Benfica e FC Porto: como as contas dependem de vender ou não

2 mar 2014, 00:02
Dinheiro (Reuters)

Prejuízos avultados explicados com menos transferências neste período

Benfica e FC Porto apresentaram prejuízo nas contas semestrais, relativas ao período de 1 de julho a 31 de dezembro de 2013, e ambas as SAD justificam o resultado negativo com uma enorme diferença nas receitas com transferências de jogadores relativas ao mesmo período do ano anterior, no qual os resultados foram positivos. O Sporting foi o único dos grandes que apresentou lucro. 

O Benfica apresentou 20,9 milhões de euros de lucro no primeiro semestre de 2012, contra os 15,9 milhões de prejuízo agora. Os encarnados notam que os rendimentos operacionais, excluindo transações de jogadores, até aumentaram, tendo registado «um crescimento de 14,3% face aos 44,3 milhões de euros» no período homólogo. A sustentar estes números, o Benfica reporta essencialmente um grande aumento das receitas televisivas, agora nas mãos do clube, através da Benfica TV, de 4.375 para 11.372 milhões de euros.

O saldo de vendas e compras dos encarnados foi negativo, quando há um ano tinha sido positivo em 25,2 milhões de euros. Neste período o Benfica apenas vendeu os passes de Melgarejo ao Kuban Krasnodar, por 5 milhões de euros, e de Rodrigo Mora ao River Plate, por 3,5 milhões de euros. Estas contas não incluem a transferência de Matic para o Chelsea nem as vendas dos passes de Rodrigo e André Gomes à Meriton Capital Limited. Na época passada as contas incluíam as transferências de Witsel, Javi Garcia, Yartey e Emerson.

Além de ter ganho muito menos com transferências de jogadores, o Benfica gastou agora mais dinheiro com pessoal. São 28,5 milhões, mais cinco milhões de euros do que no primeiro semestre de 2012, o que o Benfica justifica com o «investimento efetuado no plantel de futebol, que originou um aumento da massa salarial». Acrescenta ainda o relatório que «a totalidade desta rubrica representa cerca de 56,2% dos rendimentos operacionais, o que está dentro do valor indicado pela UEFA para este género de gastos».

O Benfica faz aliás referência específica no seu relatório às regras de fair play financeiro da UEFA, que em traços gerais pretendem ver os clubes chegar a um ponto em que não gastem mais do que ganham: «Actualmente, a Benfica SAD encontra-se licenciada para participar nas competições europeias da época 2013/2014 e cumpre os principais critérios do Fair Play Financeiro.»

FC Porto: menos 27 milhões de vendas

A diferença de saldo no FC Porto é de 6,3 milhões de euros positivos há um ano, contra os 29,239 milhões negativos atuais. Os dragões reportam uma diminuição de quase 27 milhões de euros na venda de jogadores. Naquele período o FC Porto tinha transferido Hulk e Alvaro Pereira, neste apenas contabiliza a transferência de Atsu para o Chelsea. A saída de Otamendi ainda não entra nestas contas.

O FC Porto também registou uma diminuição nas receitas operacionais, que o clube atribui essencialmente à quebra nas receitas da participação em provas europeias, que tem grande peso nas contas, como pode ver mais abaixo.

Ao contrário do Benfica, os dragões revelam que passaram a gastar menos com pessoal (de 25,7 milhões para 24.6). Mas na totalidade os custos operacionais também aumentaram, de 45,9 para 48,6 milhões. «Mais de metade deste crescimento justifica-se por uma reversão significativa de provisões no 1º semestre de 2012/2013, que contribuiu para uma diminuição dos custos totais», explica o relatório.

O Sporting, por seu lado, tem vários factores a contribuir para as contas desta época. Quanto a transferências de jogadores, o relatório revela que a SAD conseguiu neste exercício um saldo positivo de 13.032 milhões de euros, por comparação com o período homólogo, «principalmente fruto da alienação dos direitos desportivos dos jogadores Tiago Ilori e Bruma. 

Veja a comparação dos rendimentos operacionais dos três grandes, ou seja, a capacidade de gerar receitas, excluindo transações de jogadores:

Benfica



FC Porto


Sporting

(Reprodução do texto do relatório)

«Situaram-se em 16.721 milhares Euros, o que implica uma quebra de 979 milhares Euros
em relação ao 1º semestre de 2012/13. Esta quebra explica-se principalmente pela não participação nas competições europeias (-1.908 milhares de Euros de receitas de participação e -426 milhares de Euros de patrocínios e publicidade associados), e pela mudança na contabilização das quotas em
relação ao 1º semestre do ano anterior (- 748 milhares de Euros) compensados por um
aumento das receitas de transmissões televisivas (+ 1.801 milhares de Euros) e por um
acréscimo das receitas de bilheteira (+ 1.225 milhares de Euros, consequência da melhor
performance desportiva nas competições nacionais e de uma redução das ofertas de
bilhetes e convites).»

Os relatórios de Benfica e FC Porto deixam informação concreta também em relação aos jogadores sob contrato e às percentagens dos passes detidas pelos clubes, que pode ver nos quadros seguintes, tal como foram apresentados:

Benfica: jogadores cujos passes estão envolvidos em contratos com o Benfica Stars Fund



* Rodrigo e André Gomes deixaram de fazer parte desta listagem em Janeiro de 2014,
devido à alienação de 100% dos direitos económicos dos jogadores para a Meriton Capital Limited.

Os direitos económicos mais significativos dos jogadores do plantel de futebol (representativos de cerca de 88% do valor líquido contabilístico à data de reporte) detidos pela Benfica SAD:



*À data do presente relatório, relativamente à informação constante na tabela anterior, a Benfica SAD já não detém o passe do atleta Nemanja Matic, que foi alienado ao Chelsea, nem os direitos económicos dos atletas Rodrigo e André Gomes, que foram alienados à Meriton Capital Limited

O Benfica revela ainda que tem no total 83 jogadores sob contrato.


FC Porto: valor líquido global do plantel


* Otamendi deixou o clube em janeiro

Relacionados

Patrocinados