Fazer uma dieta baixa em hidratos de carbono à base de carne emagrece? Este estudo diz que pode não ser bem assim

CNN , Sandee LaMotte
6 jan, 15:00
A carne vermelha e a carne processada têm sido associadas ao cancro, a doenças cardíacas, à diabetes e a outros problemas, o que coloca qualquer dieta baseada nesta carne na categoria "não saudável", segundo os especialistas (Grace Cary/Moment RF/Getty Images)

Se quer que a sua dieta pobre em hidratos de carbono o ajude a perder peso ou a mantê-lo, há que ter em conta a qualidade dos alimentos que ingere, de acordo com uma nova investigação que comparou cinco tipos de dietas baixas em hidratos de carbono.

Este estudo concluiu que as pessoas que seguiam uma dieta pobre em hidratos de carbono, pouco saudável e à base de carne, ganharam peso ao longo do tempo, em comparação com as que seguiam uma versão mais saudável e à base de plantas.

"Quando as pessoas consomem dietas que enfatizam os hidratos de carbono provenientes de cereais integrais, óleos vegetais não tropicais saudáveis e proteínas vegetais, têm mais hipóteses de manter afastado o excesso de peso", afirma o principal autor do estudo, Qi Sun, professor associado de nutrição e epidemiologia na Harvard T.H. Chan School of Public Health, em Boston.

O estudo comparou uma dieta geral com baixo teor de hidratos de carbono com uma dieta que utilizava principalmente proteínas e gorduras animais; uma segunda dieta que se concentrava em proteínas e gorduras de origem vegetal; uma dieta saudável com baixo teor de hidratos de carbono que se concentrava em comer menos hidratos de carbono refinados, mais proteínas vegetais e gorduras saudáveis, como o azeite; e, finalmente, um plano de refeições não saudável definido como um que incluía gorduras não saudáveis, mais proteínas animais e grãos refinados.

"Até onde sei, examinar os efeitos na perda de peso duradoura de diferentes variantes de baixo teor de carboidratos é uma novidade ", revela David Katz, especialista em medicina preventiva e de estilo de vida que fundou a True Health Initiative, uma coligação global sem fins lucrativos com especialistas dedicados à medicina de estilo de vida baseada em evidências.

Todas as dietas reduziram os hidratos de carbono para cerca de 38% a 40% da ingestão diária de calorias. No entanto, as pessoas que seguiram uma dieta pobre em hidratos de carbono, repleta de proteínas e gorduras animais, ganharam peso a longo prazo, em comparação com as pessoas que se concentraram num maior consumo de fruta, cereais integrais e vegetais sem amido e num menor consumo de laticínios, carne vermelha e processada, bebidas açucaradas, doces e sobremesas.

As pessoas que adotaram dietas pobres em hidratos de carbono não saudáveis como estratégia principal ganharam, em média, cerca de 2,3 quilos ao longo de quatro anos", refere Binkai Liu, um assistente de investigação no departamento de nutrição da Harvard T.H. Chan School of Public Health, e que também participou no estudo.

"Aqueles que adotaram dietas saudáveis com baixo teor de hidratos de carbono como estratégia primária perderam, em média, cerca de 2,2 quilos, para uma diferença média e líquida entre 900 gramas e 4,5 quilos", acrescenta.

A carne vermelha e a carne processada têm sido associadas ao cancro, a doenças cardíacas, à diabetes e a outros problemas, o que coloca qualquer dieta baseada nesta carne na categoria "não saudável", segundo os especialistas (Grace Cary/Moment RF/Getty Images)

Estudos de grande dimensão e qualidade

O estudo, publicado na quarta-feira na revista JAMA Network Open, examinou dados de mais de 67 mil pessoas que participaram noutros três estudos longitudinais bem estabelecidos: o Nurses' Health Study realizado entre 1986 e 2010, o Nurses' Health Study II, realizado entre 1991 e 2015, e o Health Professionals Follow-up Study, realizado entre 1986 e 2018.

"Estes são, naturalmente, estudos de observação que não foram concebidos para estabelecer causa e efeito; em vez disso, revelam associações", diz Katz. "No entanto, quando as associações observadas são potentes, responsivas à dose, difíceis de explicar e ligadas a mecanismos plausíveis - causa e efeito podem às vezes ser inferidas."

Todos os participantes nos três estudos eram saudáveis, tinham menos de 65 anos e não apresentavam doenças crónicas pré-existentes. A perda ou ganho de peso foi registada pelo próprio em intervalos de quatro anos.

As dietas com baixo teor de carboidratos que enfatizavam "macronutrientes de alta qualidade de alimentos saudáveis à base de plantas" estavam associadas a menos ganho de peso, observou o estudo, enquanto as dietas com baixo teor de carboidratos que "enfatizavam proteínas e gorduras de origem animal ou carboidratos refinados estavam associadas a mais ganho de peso". As associações foram mais evidentes nas pessoas mais jovens, mais pesadas e menos ativas, segundo o estudo.

O resultado final foi que, durante um período de quatro anos, a simples adoção de uma dieta "pobre em hidratos de carbono" em geral não foi associada a uma perda de peso duradoura entre as pessoas que tentavam perder peso, ao passo que a adoção de uma dieta pobre em hidratos de carbono à base de plantas e/ou de alta qualidade foi associada a uma perda de peso duradoura", acrescentou Katz, numa resposta por email.

Embora o estudo se tenha centrado numa alimentação pobre em hidratos de carbono, a importância da qualidade dos alimentos é fundamental em qualquer dieta, garante Sun, que é também diretor do Laboratório de Biomarcadores Nutricionais da Harvard T.H. Chan School of Public Health.

"É sempre aconselhável escolher uma dieta [que] enfatize frutas frescas e vegetais sem amido, grãos integrais, nozes, legumes, azeite e outros óleos vegetais, café, chá ou apenas água, vinho tinto de forma regrada, se beber, baixo teor de sódio e outros ingredientes saudáveis ", conclui Sun.

Inscreva-se na série de boletins informativos Fitness, But Better da CNN. O nosso guia em sete partes ajudá-lo-á a iniciar uma rotina saudável, apoiada por especialistas

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados