado familiar, o que causou mais problemas a famílias que já lutavam para sobreviver.

Para mulheres jovens como Zahra, a mudança abrupta da vida quotidiana é particularmente devastadora quando atingem a maioridade e desenvolvem sonhos para o seu futuro. Ela gosta de arte e queria ser designer ou abrir o seu próprio negócio, o que já não é possível no Afeganistão.

Zahra passa o tempo a ler livros e a pintar em casa, em Cabul, no Afeganistão. CNN

"Tenho 20 anos e está na altura de estudar, de ter formação", disse. "Mas não me é permitido. Fico apenas em casa. Preocupo-me com o meu futuro, com as minhas irmãs e com o futuro de todas as mulheres do Afeganistão".

Incapaz de sair muito, tenta ocupar o tempo em casa pintando, lendo livros e frequentando as aulas online disponíveis. Mas a sensação é sufocante, como se estivesse numa prisão, diz ela.

"Não me consigo concentrar porque vejo a situação, a minha irmã está sentada em casa, todas as raparigas estão sentadas em casa. Elas não podem fazer nada".

A situação também tem consequências graves para a saúde mental, com relatos generalizados de depressão e suicídio, especialmente entre as raparigas adolescentes que foram impedidas de prosseguir os estudos, de acordo com um relatório da ONU do mês passado, compilado após uma visita de uma semana ao Afeganistão.

Quase 8% das pessoas inquiridas conheciam uma rapariga ou mulher que tinha tentado o suicídio, segundo o relatório. As restrições e as dificuldades económicas resultaram igualmente num aumento da violência doméstica e no casamento forçado de raparigas, segundo o relatório.

Os Talibãs têm afirmado repetidamente que as mulheres estão autorizadas a trabalhar em determinados sectores, desde que respeitem os "valores islâmicos".

Zabiullah Mujahid, outro porta-voz dos Taliban, reconheceu que ainda existe um "problema em relação à educação das raparigas", afirmando que o grupo pretende "preparar o terreno para as regras e regulamentos islâmicos" e estabelecer um "ambiente seguro para a sua educação".

O responsável afirmou ainda que "as mulheres estão a trabalhar ativamente na saúde, educação, departamentos de polícia, gabinetes de passaportes, aeroportos, etc.".

Mas as organizações sem fins lucrativos e os especialistas afirmam que isso está longe de ser verdade e que a lacuna é particularmente evidente no sector da saúde.

De acordo com as regras dos Talibãs, as mulheres só podem receber cuidados de saúde de outras mulheres - mas a proibição do ensino superior das mulheres significa que todas as estudantes de medicina não puderam terminar os seus estudos e formar-se, criando uma escassez de médicas, parteiras e enfermeiras.

"Os Taliban parecem estar perfeitamente à vontade com a ideia de que as mulheres e as raparigas já estão quase de certeza a morrer devido à falta de profissionais de saúde, devido às suas políticas", alertou Heather Barr, directora da divisão de direitos das mulheres da Human Rights Watch.

Gritar pela atenção do mundo

A comunidade internacional condenou amplamente o tratamento dado pelos Talibãs às raparigas e às mulheres, tendo o órgão de direitos humanos da ONU instado esta semana o grupo a introduzir reformas e a respeitar a liberdade das mulheres.

Mas estas mensagens pouco fizeram para forçar a mudança, e a atenção global desvaneceu-se em grande medida - deixando muitos afegãos a sentirem-se zangados e abandonados pelo mundo.

"Os jovens do Afeganistão estão a gritar a plenos pulmões, tentando chamar a atenção do mundo para si próprios e para a situação da guerra, da mulher no Afeganistão", disse Seraj, a ativista dos direitos das mulheres.

Zahra pergunta-se porque é que os outros países se contentam em desviar o olhar. "Eles estão confortáveis - os seus filhos, as suas filhas, as suas irmãs vão à escola", disse. "Mas... há raparigas e mulheres neste canto do mundo que são simplesmente ignoradas pelo mundo e não podem fazer nada."

Mahbouba Seraj, ativista dos direitos das mulheres afegãs e nomeada para o Prémio Nobel da Paz de 2023. Foto CNN

Após a tomada do poder pelos Talibãs, os EUA e os seus aliados congelaram cerca de 7 mil milhões de dólares (6,4 mil milhões de euros) das reservas estrangeiras do país e cortaram o financiamento internacional. A medida paralisou uma economia já fortemente dependente da ajuda, com milhões de afegãos sem trabalho, funcionários públicos sem salário e o preço dos alimentos e medicamentos a disparar.

No ano passado, os EUA criaram um fundo de assistência económica no valor de 3,5 mil milhões de dólares (3,2 mil milhões de euros) com os bens congelados - mas as autoridades disseram que não vão libertar o dinheiro de imediato para uma instituição no Afeganistão, mas sim através de um organismo externo, independente dos Talibãs e do banco central do país.

A ajuda humanitária secou ainda mais nos últimos meses após a proibição imposta pelos Talibãs às mulheres que trabalham em ONG. Numerosas organizações, incluindo a ONU, tiveram de suspender programas críticos ou operações no país.

Ao mesmo tempo, os ativistas temem que os Talibãs possam ser gradualmente normalizados na cena mundial - mesmo que não sejam amplamente reconhecidos como um governo legítimo e não controlem o assento do Afeganistão na ONU.

"Eles estão a posar em fotografias com diplomatas sorridentes, estão a entrar em jatos privados para irem a reuniões importantes de alto nível, onde lhes estendem tapetes vermelhos", disse Barr. "Estão a ser autorizados a assumir o controlo de embaixadas num número crescente de países. Por isso, penso que, na perspetiva deles, está a correr bastante bem."

A terrível situação significa que mais de 1,6 milhões de afegãos fugiram do país desde 2021, de acordo com a ONU. Mesmo esses refugiados enfrentam um futuro de incerteza, muitos ainda à espera de serem admitidos nos EUA e noutras nações ocidentais, enquanto alguns estão à espera há tanto tempo que foram deportados à força de volta para o Afeganistão e tiveram de se esconder.

"A única razão pela qual estou no Afeganistão e aqui permaneço é para estar ao lado das minhas irmãs e tentar ajudá-las", disse Seraj, a ativista dos direitos das mulheres. "Não perdi toda a esperança. Mas a cada passo que dou e a cada decisão que tomo, vejo que está a tornar-se cada vez mais difícil."

E para os jovens afegãos que esperam preservar o que resta do seu futuro, fugir parece ser a única opção que resta.

"Claro que toda a gente gosta de estar no seu próprio país, porque esta é a nossa terra natal. Mas acho que não há outra hipótese de ficar aqui", diz Zahra. "Tenho de decidir sobre o meu futuro. Por isso, a melhor maneira é deixar o país."

 

Foto de topo: mulheres afegãs com burca seguram cartazes em protesto pelo seu direito à educação, em Mazar-i-Sharif, a 12 de agosto de 2023. Atef Aryan / AFP / Getty Images

 

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados