O ouro está a perder o seu brilho - desde março que não valia tão pouco

CNN , Análise de Krystal Hur
9 out 2023, 09:00
Barras de ouro puro de 1000 gramas produzidas pela empresa sul-coreana LS-Nikko são empilhadas numa sala de negociantes em Seul, a 9 de janeiro de 2009.
Kim Jae-Hwan/AFP/Getty Images/FILE

Um aumento do valor do dólar torna mais dispendioso para os investidores estrangeiros a compra de ouro, cujo preço é denominado em dólares

O ouro está a enfrentar uma forte concorrência este ano como o refúgio preferido dos investidores cautelosos.

O preço do ouro fixou-se em 1.831,80 dólares (1728 euros) por onça fina (troy) na quinta-feira, o valor mais baixo desde março. O preço do metal precioso desceu nos últimos meses, tendo acelerado nas últimas semanas devido a uma subida dos rendimentos das obrigações e do dólar.

Os investidores tendem a preferir as obrigações do Tesouro ao ouro quando os rendimentos são elevados, porque oferecem pagamentos regulares. Um aumento do valor do dólar torna mais dispendioso para os investidores estrangeiros a compra de ouro, cujo preço é denominado em dólares.

Os preços do ouro atingiram um nível quase recorde no início deste ano, quando o colapso de vários bancos regionais norte-americanos e a inflação rígida levaram os investidores a procurar refúgio na turbulência do mercado. Os investidores também apostaram que uma crise bancária levaria a Reserva Federal a abandonar a sua campanha de subida das taxas de juro, o que também poderia aumentar o apetite pelo ouro.

Desde então, o sector bancário estabilizou e o mercado de trabalho e a economia dos EUA mantiveram-se notavelmente resistentes, apesar do histórico ciclo de subida das taxas de juro da Reserva Federal, suscitando preocupações de que o banco central mantivesse as taxas mais elevadas durante mais tempo.

Depois, em setembro, a Fed indicou que provavelmente aumentaria as taxas mais uma vez este ano e que as manteria mais elevadas até 2024, fazendo com que os rendimentos do Tesouro dos EUA atingissem o seu nível mais elevado em mais de uma década e alimentando uma subida do dólar.

O ouro sofreu um golpe, tal como as ações das empresas mineiras de metais preciosos. As ações da Barrick Gold perderam 11% nos últimos três meses, as da Kinross Gold caíram 3% e a Northam Platinum caiu 22%.

O fundo de bolsa SPDR Gold Shares, um fundo popular que acompanha o desempenho do ouro físico, caiu 5% no mesmo período.

No entanto, nem todos estão a dizer adeus ao ouro.

O diretor financeiro da Costco, Richard Galanti, disse durante a apresentação de resultados da empresa, na semana passada, que o retalhista normalmente vende as suas barras de ouro de uma onça poucas horas depois de serem reabastecidas no website. (Sim, a Costco vende barras de ouro).

Matt Dmytryszyn, diretor de investimentos da Telemus, diz que espera que os preços do ouro sejam negociados entre 1.700 e 1.900 dólares nos próximos seis meses. A sua empresa tem uma pequena posição num fundo negociado em bolsa que possui barras de ouro físicas, e planeia mantê-la como uma proteção contra a incerteza das taxas.

"Há sempre o risco de acontecer algum acontecimento inesperado", disse.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Mais Lidas

Patrocinados