PSD diz que há “regresso encapotado” de austeridade pela perda de rendimentos

Agência Lusa , BCE
11 abr, 10:32
Paulo Mota Pinto no 39.º Congresso Nacional do Partido Social Democrata (Estela Silva/Lusa)

“O Governo não se comprometeu, não assumiu que não haverá perda de rendimentos", disse o líder parlamentar do PSD, Paulo Mota Pinto, no final da reunião com o Governo acerca da sua proposta de Orçamento do Estado para 2022.

O PSD acusou esta segunda-feira o Governo de fazer um “regresso encapotado” da austeridade ao admitir que pode haver perda de rendimentos devido à inflação, e apontou uma revisão em baixa do cenário macroeconómico em relação ao Orçamento ‘chumbado’ em novembro.

O PSD foi o primeiro partido a reunir-se com o Governo para conhecer as linhas gerais da sua proposta de Orçamento do Estado para 2022.

“O Governo não se comprometeu, não assumiu que não haverá perda de rendimentos. O Governo tem o objetivo de evitar a contaminação [da inflação], uma espiral recessiva, compreendemos isso, embora haja um regresso encapotado de uma certa austeridade pela previsível perda de rendimentos, designadamente nos salários diretamente controlados pelo Estado”, afirmou o líder parlamentar do PSD, Paulo Mota Pinto, no final da reunião.

Relacionados

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados