Quando um riso gravado é ouvido de maneira desacelerada, os ouvintes não conseguem distinguir se o som é de uma pessoa ou de um animal. E sabe que mais? É magnífico

CNN , Adrienne Wood, Universidade da Virgínia (EUA)
11 ago 2023, 19:42
Riso rir sorrir

Por isso: sorria, até os ratos sorriem, é preciso sorrir, sorrir mais, sorrir é universal, sorrimos nós e sorriem os animais, é preciso lutar para que o sorriso não entre em vias de extinção, o sorriso é oxigénio, morreremos sem ele - e nenhum psicólogo pode estragar o sorriso, os psicólogos adoram estragar coisas boas explicando-as em demasia (mas é isso mesmo que vamos fazer neste texto, ahahahahahahahahah)

O riso: uma caraterística essencial das interações sociais humanas

por Adrienne Wood, Universidade da Virgínia (EUA)


Nota do editor: as opiniões expressas neste artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. A CNN apresenta o trabalho do The Conversation, uma colaboração entre jornalistas e académicos para fornecer análises e comentários de notícias. O conteúdo é produzido exclusivamente por The Conversation

(The Conversation) O riso é um lembrete quotidiano de que nós, humanos, somos animais. De facto, quando o riso gravado é abrandado, os ouvintes não conseguem distinguir se o som é de uma pessoa ou de um animal.

Atiramos a cabeça para trás e abrimos os dentes num sorriso semelhante ao de um macaco. Por vezes, dobramo-nos e perdemos a capacidade de falar por um momento, voltando temporariamente a ser macacos que piam. E tal como os pios e os uivos ajudam a fortalecer os laços num grupo de primatas ou numa alcateia de lobos, o riso ajuda-nos a relacionarmo-nos com os outros.

O riso é evolutivamente antigo. Conhecido como um "sinal de brincadeira", o riso dos mamíferos acompanha as interações lúdicas para assinalar intenções inofensivas e manter a brincadeira. Os chimpanzés riem-se. Os ratos riem-se. Os cães riem-se. Talvez até os golfinhos se riam.

E o riso é uma caraterística essencial das interações sociais humanas. Rimo-nos quando nos divertimos, claro. Mas também nos rimos por embaraço, educação, nervosismo e escárnio.

Sou uma investigadora em psicologia que estuda a forma como as pessoas utilizam o riso para se ligarem - e por vezes para se desligarem dos outros. Para os humanos, o riso expandiu-se da sua função original como sinal de brincadeira para servir uma variedade de funções sociais.

O riso facilita as interações sociais

O riso divertido é uma resposta ao que os estudiosos do humor chamam "violação benigna" - uma situação que podia representar uma ameaça mas que a pessoa que ri concluiu que é segura (os psicólogos adoram estragar coisas boas, como a comédia, explicando-as em demasia).

O riso é uma forma de comunicar que uma interação é divertida, inofensiva e não séria. Muitas vezes não é um sinal fiável de que uma pessoa se está a divertir, apesar de as pessoas por vezes rirem quando se estão a divertir. Uma troca de palavras embaraçosa, um mal-entendido, uma piada de escárnio - todos estes momentos potencialmente desconfortáveis são suavizados pelo riso.

Os meus colegas e eu estávamos curiosos em saber se a tendência para rir é uma caraterística consistente em cada pessoa, independentemente do contexto, ou se depende da pessoa com quem se está a interagir. Num estudo, pusemos pessoas a falar com 10 estranhos numa série de conversas individuais. Depois contámos quantas vezes se riram.

Para nossa surpresa, descobrimos que a frequência com que uma pessoa se ri - pelo menos quando fala com estranhos - é bastante consistente. Algumas pessoas riem-se e outras não. A pessoa com quem estavam a falar não teve um efeito forte. Pelo menos na nossa amostra não havia parceiros hilariantes que faziam rir toda a gente com quem falavam.

Descobrimos que as pessoas que tendiam a rir mais gostavam menos das conversas. Se gostarmos intrinsecamente de falar com estranhos e nos sentirmos confortáveis a fazê-lo podemos não sentir necessidade de rir muito e de suavizar a interação - confiamos que está a correr bem. No entanto, as pessoas sentiram que tinham mais em comum com os que riam muito.

Assim, em conversas entre estranhos, rir muito não é um sinal de prazer mas fará com que os seus parceiros se sintam semelhantes a si. É mais provável que concordem que vocês os dois têm algo em comum, o que é um ingrediente fundamental para a ligação social. Suspeito que as pessoas tomam emprestado e transformam o sinal lúdico do riso para influenciar situações que, à primeira vista, não têm nada que ver com brincadeira.

O riso envia uma mensagem

Nós, humanos, temos um controlo notável sobre a nossa voz. Não só podemos falar como também podemos alterar o significado das nossas palavras modificando o tom vocal, a colocação das vogais, a respiração ou a nasalidade. Um "olá" ofegante torna-se um avanço de flirt, um "olá" rosnado torna-se uma ameaça e um "olá" virado para cima e agudo torna-se uma pergunta temerosa.

Isto fez-me pensar: talvez as pessoas mudem o som do seu riso consoante o que querem comunicar.

Afinal de contas, enquanto algumas formas de riso são consideradas incontroláveis - do tipo que nos deixa fisicamente fracos e sem oxigénio - a maior parte do riso quotidiano está, pelo menos, um pouco sob o nosso controlo.

Acontece que já existem muitos estudos que analisam as diferentes formas de riso. Embora as suas perspetivas e métodos sejam diferentes, os investigadores concordam que o riso assume muitas formas acústicas e ocorre em muitas situações diferentes.

A abordagem mais popular para categorizar as muitas formas de riso é classificá-las de acordo com o estado interno da pessoa que ri. O riso é "genuíno", refletindo um verdadeiro estado positivo? Ou é o resultado de embaraço ou alegria?

Estas abordagens não me satisfazem. O riso é um comportamento comunicativo. Parece-me que devemos, portanto, classificá-lo de acordo com a forma como influencia as pessoas que o ouvem e não com base no que a pessoa sentiu enquanto ria. A palavra "gato" transmite a mesma informação a um ouvinte, independentemente do facto de o orador gostar ou detestar felinos. E o efeito de uma gargalhada num ouvinte é o mesmo, independentemente de como a pessoa que ri se sente, assumindo que a gargalhada soa da mesma forma.

Agradável, tranquilizador ou ameaçador

Com a natureza comunicativa do riso em mente, os meus colegas e eu propusemos que o riso pode ser reduzido a três funções sociais básicas - todas sob o manto da brincadeira.

Primeiro, há o riso de recompensa. Este tipo de riso está mais claramente ligado ao papel evoluído do riso como sinal de jogo. É agradável de ouvir e produzir, tornando assim uma interação lúdica ainda mais agradável.

Depois, há o riso de afiliação. Transmite a mesma mensagem de inofensividade sem proporcionar uma explosão de prazer. As pessoas podem usá-lo para tranquilizar, apaziguar e acalmar. Este é o riso mais comum nas conversas do dia a dia - as pessoas pontuam o seu discurso com ele para garantir que as suas intenções não são mal interpretadas.

Finalmente, há o riso de domínio. Este tipo vira a mensagem não séria de cabeça para baixo. Ao rir-se de alguém, está a transmitir que essa pessoa não merece ser levada a sério.

Os meus colegas e eu identificámos propriedades acústicas do riso que o fazem parecer mais gratificante, amigável ou dominante. Também descobri que as pessoas mudam o som do seu riso durante conversas que enfatizam essas três tarefas sociais. As alterações são subtis porque o contexto - a situação, a relação entre as pessoas, o tópico da conversa - contribui muito para clarificar o significado de uma gargalhada.

Não existe riso falso. Todos os risos têm funções sociais genuínas, ajudando-o a navegar em interações sociais complexas. E porque parece e soa tão tolo enquanto o faz, o riso garante que ninguém se leva demasiado a sério.

Adrienne Wood é professora assistente de psicologia na Universidade da Virgínia. Recebe financiamento da National Science Foundation
Republicado sob uma licença Creative Commons de The Conversation

Estilo de Vida

Mais Estilo de Vida

Na SELFIE

Patrocinados