NOS Alive e a busca incessante pela sombra: "Temos água, temos protetor solar, temos tudo para correr bem"

6 jul, 21:59

Termómetros atingiram os 30 graus em Lisboa durante a tarde e à beira rio foram muitos os que procuraram a sombra para assistir aos concertos do festival

"Isto é sombra? Não queremos falar, só queremos sentar na sombra". A frase, proferida por uma de quatro amigas, podia ser o retrato do que se viveu na primeira tarde de regresso do NOS Alive ao Passeio Marítimo de Algés. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera já tinha avisado: as temperaturas vão subir bastante em Portugal Continental, podendo atingir os 40 graus, e é preciso ter cuidado. E foi isso que muitos dos festivaleiros fizeram ao chegar ao recinto.

Os termómetros marcavam 28 graus (e chegaram mesmo aos 30) quando as portas abriram, às 15:00. Quando as barreiras foram retiradas, foram poucas as pessoas que correram para serem as primeiras a chegar à frente de palco e as que o fizeram foram incentivadas pelos repórteres de imagem das televisões que ali estavam: tudo pela emoção do momento.

Na frente do Palco NOS Alive, um dos sete espalhados no Passeio Marítimo de Algés, as dezenas de pessoas que para ali se dirigiram sentam-se à sombra da estrutura para descansarem antes dos concertos arrancarem, daí por duas horas. Ao longe, ouve-se a música dos animadores de uma das marcas que estão presentes no recinto, mas a animação ainda é parca, muito por culpa da hora, muito por culpa do calor, muito porque as energias são para poupar até as bandas subirem ao palco. 

Inês e Rita são irmãs e vieram da Margem Sul para o primeiro dos três dias que conseguiram bilhete para o festival. Acabam de reforçar o protetor solar e, no bolso, Inês traz o panamá cor-de-laranja que foi distribuído no Rock In Rio este ano.

"Temos água, temos protetor solar, temos tudo para correr bem", dizem à CNN Portugal enquanto se dirigem para a frente do palco principal à procura de um lugar à sombra para ver Mallu Magalhães, a quem cabe a honra de abrir o palco principal.

Leia também: Primeiro dia de NOS Alive arranca com cancelamentos na agenda

Apesar de confessarem que ficaram "um bocadinho assustadas" quando viram que as temperaturas iam estar elevadas, Rita explica que têm circulado pelo recinto e onde encontram a sombra.

"Estão a distribuir protetor solar à entrada e já estamos todas barradas. Também andámos a circular e já estivemos no palco Heineken e no Clubbing porque está mais sombrinha."

Mas não são as únicas. Também Melanie e Gil, que vieram de Lisboa, estão na primeira fila, à sombra, no meio de outras dezenas de pessoas, enquanto esperam pelo início, assim como Lea e Noémie, duas amigas que vieram de Paris e Amesterdão, respetivamente, para conhecer a cidade e aproveitar o festival.

Sentadas à sombra, nas baias de um dos fossos das câmaras de televisão, as jovens contam que compraram o bilhete para ver The Strokes e Stomae. 

A tarde vai caindo e com ela o sol desce atrás do palco. Podia-se mesmo dizer que há uma linha que separa o público, sendo que essa linha é a sombra e a parte do recinto que está ao sol tem menos público. 

Quando o concerto de Jungle começa, às 19:30, o lado direito do palco tem gente até quase ao palco Clubbing, enquanto do outro lado a multidão só chegava até metade da frente de palco. A noite cai. As temperaturas descem um pouco. A multidão junta-se. Os concertos seguem.

O primeiro dia conta ainda com os concertos de The War on Drugs, The Strokes e Stromae no Palco NOS Alive.

Música

Mais Música

Patrocinados