Ombros descobertos com decote de coração e uma saia apertada que terminava acima do joelho: princesa Diana, a história do vestido da vingança

CNN , Leah Dolan
1 nov, 15:00
Revenge Dress

Quase trinta anos mais tarde, o vestido e o momento de empoderamento que representa continua a ser um dos momentos mais inesquecíveis da história da cultura pop. Agora vai estar na Netflix

O verão de 1994 foi excecionalmente quente para a Grã-Bretanha. Os dias quentes e ensolarados foram seguidos de noites tropicais e, no final de junho, a pressão tinha começado a aumentar. A última semana do mês foi explosiva, meteorológica e culturalmente. Na sexta-feira de 24 de junho, uma trovoada particularmente intensa atingiu o sudeste do Reino Unido, dispersando tanto pólen de ervas que desencadeou uma súbita e efémera epidemia de asma de curta duração. Dois dias mais tarde, e após anos de especulação crescente, a imprensa britânica deu a notícia de que o Príncipe Carlos tinha revelado acidentalmente a sua infidelidade à Princesa Diana durante um documentário do ITN. Quando lhe perguntaram se tinha permanecido leal à sua esposa, o Príncipe de Gales acenou com a cabeça. “Sim, absolutamente”, disse ele antes de acrescentar do seu casamento “até que este se tornou irremediavelmente destruído”.

Na quarta-feira 29 de junho, no mesmo dia em que o programa foi transmitido a 13 milhões de telespectadores em todo o país, Diana emergiu dos destroços emocionais para assistir a uma gala com um vestido tão cativante que desde então é conhecido unicamente como o “vestido da vingança”.

A princesa Diana a usar o vestido preto Christina Stambolian enquanto assistia a uma festa na Serpentine Gallery em Londres, junho de 1994 (Princess Diana Archive/Hulton Royals Collection/Getty Images)

Preto, ombros descobertos com decote de coração e uma saia apertada que terminava acima do joelho. O vestido de cocktail, desenhado por Christina Stambolian, distinguia-se de tudo o que a Diana, ou qualquer outra figura da realeza, alguma vez tinha usado em público. “A Diana queria parecer um milhão de dólares”, disse a ex-estilista da princesa Anna Harvey em “Princess Diana's Dresses: The Auction”, um documentário do Canal 4 de 2013. “E ela conseguiu.”

Na manhã seguinte, as fotografias do seu vestido sensual foram publicadas nas primeiras páginas dos tabloides britânicos: “A vingança é chique”, escreveu The Sun. “Ontem à noite, Di mostrou a Charles o que ele está a perder.”

Quase trinta anos mais tarde, o vestido e o momento de empoderamento que representa continua a ser um dos momentos mais inesquecíveis da história da cultura pop. E irá provavelmente ganhar um novo público, graças à quinta temporada da série histórica da Netflix, "The Crown", que se estreia a 9 de novembro.

Numa entrevista com a Entertainment Weekly (EW), a atriz Elizabeth Debicki, que assumirá o papel de Diana que antes pertencia a Emma Corrin, destacou o vestido Stambolian como sendo fundamental para a compreensão da personagem de Diana. “Provocou algo em mim enquanto atriz”, disse ela. "Não consigo explicá-lo. É verdadeiramente impressionante como um vestido pode representar um momento na história, ou que a vida deste humano represente tanta coisa e se tornasse tão icónica. Foi um grande dia para mim no estúdio.”

Elizabeth Debicki, aqui retratada, interpretará a princesa Diana na nova temporada de “The Crown”, recriando no ecrã o momento lendário (créditos Netflix)

Após a notícia do seu casting, Debicki disse à EW que o vestido sagrado estava entre as primeiras perguntas de muitas pessoas. “Fascinou-me o quanto as pessoas estavam entusiasmadas com aquele vestido”, disse. "Quando se soube que eu consegui o papel, recebi mensagens de texto a dizer parabéns, mas havia também uma enorme quantidade de mensagens sobre o vestido da vingança: ‘Vais usar o vestido da vingança?’, ‘Ó, meu Deus, vais usar o vestido da vingança!'."

A decisão de Diana de usar o vestido naquela noite foi aparentemente impulsiva. Segundo a “Princesa Diana's Dresses: The Auction”, esteve no seu armário durante três anos antes da sua célebre estreia, por medo de ser “demasiado ousado”, disse a estilista Stambolian.

Em vez disso, o Telegraph relatou que Diana tinha iria utilizar um vestido da Valentino, mas um comunicado de imprensa antecipado enviado pela casa de moda, que alertou os jornalistas para o conjunto, dissuadiu-a. Mas embora tenha sido uma decisão impulsiva, o vestido da vingança criou um legado que perduraria por quase três décadas - e muitas mais. Foi um momento de liberdade artística: uma rebelião contra os códigos reais de vestuário e noções forçadas de castidade e cumprimento. Em vez de se submeter à vergonha ou ao desprezo do público, Diana disse ao mundo que não iria ficar calada.

Artes

Mais Artes

Patrocinados