Nova visita norte-americana a Taiwan. É a quarta no espaço de um mês e tensão com China aumenta

Agência Lusa , FMC
25 ago, 23:05

As visitas continuam a alimentar o clima de tensão entre a ilha e a China, que olha para as reuniões com estrangeiros de alto nível como uma interferência nos seus assuntos internos e como o reconhecimento de facto da soberania taiwanesa

A senadora norte-americana Marsha Blackburn chegou esta quinta-feira a Taiwan, naquela que é a quarta visita de políticos dos EUA no espaço de um mês, alimentando o clima de tensão entre a ilha autogovernada e a China.

Blackburn, uma republicana do estado do Tennessee, chegou a Taipé depois de visitar as Ilhas Salomão e Papua Nova Guiné, depois de várias críticas de Pequim ao apoio norte-americano à causa de Taiwan.

A líder da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, que esteve em Taipé no início do mês, foi o membro de mais alto nível dos EUA a visitar Taiwan em 25 anos e a China respondeu à sua viagem com exercícios militares em larga escala, que incluíram o lançamento de mísseis sobre a ilha e o envio de navios pelo Estreito de Taiwan.

A China reivindica a ilha de Taiwan como seu próprio território, que deve ser tomada à força, se necessário, e olha para as visitas estrangeiras de alto nível como uma interferência nos seus assuntos internos e como o reconhecimento de facto da soberania taiwanesa.

Depois de Pelosi, aterrou em Taipé uma delegação de congressistas liderada pelo senador Ed Markey. Esta semana, também o governador do estado de Indiana fez uma visita a Taiwan, centrada em matérias de cooperação empresarial e académica, mas que foi vista igualmente como uma demonstração de apoio à ilha.

A China tem aumentado a pressão sobre Taiwan desde que este território elegeu Tsai Ing-wen como presidente e insistiu na recusa de endossar o conceito de uma única nação chinesa.

Perante um clima de intimidação por parte de Pequim, as autoridades de Taiwan propuseram um aumento de 14% dos gastos com Defesa, para 2023, em plena escalada de tensões com Pequim, por causa de recentes exercícios militares chineses em redor da ilha.

O orçamento para o setor da Defesa, que atingirá 13,2 mil milhões de dólares (aproximadamente o mesmo valor em euros), ainda incluirá um valor adicional para compra de equipamentos militares, como aviões de combate e programas para aumentar a capacidade militar marítima de Taiwan.

O Ministério da Defesa de Taiwan assumiu que este reforço orçamental se deve à ameaça expansionista da China.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados