Os russos estão cada vez mais críticos - à medida que a "operação militar de Putin" se arrasta e as sanções têm impacto

CNN , Frederik Pleitgen, Claudia Otto e Ana Archen
25 nov 2022, 22:00
O edifício do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo é visto atrás de um painel publicitário que mostra a letra “Z”, uma insígnia tática das tropas russas na Ucrânia, e onde se pode ler “A vitória está a ser forjada em fogo”, no centro de Moscovo, a 13 de outubro de 2022. Créditos: Alexander Nemenov/AFP/Getty Images

Os meses de novembro e dezembro são conhecidos como os mais deprimentes em Moscovo. Os dias são curtos e escuros, e o tempo é demasiado frio e húmido para estar ao ar livre, mas ainda demasiado quente e chuvoso para desfrutar do verdadeiro inverno russo.

Este ano, o sentimento de melancolia é aumentado pela visão de lojas fechadas em muitas das ruas da capital, à medida que as empresas enfrentam a queda económica das enormes sanções ocidentais em resposta à guerra na Ucrânia, que os oficiais russos ainda chamam de “operação militar especial”.

“O ambiente em Moscovo e no país é agora extremamente sombrio, calmo, intimidado e sem esperança”, disse Lisa, de 34 anos, que se recusou a dar o seu apelido e disse que era produtora cinematográfica. “O horizonte de planeamento nunca esteve tão baixo. As pessoas não fazem ideia do que poderá acontecer amanhã ou dentro de um ano”.

Enquanto as prateleiras na maioria das lojas permanecem bem abastecidas, os produtos ocidentais estão a tornar-se cada vez mais escassos e muito caros, conduzindo ainda mais a preços que já estão a prejudicar muitos lares russos.

“Os bens familiares desaparecem, começando pelo papel higiénico e pela Coca-Cola, acabando na roupa”, disse Lisa.

“Claro que nos podemos habituar a tudo isto, isto não é o pior de tudo”, disse ela. Mas ela também criticou os governos e empresas ocidentais que abandonaram o mercado russo em resposta à invasão da Ucrânia. “Não sei realmente como é que isto ajuda a resolver o conflito, porque afeta as pessoas comuns, não as que tomam decisões”, disse Lisa.

Uma mulher a empurrar o seu carrinho de compras olha para a montra de uma loja vazia num centro comercial, a 18 de novembro de 2022, em Moscovo, Rússia. Créditos: Getty Images

Alguns economistas acreditam que a Rússia enfrentará dificuldades económicas emergentes e uma população que se tornará cada vez mais crítica em relação à “operação militar especial”, no meio de derrotas crescentes, como se viu na cidade de Kherson, no sul da Ucrânia, onde uma determinada ofensiva ucraniana forçou uma retirada russa.

Sergey Javoronkov, investigador sénior do Gaidar Institute for Economic Policy, diz que o ambiente já está mais crítico do que era, graças “tanto ao preço económico como à insatisfação com a tarefa não resolvida”, ao contrário das expectativas criadas pelo Kremlin.

“Era suposto vencermos. Os oficiais prometeram capturar Kiev em três dias, mas, como vemos, acabou por ser uma parvoíce”, disse ele à CNN.

“No seu discurso de 24 de fevereiro, Vladimir Putin (presidente russo) declarou que as operações militares seriam conduzidas apenas por tropas profissionais. Mas, em setembro, foi declarada uma mobilização parcial, também uma medida impopular: aqueles que não querem lutar estão a ser recrutados.

“É um efeito conhecido: uma guerra curta e vitoriosa pode provocar entusiasmo, mas se a guerra durar infinitamente e não levar ao resultado desejado, então vem a desilusão”.

Uma gerente de relações públicas de 30 anos, que deu o seu nome apenas como Irina, discorda, dizendo que acredita que a situação está a estabilizar após um êxodo inicial de russos que fogem não só das sanções ocidentais, mas também de um possível recrutamento, após o anúncio de Putin de 21 de setembro, de uma mobilização parcial a nível nacional.

O Kremlin diz que mais de 300 000 russos foram recrutados para as forças armadas entre finais de setembro e princípios de novembro, enquanto centenas de milhares de homens russos, na sua maioria jovens, fugiram do país, frequentemente para lugares como o Cazaquistão ou a Geórgia.

“A primeira onda de pânico já passou, todos se acalmaram um pouco. Muitos partiram, mas muitos permanecem. Estou satisfeita com as pessoas que ficam e apoiam a Rússia”, disse Irina à CNN.

Ao mesmo tempo, sublinhou que se opõe à guerra na Ucrânia, pois começa a aperceber-se, tal como muitos russos, que os combates podem prolongar-se durante muito tempo. Este é especialmente o caso desde que as forças ucranianas conseguiram recuperar a grande cidade de Kherson dos militares russos, uma área que a Rússia tinha anexado em setembro e que Putin tinha dito que continuaria a fazer parte da Rússia “para sempre”.

“Tenho uma atitude negativa. Acredito que qualquer agressão ou guerra são más. E dizer que, se não os atacássemos, eles nos atacariam, é obviamente absurdo”, disse Irina, referindo-se à repetida afirmação de Putin, de que a Rússia está a agir em autodefesa na sua invasão da Ucrânia.

Visar infraestruturas ucranianas

O conhecido blogger russo, Dmitry Puchkov, que dá pelo nome de “Goblin” e apoia a operação militar do seu país na Ucrânia, reconhece que as recentes derrotas no campo de batalha abalaram a confiança de muitas pessoas.

“Do ponto de vista da sociedade civil, não é bom para as nossas tropas abandonar os territórios que se tornaram parte da Federação Russa. Mas pensamos que é um movimento tático e que não vai durar muito”, escreveu, respondendo a perguntas escritas da CNN online. Puchkov diz acreditar que a Rússia irá ripostar ferozmente e forçar a Ucrânia a um cessar-fogo.

Os cidadãos russos recrutados durante a mobilização parcial são vistos a ser enviados para combater áreas de coordenação, após uma convocação militar para a guerra Rússia-Ucrânia, em Moscovo, Rússia, a 10 de outubro de 2022. Créditos: Anadolu Agency/Getty Images

“A moral dos militares russos é muito elevada”, escreveu Puchkov, ao explicar como pensa que a vitória será alcançada. “As decisões estratégicas necessárias são bem conhecidas: antes de mais, é a destruição das infraestruturas ucranianas. Os sistemas de eletricidade, água quente e aquecimento têm de ser destruídos”, disse ele.

O Kremlin parece estar a seguir essa estratégia. As forças russas têm visado repetidamente a infraestrutura energética na Ucrânia nas últimas semanas, deixando mais de sete milhões de pessoas sem energia, após uma onda de ataques há uma semana, segundo autoridades ucranianas.

No entanto, os ucranianos continuam resolutos face aos ataques de mísseis russos e as esperanças para qualquer tipo de fim negociado da guerra permanecem distantes, mesmo apesar de o principal general americano insistir na diplomacia. O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, apelou no domingo a um maior apoio à Ucrânia, dizendo aos aliados da NATO: “temos de estar preparados para apoiar a Ucrânia a longo prazo”.

Tecnologia ocidental em falta

Ao ser questionado sobre como é o ambiente na comunidade empresarial russa, dadas as perspetivas de um conflito prolongado, Javoronkov utilizou uma única palavra: “pessimista”!

“Os peritos económicos compreendem que não se espera nada para a economia, se as ações militares continuarem”, disse Javoronkov. A economia da Rússia está agora oficialmente em recessão, algo que ele acredita que só irá piorar.

As empresas industriais do país enfrentam grandes problemas para substituir a tecnologia ocidental, levando a empresa automóvel AvtoVAZ, fabricante da marca de veículos Lada, a, primeiro, interromper a produção no início deste ano e, depois, passar a produzir alguns veículos sem características eletrónicas básicas, como airbags e sistemas de travagem antibloqueio.

Um tanque ucraniano é visto, à medida que as forças armadas ucranianas continuam a disputar a linha da frente na região de Kherson, na Ucrânia, a 9 de novembro de 2022. Créditos: Metin Aktas/Anadolu Agency/Getty Images

Os problemas abrangem tudo, desde a indústria aeronáutica à eletrónica de consumo, levando o ex-presidente russo, Dmitry Medvedev, a apelar a uma nacionalização de recursos estrangeiros.

Yevgeny Popov, um conhecido jornalista e membro do parlamento russo, atacou a ideia de Medvedev, num raro momento de crítica aberta.

“O que vamos conduzir? Não temos nada para conduzir. Vamos conduzir vagões?”, gritou Popov a um antigo general russo, que apoiava a ideia da nacionalização no programa de televisão estatal “60 Minutos”.

“Vamos nacionalizar tudo, mas o que vamos conduzir? Como vamos fazer chamadas telefónicas? O que vamos fazer? Sim, toda a nossa tecnologia é ocidental”, disse Popov.

O Kremlin tem promovido a ideia de substituir bens ocidentais por produtos e tecnologias de países aliados, como a China ou o Irão, mas também de aumentar a produção da própria Rússia.

O edifício do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo é visto atrás de um painel publicitário que mostra a letra “Z”, uma insígnia tática das tropas russas na Ucrânia, e onde se pode ler “A vitória está a ser forjada em fogo”, no centro de Moscovo, a 13 de outubro de 2022. Créditos: Alexander Nemenov/AFP/Getty Images

Na segunda-feira, Putin abriu, via videolink, uma quinta de criação de perus na região de Tyumen. A mudança foi aclamada como um sinal da crescente independência económica russa pelo porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, que a qualificou como “um acontecimento significativo na agenda do presidente relacionado com o desenvolvimento da criação doméstica e seleção do sector da carne e das aves domésticas da indústria agrícola. Um sector crucial que está diretamente ligado à segurança alimentar da Rússia”.

Mas o isolamento crescente da Rússia do mundo não é necessariamente bem-vindo por todos os seus cidadãos. A produtora cinematográfica, Lisa, disse que preferia que o seu país acabasse com a guerra e renovasse os laços com países estrangeiros do que ficar sozinho.

“Espero que tudo isto acabe porque não há nada mais valioso do que vidas humanas”, disse ela.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados