Polícia reconhece falhas “inegáveis” na segurança de Shinzo Abe

Agência Lusa , BCE
9 jul, 12:54
Shinzo Abe assassinado durante discurso (Imagem EPA)

Sinko Abe foi atingido mortalmente com dois tiros, na sexta-feira, quando discursava num comício de rua do Partido Liberal Democrático (LDP, no poder), perto da estação ferroviária de Nara

A polícia japonesa admitiu este sábado que houve falhas "inegáveis” na segurança do antigo primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, assassinado na sexta-feira com dois tiros durante um comício eleitoral.

A informação foi avançada pela agência de notícias AFP, que cita o chefe de polícia da província de Nara, Tomoaki Onizuka.

"Penso ser inegável que houve problemas com as medidas de guarda e segurança do antigo primeiro-ministro Abe", disse aos repórteres o responsável pela polícia em Narra.

Tomoaki Onizuka prometeu por isso que a iria analisar “plenamente os problemas e tomar as medidas adequadas”.

Sinko Abe foi atingido mortalmente com dois tiros, na sexta-feira, quando discursava num comício de rua do Partido Liberal Democrático (LDP, no poder), perto da estação ferroviária de Nara. O político foi transportado para o hospital já em paragem cardiorrespiratória, tendo a morte sido confirmada cerca de cinco horas depois.

O suspeito do ataque, Tetsuya Yamagami, terá utilizado uma arma artesanal e foi imobilizado pelos serviços de segurança de Abe. Durante as buscas à casa de Yamagami, a polícia encontrou outras armas semelhantes também fabricadas pelo alegado autor.

Yamagami estava desempregado desde maio, quando deixou de trabalhar numa empresa industrial em Kansai, no centro-sul do país. Entre 2002 e 2005 integrou o exército nipónico, de acordo com o Ministério da Defesa.

Shinzo Abe foi primeiro-ministro em 2006-2007 e depois de 2012 a 2020, tendo sido o chefe de Governo mais jovem do pós-guerra, aos 52 anos, o primeiro nascido depois da Segunda Guerra Mundial e o que esteve mais tempo no cargo.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados