Comer carne sem abater animais. Soa-lhe bem? Dizem que sabe melhor (pelo menos ao planeta e à saúde)

CNN , Kristen Rogers
12 jun, 18:00
Carne em laboratório

Na foto: Um hambúrguer de carne de vaca cultivada da Mosa Meat, uma empresa de tecnologia alimentar sediada nos Países Baixos

E se houvesse uma forma de comer carne sem criar e matar milhões de animais por ano, contribuindo para a crise climática e arriscando níveis elevados de colesterol?

"A carne cultivada é carne verdadeira desenvolvida diretamente a partir de células animais", disse Uma Valeti, fundador e CEO da Upside Foods, via e-mail. "Estes produtos não são veganos, vegetarianos ou de origem vegetal -- são carne verdadeira, produzida sem o animal."

"O processo de fabrico de carne cultivada é semelhante ao fabrico de cerveja, mas em vez de cultivarmos leveduras ou micróbios, cultivamos células animais", acrescentou Valeti.

Os cientistas começam por recolher uma pequena amostra de células de animais de gado, como uma vaca ou uma galinha, depois identificam células que se podem multiplicar.

"A partir daí, colocamos estas células num ambiente esterilizado e controlado e alimentamo-las com nutrientes essenciais de que necessitam para se replicarem naturalmente", disse Valeti. "Em essência, podemos recriar as condições que existem naturalmente dentro do corpo de um animal."

"É carne sem abate", afirmou Christiana Musk, fundadora da Flourish*ink, na conferência Life Itself, um evento de saúde e bem-estar apresentado em parceria com a CNN. Flourish*ink é uma plataforma para criar e promover conversas sobre o futuro da alimentação.

Na transição da produção em laboratório para o fabrico de produtos em instalações comerciais, algumas empresas estão a afastar-se do termo "carne desenvolvida em laboratório", informou um porta-voz da Mosa Meat, uma empresa de tecnologia alimentar sediada nos Países Baixos. Em vez disso, estas empresas referem-se à mesma como carne cultivada, carne artificial, carne à base de células ou carne cultivada à base de células, ou carne não-abatida.

Para além de reduzir o abate de animais, a carne cultivada poderá também ajudar a retardar as alterações climáticas provocadas pelas emissões de gases com efeito de estufa, tais como o dióxido de carbono e o metano. O sistema alimentar é responsável por cerca de um quarto das emissões globais de gases com efeito de estufa, a maioria das quais provém da agricultura animal. O transporte necessário para a agricultura emite tanto metano como dióxido de carbono, e a limpeza de terras e florestas - inclusive para a agricultura - emite dióxido de carbono, de acordo com as Nações Unidas.

"A suposição é a de que estaremos a fazer o melhor por causa deste elemento de sustentabilidade - para reduzir a pegada terrestre, reduzir as necessidades de água e reduzir alguns dos fluxos de resíduos que saem do local onde os animais são alimentados", referiu David Kaplan, um professor de engenharia biomédica da Universidade de Tufts. Os fluxos de resíduos que contêm dióxido de carbono e metano são responsáveis por grandes fluxos de emissões para a atmosfera.

A indústria tem cerca de 10 anos, pelo que a carne cultivada ainda está a poucos anos de estar comercialmente disponível para os consumidores em mercearias ou restaurantes - e talvez até mais 20 anos para substituir uma parte substancial, ou toda, da indústria tradicional da carne, revelou Kaplan. Neste momento, Singapura é o único país que já aprovou carne à base de células para consumo geral.

Até lá, a carne cultivada e os seus potenciais benefícios para a saúde animal, humana e ambiental são mais uma esperança do que uma promessa.

Como funciona

O fabrico de carne cultivada baseia-se no campo da engenharia de tecidos - o cultivo de tecidos humanos num laboratório para reparações médicas e regeneração, afirmou Kaplan.

Os cientistas obtêm amostras de células de animais colhendo um pequeno pedaço de tecido colhido através de biopsia, isolando células de ovos ou carne tradicionalmente cultivada, ou obtendo células de bancos de células. Estes bancos já existem para fins como o desenvolvimento de medicamentos e vacinas, informou Josh Tetrick, CEO da Eat Just, Inc., uma empresa sediada na Califórnia que produz alternativas aos ovos baseadas em plantas. A GOOD Meat é o departamento de carne cultivada da empresa.

Esta tártaro de carne de vaca é feito com carne cultivada de Mosa Meat.

O método da biópsia é "tal como uma biópsia humana", explicou Kaplan. "Em princípio, o animal a seguir fica bem.”

O segundo passo é a identificação dos nutrientes - vitaminas, minerais e aminoácidos - para as células consumirem. Da mesma forma que uma galinha tradicionalmente cultivada tem células e obtém nutrientes da soja e do milho que alimenta, as células isoladas podem absorver os nutrientes que são alimentados num laboratório ou instalação, afirmou Tetrick.

Essas células vão para o seu banho de nutrientes num biorreator, um grande recipiente de aço inoxidável "que tem um processo interno pelo qual agita as células sob uma pressão particular para criar um ambiente que permite às células crescer de forma eficiente e segura", disse Tetrick. "Que pode ser utilizado para a produção de vacinas ou de medicamentos, terapêutica - ou, neste caso, pode ser utilizado para alimentar pessoas."

Este processo consiste basicamente em produzir carne crua, acrescentou.

A amostra de células leva cerca de duas semanas para atingir o tamanho desejado, afirmou Tetrick, que é "cerca de metade do tempo que uma galinha levaria a crescer." A seguir é a conversão da carne no produto acabado, quer seja um peito de frango ou um nugget, ou um hambúrguer de carne de vaca ou bife.

"O que é incrível é que se pode começar a ajustar a textura", referiu Kimbal Musk, chef, filantropo e cofundador e presidente executivo do The Kitchen Restaurant Group, na Life Itself. "As alternativas à carne podem ser demasiado esponjosas ou podem ser demasiado firmes e, francamente, até um frango mau pode ser assim também. Com esta abordagem tecnológica das coisas, temos possibilidade de ajustar isso e de a adaptar realmente a uma palete que nos interesse."

"A primeira vez que cozinhei isto foi provavelmente há dois anos e voltei a experimentar esta manhã", disse ele durante uma sessão da Life Itself de 2 de junho. "Está significativamente melhor, o que quer dizer que é uma tecnologia que está constantemente a melhorar."

Experimentei o peito de frango cultivado da Upside Foods que o Kimbal cozinhou durante essa sessão Life Itself. A textura e as fibras do frango eram quase idênticas às do frango normal, mas em termos de sabor parecia faltar algum elemento que não consegui identificar.

É certo que tornar a carne cultivada o mais semelhante possível à carne normal é ainda um processo que está em desenvolvimento. No entanto, esta discrepância pode também dever-se ao facto de o sabor da carne tradicional ser influenciado por uma miríade de fatores envolvidos no processo agrícola, fiquei eu a saber com Valeti - incluindo as condições em que os animais são criados e a alimentação que lhes é dada.

Uma panaceia para o coração e para a saúde?

"Quer se trate de bem-estar animal, clima, biodiversidade ou segurança alimentar, (há) muitas razões realmente importantes para mudar a forma como comemos carne", referiu Tetrick.

Para começar, poucos ou nenhuns animais teriam de ser criados e utilizados para a carne cultivada, e, portanto, centenas de milhões de hectares de terra não seriam necessários para cultivar alimentos para os mesmos.

"O Santo Graal, se todos fizermos bem o nosso trabalho, é que só é necessário um animal na biópsia inicial", disse Kaplan. "Podem fazer aquilo a que chamamos 'imortalizar' essas células, para que se propaguem essencialmente para sempre."

Uma única célula poderia fazer centenas de bilhões de quilos de carne, afirmou Tetrick. "Não há limite máximo."

O relatório de avaliação do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas de 2022 afirmou que a carne cultivada é uma tecnologia alimentar emergente que poderia ajudar a reduzir substancialmente as emissões globais da produção alimentar, devido às suas "pegadas inferiores de terra, água e nutrientes."

O frango cultivado feito pela Upside Foods, uma empresa de carne cultivada, sobre uma salada.

Se a carne cultivada necessitará de menos água é discutível e permanece por descobrir, revelou Kaplan, "porque ainda se precisa de muita água para a agricultura celular."

E a agricultura celular pode ou não resultar numa redução substancial no uso de energia, de acordo com o IPCC.

A redução da interferência humana na terra e nos oceanos para uso agrícola poderia também preservar a biodiversidade, acrescentou Tetrick.

A qualidade nutricional e o impacto na saúde humana são áreas onde "penso que a carne cultivada pode ter sucesso, porque o processo é muito mais controlado do que a agricultura tradicional", disse Kaplan. "Há mais controlo de entradas e saídas para o sistema, o que significa menos hipóteses de contaminação e menos hipóteses de variabilidade". ... Podemo-nos certificar, de certa forma, de que apenas as melhores partes da carne acabam nas carnes que produzimos ou desenvolvemos, ao contrário do animal onde se fica com o que existe do mesmo."

Essas possibilidades de personalização incluem o ajustamento dos perfis nutricionais, "quer seja menos gordura saturada e colesterol, ou mais vitaminas ou gorduras saudáveis", referiu Valeti da Upside Foods. "Imaginem se pudéssemos produzir um bife com o perfil de ácido gordo do salmão."

Comer demasiada gordura saturada e o colesterol podem aumentar o risco de um ataque cardíaco ou AVC.

Os animais cultivados de forma tradicional recebem doses elevadas de antibióticos para combater doenças ou contaminação por bactérias como a salmonela e a E. coli, afirmaram Valeti e Tetrick.

"Existem muitas galinhas numa só instalação e as suas gargantas têm de ser cortadas", disse Tetrick. "Fica o sangue e as penas e animais vivos a chocar uns contra os outros. Ou, (com carne cultivada), têm um recipiente de aço inoxidável que está totalmente controlado sem tudo isso."

A carne cultivada de Upside Foods também pode ser utilizada para fazer kebabs.

Como os produtores de carne cultivada não tencionam utilizar antibióticos - ou pelo menos grandes quantidades - a carne cultivada também poderá aliviar o problema da resistência aos antibióticos entre os humanos, afirmou Kaplan. A carne cultivada também não deverá precisar de hormonas de crescimento sintéticas, o tema de debate sobre o seu potencial impacto na saúde humana, puberdade e cancro. A US Food and Drug Administration afirma que as hormonas sintéticas aprovadas são seguras para os humanos que comem carne de animais tratados.

E uma vez que a carne cultivada exigiria menos contacto com animais e a utilização dos seus habitats, poderia também diminuir o risco de mais vírus que se propagam dos animais para os seres humanos, de acordo com o IPCC.

Os dois principais motores humanos da doença zoonótica – tal como a Covid-19 - são a procura crescente de proteína animal e a intensificação agrícola insustentável, de acordo com a ONU.

"Esta nova área não se destina inicialmente a substituir a agricultura animal tradicional. Há (ainda) demasiadas necessidades neste momento", referiu Kaplan. "Mas vai começar a evoluir devagar e crescer aos poucos."

Por mais promissor que possa parecer, não é ainda claro se certos aspetos da carne cultivada serão problemáticos.

A acessibilidade de preços para os consumidores poderá ser um deles.

Enquanto as pessoas em Singapura parecem apreciar carne cultivada, os americanos aguardam a aprovação da FDA e do Departamento de Agricultura. Estas agências anunciaram em 2019 que supervisionariam conjuntamente a produção de alimentos de animais cultivados para assegurar que os produtos comercializados são "seguros, não adulterados e verdadeiramente rotulados". Começaram a procurar informações sobre a rotulagem em setembro.

"A nomenclatura é uma das coisas que deve ser trabalhada com os reguladores, porque é carne verdadeira", afirmou Valeti em Life Itself. "Se alguém tem, digamos, uma alergia à carne ou ao peixe, deve saber que se trata de carne verdadeira". Portanto, vai chamar-se carne, mas o prefixo é aquilo em que estamos a trabalhar."

A Academia de Nutrição e Dietética sublinhou "a necessidade de uma melhor compreensão dos efeitos a longo prazo na saúde da carne artificial e dos produtos avícolas", de acordo com uma carta de comentários que enviou ao USDA. "Há também pouca informação disponível sobre a biodisponibilidade de nutrientes, ou a densidade de nutrientes da carne e dos produtos avícolas artificiais."

O tema da carne é "muito difícil porque está muito marcado culturalmente ", disse Christiana em Life Itself. "Existem todas estas trocas entre acesso, saúde, sustentabilidade, bem-estar animal e, claro, como é do interesse do meu marido enquanto chef, o sabor é algo realmente importante a manter também. É uma questão de grande debate."

Mas se a carne cultivada acabar por preencher todos os parâmetros importantes, "será um grande feito quando as pessoas puderem comer a carne que adoram sem ter de abater animais", disse Valeti à CNN numa entrevista.

Fareed Zakaria da CNN, Amy Woodyatt, Danielle Wiener-Bronner e Michelle Toh contribuíram para este artigo.

Gastronomia

Mais Gastronomia

Na SELFIE

Patrocinados