opinião
Estudante de Doutoramento em Teologia na Universidade da Santa Cruz, Roma

4 ideias do Papa Francisco para o início do ano

7 set 2023, 11:46

O início do ano letivo pode ser um pesadelo ou uma oportunidade para começar de novo. Para os que optam pela segunda escolha, o Papa Francisco deixou, há um mês na Jornada Mundial da Juventude, alguns conselhos práticos.

  1. Sonha com um grande ano. O Papa chamou a Lisboa a cidade dos sonhos, e pediu: “não sejam administradores de medos, mas empreendedores de sonhos”. O início de um novo ano desafia a que se proponham metas altas na escola, na universidade, no trabalho: melhorar as notas, fazer voluntariado, aperfeiçoar o inglês, praticar desporto, levar mais a sério a vida cristã e a relação pessoal com Deus. É o momento de recortar tempo à preguiça. Com magnanimidade, magna anima, alma grande. Francisco recordou, na Universidade Católica, que é mais fácil desejar coisas grandes quando estamos perto de Jesus. “Se as sementes se preservassem a si mesmas, desperdiçariam completamente a sua força geradora e condenar-nos-iam à fome; se os invernos se preservassem a si mesmos, não existiria a maravilha da primavera” (1). O início de um novo ano é o momento de semear e de sonhar em grande.
     
  2. Um reset nas relações. Regressar às aulas, ao trabalho, às rotinas. Voltar a encontrar as mesmas pessoas, algumas que nos decepcionaram, outras novas, para as quais temos pouca paciência. O Papa, no Bairro de Serafina, recordou a receita da felicidade. “Se queremos ser verdadeiramente felizes, aprendamos a transformar tudo em amor, oferecendo aos outros o nosso trabalho e o nosso tempo, dizendo palavras edificantes e realizando boas ações, mesmo com um sorriso, com um abraço, com a escuta, com o olhar” (2). Um amigo que participou na JMJ disse-me que agora olha para o Parque Eduardo VII com olhos novos. Além de ser um bonito jardim no centro de Lisboa, ficará na memória como o lugar do encontro com o Papa. Tu e eu também somos chamados a olhar para a equipa de trabalho, os colegas de turma, aqueles com quem nos cruzamos todos os dias com um olhar renovado. Se pensares que Deus está perto, será mais fácil tratar bem os outros: fazer o esforço por dizer um “Olá, bom dia” a quem ignorávamos; responder àquele WhatsApp com um “Obrigado”, quando não era obrigatório; pedir desculpa depois de uma discussão desnecessária. O Papa diz que, onde estejamos, é importante que façamos equipa “nem que seja só para comer uma feijoada…”.
     
  3. Uma hora de trabalho é valiosa para Deus. O Papa recordou aos voluntários da JMJ que “quem ama não fica de braços cruzados. Quem ama serve, quem ama corre para servir, corre empenhado no serviço aos outros” (3). Francisco acredita que o trabalho é um serviço, um caminho a fazer lado a lado com Deus, e que um cristão está chamado a trabalhar bem, a ser exemplo para os outros. “Muitas vezes somos tentados a pensar que a santidade está reservada apenas àqueles que têm possibilidade de se afastar das ocupações comuns, para dedicar muito tempo à oração. Não é assim. Todos somos chamados a ser santos, vivendo com amor e oferecendo o próprio testemunho nas ocupações de cada dia, onde cada um se encontra. (...) Estás casado? Sê santo, amando e cuidando do teu marido ou da tua esposa, como Cristo fez com a Igreja. És um trabalhador? Sê santo, cumprindo com honestidade e competência o teu trabalho ao serviço dos irmãos” (4). O teu trabalho põe-te em relação com os outros, e cria a melhor oportunidade de contribuíres para o seu bem. As alegrias mais intensas da vida surgem quando fazemos os outros felizes. Como na cena do filme A festa de Babette, quando a generosa cozinheira recebe um abraço agradecido e este elogio: “Como deliciarás os anjos!”. Trabalhar bem faz-nos melhores, servimos os outros e agradamos aos anjos.
     
  4. Ler a Bíblia. O Campo da Graça, com a Ponte Vasco da Gama ao fundo, ouviu o Papa insistir na importância de aprender a escutar os outros, mas sobretudo Jesus. “Escuta o que te diz Jesus. «Mas eu não sei o que Ele me diz!» Pega no Evangelho e lê o que diz Jesus, o que Ele diz ao teu coração”. O Evangelho é uma bússola, porque, às vezes, andamos “por caminhos que até parecem ser de amor", e, "em última análise não passam de egoísmo mascarado de amor”. “Escuta-O, porque Jesus dir-te-á qual é o caminho do amor. Escuta-O”(5). Talvez nunca tenhas lido a Bíblia. Este ano tens uma grande oportunidade. Como? Lendo 3 minutos por dia, chegarás ao final do ano com todo o Novo Testamento lido e ouvirás o que Jesus tem para te dizer. Também podes ouvir o podcast 10 minutos com Jesus, com um comentário diário ao Evangelho. Ou o "Passo a rezar". Podes fazê-lo na rua, a caminho do trabalho ou nos meios de transporte. 

Estes são alguns conselhos do Papa para começar de novo. Para conseguirmos ser melhores. A página Queima-te do Instagram tem outros interessantes. Aceita o desafio do próximo passo. Com a ajuda das palavras do Papa, atreve-te a definir pontos concretos de melhora da tua vida para começar bem e ser melhor. Escreve-os na tua agenda e volta a eles todos os meses. Que tenhas um bom ano!

***

Notas:

(1) Discurso do Papa na Universidade Católica Portuguesa (lisboa2023.org)
(2) Discurso do Papa no Bairro Social de Serafina (lisboa2023.org)
(3) Discurso do Papa aos Voluntários (lisboa2023.org)
(4) Exortação Apostólica Gaudete et Exultate do Santo Padre Francisco, n. 15.
(5) Homilia do Papa Francisco na Missa de Envio (lisboa2023.org)

Colunistas

Mais Colunistas

Patrocinados