Usavam nomes e documentos falsos para contrair créditos à habitação no valor de milhões. Compraram mais de 300 imóveis

27 jun, 12:50
Polícia Judiciária

PJ deteve seis suspeitos por associação criminosa, burla e branqueamento

A Polícia Judiciária deteve, no Algarve, quatro homens e duas mulheres, por suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, burla qualificada, branqueamento e falsificação de documentos, no setor imobiliário, no Algarve.

Em comunicado, a PJ informa que a investigação titulada pelo DIAP de Évora teve início em 2021 e que no âmbito da operação “Orange” foram realizadas sete buscas domiciliárias e duas a empresas, apreendidos dezenas de imóveis, 14 veículos, uma embarcação, equipamento informático e um elevado acervo documental probatório.

"Em causa, está a investigação de um grupo organizado, com várias nacionalidades, residência no Algarve e com ligações à diáspora noutros países, que criaram no nosso país em Portugal uma organização económica no setor imobiliário, totalmente financiada de forma fraudulenta por créditos bancários. O “modus operandi” passava pela constituição de sociedades de direito português, através das quais adquiriram centenas de imóveis, cujas propriedades, através de negócios simulados, transferiram de imediato para terceiros", lê-se na nota.

Segundo a PJ, os suspeitos, recorrendo a nomes de terceiros e com documentos falsos, " contraíram créditos à habitação junto de instituições bancárias portuguesas, em quantias muito superiores ao da aquisição inicial dos bens, apropriando-se da diferença, além do produto resultante da exploração posterior dos imóveis como alojamento turístico e residencial".

"Até ao presente, foram identificadas mais de 20 sociedades controladas pelos vários suspeitos identificados na investigação, através das quais foram adquiridos mais de 300 imóveis e contratados mais de duas centenas de financiamentos fraudulentos, num valor global na ordem dos 40 milhões de euros", acrescenta o comunicado.

Os detidos vão ser presentes a tribunal para conhecerem as medidas de coação.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Mais Lidas

Patrocinados