Saiba tudo sobre o Euro aqui

Estudo revela que uso de cigarros eletrónicos por adolescentes está associado a exposição a chumbo tóxico

CNN , Kristen Rogers
1 mai, 11:24
Vaporizadores

Prejudica potencialmente o desenvolvimento do cérebro e dos órgãos dos jovens

O vaping é conhecido pela sua associação a doenças respiratórias e à dependência da nicotina. Agora, um novo estudo, com base em provas anteriores, descobriu que, entre os adolescentes, a vaporização frequente pode aumentar o risco de exposição ao chumbo e ao urânio - potencialmente prejudicando o desenvolvimento do cérebro e dos órgãos dos jovens.

"Este estudo analisou uma amostra nacionalmente representativa do uso de cigarros eletrónicos por adolescentes dos EUA para examinar se os níveis de metal na urina (ou seja, cádmio, chumbo e urânio) diferiam pela frequência de vaporização e tipos de sabor ", diz por email Hongying Daisy Dai, autora senior do estudo - publicado na revista Tobacco Control.

O vaping diminuiu ligeiramente entre os adolescentes. O uso de cigarros eletrónicos entre os alunos do ensino médio recuou de 14,1% para 10% entre 2022 a 2023, descobriu o Estudo Nacional de Tabaco Juvenil de 2023. Mas, para esse grupo, o comportamento continua a ser um problema de saúde pública e a forma mais popular de consumo de tabaco (na forma de nicotina) desde 2014, refere Dai.

Em dezembro de 2023, apenas 23 produtos de cigarro eletrónico com sabor de tabaco estavam autorizados pela Food and Drug Administration dos EUA para venda nos Estados Unidos, depois de a agência ter proibido todos os sabores de canetas vaporizadoras baseadas em cartucho, exceto mentol e tabaco, para evitar que os jovens vaporizem. A proibição, no entanto, não inclui os cigarros electrónicos descartáveis nem os respectivos e-líquidos, que são comercializados numa grande variedade de sabores.

Dai e os seus coautores descobriram que os níveis de chumbo na urina dos adolescentes que fumavam de forma intermitente - num total de seis a 19 dias nos últimos 30 dias - eram 40% mais elevados do que os dos vaporizadores ocasionais, definidos como um a cinco dias no último mês. Para os utilizadores frequentes - 20 dias ou mais -, os níveis de chumbo na urina eram 30% mais elevados. E os utilizadores de cigarros electrónicos que preferiam sabores doces tinham níveis mais elevados de urânio na urina do que os que preferiam mentol ou sabor a menta, refere Dai, que é também professor do departamento de bioestatística do Centro Médico da Universidade de Nebraska.

Quase 90% dos jovens que vaporizam usam cigarros electrónicos com sabor, de acordo com o National Youth Tobacco Survey.

Dado que se sabe que o aerossol dos cigarros electrónicos contém vários compostos potencialmente nocivos, incluindo metais, Dai não ficou surpreendida com os resultados, afirmou.

No entanto, a exposição crónica a metais, "mesmo em níveis baixos, pode ter um impacto negativo na saúde, afetando as funções cardiovasculares, renais, cognitivas e psiquiátricas".

O estudo foi realizado num determinado momento, pelo que os autores não puderam controlar a exposição crónica ou a longo prazo. Mas "nenhuma forma de consumo de tabaco é segura para os jovens", sublinha Dai. "Os pais devem estar cientes da nocividade do uso de cigarros electrónicos e aconselhar os seus filhos a deixarem de fumar."

Os resultados do estudo baseiam-se nas respostas e nas amostras de bioespécimes de 200 adolescentes envolvidos no Estudo de Avaliação Populacional do Tabaco e da Saúde, ou PATH, de dezembro de 2018 a novembro de 2019.

Vaping e danos para a saúde

As opiniões dos especialistas sobre os resultados são mistas.

"Este é um estudo bem conduzido que destaca a necessidade de monitorar cuidadosamente a exposição em usuários de cigarros eletrónicos e destaca o facto de que os cigarros eletrónicos não são isentos de riscos", aponta Lion Shahab, professor de Psicologia da Saúde na University College London e codiretor do UCL Tobacco and Alcohol Research Group, em comunicado à imprensa.

"No entanto, estes resultados também precisam de ser vistos em contexto", acrescenta Shahab, que não esteve envolvido no estudo. "O urânio tem especificamente muitas fontes importantes e diferentes de exposição (incluindo alimentos, água ligada à localização geográfica) que não foram controladas nesta análise. Além disso, trabalhos anteriores não encontraram diferenças na exposição ao urânio entre não utilizadores e utilizadores de cigarros electrónicos, nem detetaram urânio no aerossol dos cigarros electrónicos, sugerindo que esta descoberta pode ser explicada por outros fatores."

O chumbo, no entanto, foi detetado no aerossol dos cigarros electrónicos em investigações anteriores, diz Shahab. No entanto, os níveis de urina relatados neste estudo, mesmo em vapers frequentes, são inferiores ou semelhantes aos encontrados na população em geral e em adultos que não vaporizam.

"No entanto, é importante notar que nenhum nível de exposição ao chumbo é seguro", afimra Shahab.

Os autores do estudo reconheceram que o seu trabalho é observacional, o que significa que não encontraram uma relação causal entre vaping e níveis de metais tóxicos.

Mas os autores pensam que a presença dos metais na urina dos participantes pode estar relacionada com a forma como os cigarros electrónicos funcionam.

"Os cigarros electrónicos são dispositivos alimentados por bateria que geram aerossóis através do aquecimento de uma solução líquida com uma bobina metálica", afirma Dai. "Este processo de aquecimento pode resultar na libertação de partículas de metal no líquido inalado pelos utilizadores de cigarros electrónicos."

Os adolescentes escolhem sabores doces em vez de outros, uma vez que os primeiros podem suprimir os efeitos agressivos da nicotina, aumentando os seus efeitos de recompensa, explica Dai. Mas saber por que motivo essa preferência levou a uma maior exposição ao urânio requer mais investigações. Um estudo de 2021, no entanto, descobriu que o etil maltol, um adoçante artificial usado em alguns líquidos vaporizadores com sabor de algodão doce, pode ajudar a transportar metais pesados para as células e, quando na presença de cobre, pode causar a morte das células que revestem os pulmões.

E "dado que a exposição a metais pesados é principalmente determinada pelo tipo de dispositivo utilizado", diz Shahab, "estudos futuros devem investigar se existem diferenças significativas entre diferentes tipos de cigarros electrónicos para informar os reguladores, por exemplo, para reduzir o uso de dispositivos que expõem os utilizadores a mais metais pesados".

Se quer deixar de fumar, ou se é um pai ou tutor que quer ajudar o seu filho adolescente a deixar de fumar, há passos que pode dar hoje.

Conhecer as razões pessoais para deixar de fumar pode ajudá-lo a fazer escolhas que conduzam ao seu objetivo, mais do que o simples conhecimento dos danos para a saúde. Estabelecer uma data para deixar de fumar pode ajudar a preparar-se mentalmente para quaisquer desafios. Trabalhar com um terapeuta pode ajudar a identificar os seus estímulos e desafios, e pode mesmo elaborar um plano pessoal para deixar de fumar com base na sua vida quotidiana.

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados