Chefe da diplomacia chinesa diz que Pequim e Otava "não são rivais"

Agência Lusa , DCT
18 fev, 08:29
Wang Yi (Associated Press)

Embora os três tenham sido libertados, as tensões persistiram, com Pequim a criticar Otava por se alinhar com Washington e as autoridades canadianas a acusarem regularmente a China de interferência.

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês disse à homóloga canadiana que os dois países "não são rivais", criticando "informações falsas" sobre a alegada interferência chinesa.

"Os dois países não são rivais, muito menos inimigos. Devem tornar-se parceiros cooperantes", defendeu Wang Yi, de acordo com um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, divulgado este fim de semana.

"As dificuldades atuais" nas relações bilaterais "não são as que a China deseja", disse Wang a Mélanie Joly, à margem da Conferência de Segurança de Munique, no sábado.

As relações bilaterais têm estado tensas desde a detenção, em 2018, pelas autoridades canadianas, de uma responsável do grupo de telecomunicações chinês Huawei. Em retaliação, a China prendeu dois cidadãos canadianos.

Embora os três tenham sido libertados, as tensões persistiram, com Pequim a criticar Otava por se alinhar com Washington e as autoridades canadianas a acusarem regularmente a China de interferência.

As suspeitas de interferência estrangeira, nomeadamente por parte da China, da Rússia e da Índia, levaram o Governo canadiano a lançar um inquérito em todo o país, no ano passado, para esclarecer estas alegadas infiltrações.

Estas acusações de ingerência chinesa, alegadamente nas duas últimas eleições federais no Canadá, em 2019 e 2021, colocaram o Governo de Justin Trudeau sob pressão dos partidos da oposição.

"Esperamos que o Canadá pare de espalhar informações falsas sobre a alegada interferência da China nos assuntos internos do Canadá", disse Wang a Joly.

Os dois chefes da diplomacia também discutiram "questões críticas de segurança global, incluindo a invasão da Ucrânia pela Rússia e a crise no Médio Oriente", de acordo com um comunicado do Governo canadiano.

"Os dois ministros concordaram que as questões bilaterais devem continuar a ser discutidas de forma pragmática e construtiva, num espírito de respeito mútuo e com comunicação regular entre as duas partes", indicou, na mesma nota.

Wang Yi garantiu aos líderes políticos e militares presentes na Conferência de Segurança de Munique, no sábado, que a China é uma "força de estabilidade" no mundo.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados