Saúde 24 com novo algoritmo "nas próximas horas" para permitir maior atendimento

Agência Lusa , BMA
28 dez 2021, 21:39
Ministra da Saúde, Marta Temido (ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA)
Ministra da Saúde, Marta Temido (ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA)

Garantia foi dada pela ministra da Saúde, devido à sobrecarga naquela linha de saúde

PUB

A Linha Saúde 24, que está em sobrecarga, terá “nas próximas horas” um algoritmo diferente que permitirá “uma maior fluidez do encaminhamento” das chamadas, disse esta terça-feira a ministra da Saúde.

“Os algoritmos de trabalho e de encaminhamento têm estado a ser revistos nos últimos dias, nas últimas horas, e acabaram de ser revistos pela Serviços Partilhados [do Ministério da Saúde] e pela Direção-Geral da Saúde e estimamos que nas próximas horas possamos estar com um algoritmo diferente na linha que permita uma maior fluidez do encaminhamento”, disse Marta Temido em declarações à agência Lusa no Ministério da Saúde.

PUB

No entanto, advertiu, com o número crescente de novos casos de covid-19, “as melhorias, provavelmente, vão sentir-se muito ligeiramente”.

“Sabendo que neste momento os níveis de serviço não são aqueles que prestávamos e a que a Linha Saúde 24 nos habituou, temos que ter a perceção de que neste momento estamos com largos milhares de contactos a acontecerem ao mesmo tempo e que isso gera sobrecarga”, salientou Marta Temido.

PUB
PUB
PUB

A ministra recordou que “já na semana passada, alguns dias antes do Natal”, a operadora da Linha Saúde 24 (808 24 24 24) começou a sentir “uma elevada pressão” na utilização do serviço por parte de pessoas que tiveram contacto com um caso covid-19 ou um caso suspeito e que procuram a linha para saber o que devem fazer.

Segundo Marta Temido, já nessa altura começou a ser feito o reforço da Linha Saúde 24, que já estava previsto para esta altura, mas que foi intensificado com “a contratação de mais pessoas para reforçar o número de operadores disponível, quer pelo alargamento dos perfis dos operadores que podem fazer atendimento e emitir a prescrição de testes”, bem como a abertura de novos locais de atendimento deslocalizados no país, nomeadamente em Beja e Coimbra.

Sobre o recrutamento de recursos humanos para a realização de inquéritos epidemiológicos, adiantou que as Administrações Regionais de Saúde estão no terreno a fazer uma “procura ativa de meios”.

“O que neste momento acontece é que temos vários níveis de procura de prestadores de cuidados de saúde, na vacinação, nos hospitais, nas áreas dedicadas a doentes respiratórios, nos testes, na Linha Saúde 24, nos rastreios e, portanto, os profissionais de saúde não cresceram exponencialmente à medida que está a crescer exponencialmente a necessidade dos serviços que prestam”, lamentou Marta Temido.

PUB
PUB
PUB

Por isso, salientou, “não basta ter disponibilidade para contratar é preciso também que essa disponibilidade se concretize em respostas efetivas e isso nem sempre é fácil”.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados