Marcelo comunicou à GNR e PSP que defende regime equiparado ao da PJ

Agência Lusa , PF
19 jan, 15:56
Marcelo Rebelo de Sousa. Lusa

Esta informação consta de uma nota publicada no site oficial da Presidência da República na Internet, na qual se recorda a posição tomada por Marcelo Rebelo de Sousa em 29 de dezembro, ao promulgar o diploma do Governo que regula a atribuição de um suplemento de regime especial de prestação de trabalho na Polícia Judiciária

O Presidente da República comunicou às chefias da GNR e da PSP e à plataforma de dirigentes associativos e sindicais que defende para estas forças um regime compensatório equiparado ao da PJ.

Esta informação consta de uma nota publicada no site oficial da Presidência da República na Internet, na qual se recorda a posição tomada por Marcelo Rebelo de Sousa em 29 de dezembro, ao promulgar o diploma do Governo que regula a atribuição de um suplemento de regime especial de prestação de trabalho na Polícia Judiciária (PJ).

A nota divulgada esta sexta-feira tem como título: "Os profissionais da GNR e da PSP, e das outras polícias, devem ter regime compensatório equiparado ao da PJ".

Sobre a posição tomada pelo chefe de Estado em 29 de dezembro, ao promulgar o regime da PJ, recorda-se: "Nessa nota, na linha de posição de princípio, há anos expressa – nomeadamente aquando da revisão no estatuto das magistraturas –, o Presidente da República defendeu, para as outras forças de segurança, regime compensatório equiparável ao da PJ, bem como recomendou tal preocupação a Governo a sair das próximas eleições".

A Presidência da República acrescenta que "desta posição já foi dado conhecimento ao ministro da Administração Interna, ao comandante-geral da GNR e ao diretor nacional da PSP, bem como, hoje mesmo, ao representante da plataforma dos dirigentes associativos e sindicais". Isso aconteceu "antes, portanto, da concentração convocada para domingo, junto ao Palácio de Belém", assinala-se.

O chefe de Estado entende que, "tomada esta posição, muito clara e inequívoca", não deve agora "acrescentar qualquer outra declaração ou atitude pública, num tempo eleitoral, em que a matéria tem sido objeto de intervenções partidárias, e, em especial, após a dissolução da Assembleia da República, no passado dia 15 de janeiro".

Política

Mais Política

Patrocinados