O mundo não é apreendido da mesma forma por todos os animais – ou humanos

CNN , Sanjay Gupta, correspondente médico
2 out, 11:00
As cores que se vão usar

Visão, olfato, audição, paladar e tato - conhecemo-los como os cinco sentidos tradicionais. 

Eles existem para nos proteger do perigo. Ajudam-nos a encontrar comida e potencialmente até um parceiro. Criam ordem nos acontecimentos do mundo à nossa volta e, se estivermos devidamente atentos, podem até revelar-nos parte da beleza natural e dos milagres que nos rodeiam. 

O que todos os sentidos têm em comum é que são processados através do cérebro. Na verdade, tudo o que vemos, ouvimos, sentimos, cheiramos e provamos é apreendido - e há quem diga até que é criado - pelo nosso cérebro. 

É precisamente isso: é o nosso cérebro que consegue traduzir moléculas minúsculas e invisíveis transportadas pelo ar no cheiro de pão cozido ou de uma meia malcheirosa. Os nossos cérebros podem transformar ondas de pressão ou vibrações no som do sussurro de um ente querido ou de um trovão distante. Os nossos cérebros também podem criar a porção de luz que vemos da radiação eletromagnética numa bela montanha ou o brilho no rosto da nossa mãe. E os nossos cérebros podem reconhecer a porção infravermelha dessa mesma radiação eletromagnética, tal como o calor que sentimos quando nos sentamos junto a uma lareira acesa. É bastante surpreendente. 

Na recente temporada do podcast “Chasing Life”, que começou esta semana, vamos explorar muitos dos mistérios dos sentidos. 

Sou neurocirurgião profissional, e a minha primeira paixão sempre foi o cérebro, mas relatar as histórias desta temporada foi uma oportunidade de combinar essa prática com outra paixão minha: contar histórias jornalísticas. E aquilo que já ouvi, vi, cheirei, provei e senti tem sido incrível. 

Os nossos cinco sentidos tradicionais podem parecer simples, mas na verdade não são. Cada um deles é multifacetado e com muitas nuances, com muitas variações entre diferentes pessoas. 

Tomemos como exemplo o toque. Algumas pessoas precisam de ser tocadas e outras muito menos. E longe de ser apenas um sentido, o tato pode ser dividido ainda mais em pressão, temperatura, sensações táteis e dor. E estamos ainda no processo de aprender como tudo isto funciona. 

Foi apenas no ano passado, em 2021, que dois cientistas, que trabalharam individualmente, partilharam o Prémio Nobel da Medicina pelo seu trabalho na identificação de um sensor nas extremidades nervosas da nossa pele que responde ao calor e outros sensores que respondem à pressão. E só este ano, os investigadores publicaram um artigo descrevendo alguns dos possíveis fundamentos neuronais de sensações agradáveis que obtemos através de mimos e carícias. 

Além disso, os cinco sentidos tradicionais não são os únicos sentidos que temos. Talvez fique surpreendido por saber que temos pelo menos sete, talvez até oito sentidos. Pode aprender mais sobre os outros sentidos secretos que a maioria dos humanos possui nesta temporada do podcast “Chasing Life”. 

Além disso, vamos examinar o que acontece quando as pessoas não têm um sentido ou uma componente de um sentido. Temos um episódio sobre prosopagnosia, vulgarmente designada por ‘cegueira facial’, uma condição em que as pessoas podem ver rostos, mas não os conseguem reconhecer - por vezes nem sequer os seus próprios membros da família. E vamos aprender como é que as pessoas da comunidade de surdos-cegos criaram uma língua para as ajudar a comunicar melhor. 

Vamos também investigar a sinestesia, que é quando dois sentidos se misturam para criar um “sentido de combinação” único, tal como a audição colorida, onde certos sons provocam o surgimento de cores. Irá aprender porque é que a sinestesia ocorre e como esta experiência é tão inerente ao indivíduo ao ponto de muitos indivíduos que a têm não perceberem (durante muito tempo) que os outros não apreendem o mundo da mesma forma. 

Além disso, mergulharemos profundamente no uso de psicadélicos, que distorcem os sentidos e nos dissociam da nossa forma de ser familiar e podem ser usados para tratar condições de saúde mental, como o transtorno de stress pós-traumático e a depressão. 

Os animais e o seu ‘umwelten’ 

Damos início à temporada com uma entrevista com o premiado jornalista científico Ed Yong. É autor de um novo livro, “An Immense World: How Animal Senses Reveal the Hidden Realms Around Us” (tradução livre - Um vasto mundo: como é que os sentidos animais nos revelam o universo secreto que nos rodeia). 

Ed explica como todas as criaturas, e não apenas os humanos, vivem na sua própria “bolha sensorial”, através da qual experimentam uma fração da realidade - a fração muito específica da realidade que é crucial para a sua sobrevivência e bem-estar. Este fenómeno é designado umwelt, um conceito pioneiro em 1934 pelo biólogo alemão báltico Jakob von Uexküll. 

Ed leva-nos numa viagem fascinante através dos muitos sentidos misteriosos do reino animal que existem fora do nosso próprio umwelt, que vai para além do alcance das certezas de que nós, humanos, podemos ter. Se alguma vez se perguntou como seria socializar por cheiro como um cão, usar a ecolocalização para navegar como um morcego, sentir a atração magnética da terra para migrar na direção certa como um pássaro ou identificar o ambiente através da eletricidade como uma enguia, não vai querer perder esta conversa.  

Ed disse-me: “Começo o livro com este exercício de pensamento, para imaginar que está a partilhar um quarto com um elefante e uma abelha e uma cascavel, uma aranha, um morcego. ...Poderiam estar todos no mesmo espaço físico, mas teriam perceções radicalmente diferentes desse mesmo espaço. A cascavel poderia ser capaz de sentir o calor corporal dos animais que a rodeiam; o elefante poderia fazer roncos infra sónicos baixos que as outras criaturas não conseguiriam ouvir. Um cão naquele espaço seria capaz de obter tanto cheiro... e os seus companheiros animais não o conseguiriam fazer da mesma forma. Então, cada um de nós está preso na sua própria bolha sensorial e só nos apercebemos de uma ínfima amostra da plenitude da realidade.” 

O que é verdadeiramente incrível, disse Ed, é que cada um desses seres vivos, incluindo nós próprios, pensa que está a ter uma imagem completa do que é a realidade. 

“Estou aqui sentado nesta sala, e não sinto que a minha perceção do mundo esteja incompleta. Não estou aqui sentado a maravilhar-me com as lacunas no que estou a apreender. Mas esta sensação de que experienciamos tudo o que existe é uma ilusão, e é uma ilusão que todos os animais partilham”, afirmou. “O que isto nos diz é que mesmo as partes mais familiares do nosso mundo estão cheias de incógnitas e de coisas extraordinárias.” 

Ed mergulha nestes mistérios - nos diferentes umwelten dos animais - e trá-los até nós. Pode ouvir aqui a minha conversa completa com Ed Yong

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados