A nova série de “Star Trek” não poderia ter vindo em melhor altura

CNN , Por John Blake
2 mai, 20:28
Rebecca Romijn como Una, à esquerda, e Melissa Navia como Ortegas, em “Star Trek: Strange New Worlds”

“Star Trek: Strange New Worlds” é uma prequela à série original e baseia-se nos anos em que o Capitão Christopher Pike liderou a USS Enterprise.

Rod Roddenberry Jr. é o único filho do icónico criador de “Star Trek”, mas nunca viu a série ao crescer. Gostava mais de carros, de música heavy metal e de ver séries de ação como “Starsky & Hutch” e “O Justiceiro”.

“Só quando cresci é que comecei a apreciar a profundidade e o lado intelectual de “Star Trek’”, diz Roddenberry, que tinha 17 anos quando o seu pai, Gene, morreu.

Anos mais tarde, Roddenberry teve uma experiência de conversão Trekkie. Começou a ver os episódios antigos e a falar com fãs que contavam histórias sobre a série e como esta os ajudou a desenvolver mais fé na humanidade. Foi aí que começou a apreciar a visão otimista do seu pai, de um futuro onde as pessoas aprenderam a desfrutar das diferenças e onde “a inclusão e igualdade são a norma”.

Roddenberry está agora no comando de “Star Trek: Strange New Worlds,” que estreia a 5 de maio, na Paramount+. Uma prequela à série original, que foi emitida na década de 1960, baseia-se nos anos em que o Capitão Christopher Pike, um favorito dos fãs que apareceu na série original, liderou a USS Enterprise.

A nova série, um dos muitos spinoffs de “Star Trek”, foi anunciada como um regresso ao otimismo e ao romantismo da série original, que decorreu entre 1966 e 1969.

Uma visão tão idealista do mundo pode ser uma venda difícil para o público de hoje, inundado por políticas de ódio, violência, guerra e terríveis avisos sobre um planeta que aquece rapidamente. Mas é uma mudança que Roddenberry, produtor executivo da nova série, louva.

“Não estou a dizer mal das outras séries, mas esta é a que mais me entusiasma”, diz Roddenberry, CEO da Roddenberry Entertainment, que desenvolve romances gráficos de ficção científica, podcasts, televisão e projetos cinematográficos.

“Vai voltar ao formato da série original. É o tipo de coisa que precisamos de fazer para nos dar esperança”, acrescenta. “Sei que é apenas uma série de televisão, mas inspira inúmeras pessoas a viverem vidas melhores”.

O que podemos esperar da nova série

Akiva Goldsman, o produtor executivo, diz que a nova série será diferente e, ainda assim, a mesma. Os fãs devem esperar mais episódios isolados, mais do otimismo da série original e reviravoltas que lembram a série “The Twilight Zone”.

Outro aspeto é o foco da nova série em algumas das personagens icónicas de “Star Trek”. A série vai examinar a evolução de personagens como Spock e Uhura, antes de se tornarem figuras míticas, diz Goldsman.

Celia Rose Gooding como jovem Uhura e Ethan Peck como jovem Spock na nova série, disponível na plataforma Paramount+.

“A nossa Uhura é jovem. Começa como cadete”, diz Goldsman. “De onde vem ela? Que decisões tomou para permitir que estivesse na Frota Estelar e se tornasse a heroína que sabemos ser?”

Outra grande mudança está na cadeira do capitão. A personagem de Capitão Pike é muito diferente de Kirk, diz Goldsman.

“Jim Kirk é a fantasia de um rapazinho de um capitão de ‘Star Trek’”, diz Goldsman. “Ele é arrojado, impulsivo. Conhece as regras, mas não as segue. É um fanfarrão. Pike é um homem de razão, atencioso e que cria consenso”.

Há inúmeros debates no universo Trekkie sobre qual versão televisiva de “Star Trek” é a melhor e se as séries subsequentes se afastaram demasiado do tom otimista do original. Esse otimismo está refletido no monólogo em voz-off do Capitão Kirk, no início de cada episódio. Ele diz que o objetivo da Enterprise é “procurar nova vida e aventura” e “explorar novos mundos estranhos”, não conquistar civilizações ou forçar os habitantes a aceitar certas crenças.

Em contraste, versões mais recentes da série, como “Star Trek: Deep Space Nine”, incluía algumas personagens que estavam moralmente comprometidas ou que, por vezes, tomavam decisões que contradiziam os seus valores.

Nichelle Nichols e William Shatner no “Star Trek” original. O beijo inter-racial dos atores no ecrã foi considerado arrojado para a época.

Ben Robinson, coautor de “Star Trek - The Original Series: A Celebration”, diz que espera que um regresso à “receita original” da franquia preserve a esperança da primeira série, ao mesmo tempo que oferece personagens complexas, com lutas morais.

“Estou à espera da série original, mas com um orçamento do século XXI”, diz Robinson. “Se conseguirem combinar histórias sofisticadas com belos efeitos especiais e as histórias enérgicas dos anos 60 sobre as ‘coisas certas’, então vou estar radiante”.

Por que razão as narrativas esperançosas nunca estão desatualizadas

Uma das questões não mencionadas na nova série é uma que não se verá em muitos dos quadros de discussão da mesma: será que o otimismo e o ênfase de “Star Trek” na inclusão se vão sentir ultrapassados no mundo cínico de hoje?

É difícil ter fé na humanidade ao olhar para as manchetes das notícias. As divisões raciais, étnicas e políticas parecem tão profundas como os limites exteriores do próprio Espaço.

Por outro lado, as séries televisivas inclusivas e positivas, como “Schitt's Creek” e “Ted Lasso”, registaram grandes audiências durante a pandemia, uma tendência que muitos atribuem ao facto de o público precisar de histórias de esperança.

“Tempos sombrios exigem histórias de esperança”, diz Goldsman. “O otimismo e a crença num futuro melhor são necessários para muitos de nós”.

Goldsman julga que é um mito dizer que a série original de “Star Trek” foi transmitida numa época mais agradável do que a nossa. Cita 1968 como exemplo.

“Estávamos em guerra”, diz ele sobre o envolvimento dos EUA no Vietname. “O movimento dos direitos civis ainda se encontrava num momento de intenso conflito. Bobby Kennedy e Martin Luther King Jr. foram mortos, já para não falar da ameaça nuclear que se aproximava. O país estava bastante dividido. Os anos 60 foram uma época conturbada”.

O mundo futurista de “Star Trek” permitiu abordar algumas das questões mais explosivas dessa época de uma forma que nenhuma outra série poderia, diz Robinson, o autor. A própria composição da tripulação da Enterprise foi um apelo à tolerância, afirma.

A tripulação da USS Enterprise em “Star Trek” original incluía uma mulher negra, um homem asiático, um russo e um Vulcan, uma aliança simbólica de unidade e igualdade.

Consideremos: os EUA estavam envolvidos numa guerra fria com a União Soviética, mas um dos principais oficiais da Enterprise era russo (Chekov). O país tinha terminado há apenas 20 anos uma guerra brutal com o Japão, mas o piloto da nave era japonês (Sulu). Os negros não podiam votar em muitas partes do país, mas um oficial negro, e mulher (Uhura), era responsável pelas comunicações da nave.

Spock era a derradeira minoria modelo na Empresa. Era um forasteiro que sofria de preconceitos. Negros e pessoas birraciais identificavam-se com ele (há uma bela história sobre o ator Leonard Nimoy, que escreveu uma carta a uma rapariga birracial que se sentia rejeitada). Um fã de “Star Trek” chamou-o de “a pessoa mais negra da Enterprise”, porque “nunca deixou que ‘o homem’ visse a sua emoção e “era fixe como os melhores músicos de jazz”.

“É uma narrativa metafórica que permite usar a ciência e a fantasia para vermos a nossa própria sociedade”, diz Robinson. “Ele [Roddenberry Sr.] falou de raça por ter um Vulcano em vez de um negro”.

A “alma perturbada” do criador de “Star Trek”

É um pequeno milagre que o criador de “Star Trek” tenha sido tão esperançoso em relação à humanidade. Ele viu e passou por muitas tragédias durante a sua vida. Roddenberry Sr. nasceu em El Paso, Texas, e quase morreu quando a sua casa se incendiou. Um leiteiro que estava a passar resgatou-o.

Enquanto adulto teve momentos semelhantes. Foi piloto da Força Aérea do Exército dos EUA, que voou em missões de combate no Pacífico Sul, durante a Segunda Guerra Mundial. E foi membro da tripulação de um voo da Pan Am que se despenhou no deserto sírio, matando 14 pessoas. Um período posterior como oficial do Departamento de Polícia de Los Angeles acabou por o expor a um lado mais desagradável da vida.

Os atores Leonard Nimoy, DeForest Kelley e William Shatner posam para um retrato com o criador de “Star Trek”, Gene Roddenberry, atrás, e o realizador Robert Wise, à esquerda da câmara, durante as filmagens do filme de 1979, “Star Trek: O Filme”.

E, apesar de tudo isto, Roddenberry imaginou um mundo futuro compassivo e harmonioso, que era muito diferente daquele em que vivia.

Como pode alguém que viu tanta tragédia ser tão otimista?

Robinson, o autor, apontou para uma citação do músico John Lennon.

“Lennon disse que a razão pela qual continuo a falar de paz e a amar tanto é porque estou muito zangado”, diz ele. “Talvez procuremos aquilo que precisamos para nós mesmos. Gene era, sem dúvida, uma alma atormentada”.

Roddenberry converteu a sua dor numa visão do futuro que ainda inspira milhões, mais de 50 anos depois. Frases como “Vida longa e próspera”, “Teleporta-me, Scotty” e “warp drive” fazem agora parte da cultura popular.

Assim como a mensagem humana de “Star Trek”, que continua viva na nova série.

“Se as pessoas perguntarem: porque continua a haver ‘Star Trek’, eu digo-vos o motivo”, diz Roddenberry Jr. “Porque passa a ideia de que devemos apreciar tudo o que é diferente e não apenas tolerá-lo e que é com essas diferenças que iremos crescer”.

A receção a “Star Trek: Strange New Worlds” revelará se essa visão ainda ecoa junto das pessoas ou se as barreiras do cinismo e do ódio são agora tão elevadas que nem a USS Enterprise as consegue atravessar.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Séries

Mais Séries

Patrocinados