A estrada até Avdiivka está cheia de cadáveres ucranianos

CNN , Tim Lister, Maria Kostenko e Victoria Butenko
20 fev, 09:00
Bandeira russa hasteada em Avdiivka (Telegram)

Avdiivka esteve na linha da frente da guerra entre Kiev e Moscovo durante quase uma década. Os combates foram ferozes durante meses após a invasão total da Ucrânia pela Rússia, há quase dois anos.

A retirada foi muito menos prolongada. Quando os militares ucranianos abandonaram a cidade no sábado, dando à Rússia a sua mais importante vitória em meses, a retirada foi rápida e implacável.

"Deixem os 300 (feridos)", terá ordenado um soldado, "e queimem tudo".

Horas depois de as tropas russas terem hasteado as bandeiras sobre Avdiivka, surgiu uma história horrível de vários soldados feridos que não conseguiram escapar - e que foram mais tarde mortos quando as tropas russas chegaram à sua posição.

Os militares ucranianos que se encontravam no local faziam parte da 110ª Brigada Mecanizada Separada, ocupando uma posição conhecida como Zenit. Quando as forças russas avançaram por Avdiivka, na semana passada, Zenit foi alvo de um forte ataque.

Os soldados ali estacionados fizeram tentativas desesperadas de escapar das ruínas da cidade, segundo Viktor Biliak, um dos militares presentes. Numa longa e muitas vezes sombria publicação no Instagram, Biliak descreveu o perigoso percurso que tinha pela frente.

"Não havia visibilidade nenhuma lá fora. Tratava-se apenas de sobreviver. Um quilómetro através do campo. Um bando de gatinhos cegos guiados por um drone. Artilharia inimiga. A estrada para Avdiivka está cheia de cadáveres de ucranianos", escreveu.

Por fim, um comandante informou-o pelo rádio que os feridos não seriam retirados. Seis homens foram deixados para trás. As mensagens que eles deixaram eram difíceis de ler, disse Biliak.

"O seu desespero, a sua desgraça. Isso ficará para sempre connosco. Os mais corajosos são os que morrem", acrescentou.

Os soldados deixados para trás

Avdiivka tem estado na linha da frente desde que os separatistas pró-Moscovo tomaram grande parte da região do Donbass, incluindo a cidade vizinha de Donetsk, em 2014. Anos de combates transformaram a cidade numa fortaleza, com entrincheiramentos construídos ao longo dos últimos oito anos.

Mas com o exército ucraniano sob pressão em vários pontos da linha da frente e a enfrentar escassez de munições e de efetivos, os militares russos podem ter sentido uma janela de oportunidade. A Rússia bombardeou a zona com ataques aéreos e artilharia antes de intensificar o ataque terrestre.

No fim de semana, as forças ucranianas tomaram a decisão de abandonar a cidade, dando à Rússia a vitória mais significativa desde que conquistou a cidade de Bakhmut no ano passado.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, afirmou que a decisão de recuar foi tomada para "salvar a vida dos nossos soldados".

Entre os encurralados e cercados encontrava-se um sargento júnior de 30 anos e médico de combate da região de Dnipropetrovsk chamado Ivan Zhytnyk, com o indicativo de chamada "Django". Estava a combater em Avdiivka há quase dois anos, tal como a 110ª Brigada.

Estava gravemente ferido e não se conseguia mexer.

Na quinta-feira, conseguiu contactar a sua irmã Kateryna e outros membros da família através de uma videochamada emocionante, uma chamada que, desde então, tem sido amplamente divulgada nos meios de comunicação social ucranianos e nas redes sociais.

Kateryna pergunta ao irmão: "Então, o quê, eles... não vem ninguém? Os teus amigos também estão lá (contigo), ou estás sozinho?".

Zhytnyk responde: "Toda a gente se foi embora, toda a gente se retirou. Disseram-nos que um carro nos viria buscar. Tenho duas pernas partidas e estilhaços nas costas. Não posso fazer nada..."

Disse que havia meia dúzia de soldados na posição Zenit, quatro dos quais, tal como Zhytnyk, não conseguiam andar.

Kateryna responde: "Não sei como... a quem telefonar", diz enquanto chora. "Não consigo perceber. Quem é que te vai buscar?"

Ninguém o fez.

Os jornalistas ucranianos que colaboram com a Slidstvo.info falaram mais tarde com os familiares de três dos ucranianos que ficaram feridos na posição.

Kateryna disse ao Slidstvo.info  que "estavam à espera do veículo (de evacuação) há um dia e meio. E quando se aperceberam que ninguém os vinha buscar, começaram a telefonar a toda a gente. Quando o Ivan me telefonou, estava com muitas dores, tinham-lhe dado tudo o que lhes restava, mas estavam a ficar sem medicamentos e sem comida".

Mais tarde, na quinta-feira, outro familiar contactou Zhytnyk através de uma ligação vídeo, segundo Kateryna.

"O meu irmão disse que o comando tinha concordado que os russos os eliminariam porque os nossos homens não conseguiriam chegar até eles", disse Kateryna. Enquanto falavam, o vídeo mostrava as tropas russas a entrar na posição onde os homens estavam encurralados.

Outro dos soldados presos em Zenit era Andrii Dubnytskyi. A sua mulher Liudmyla disse ao Slidstvo.info: "Falámos às 10 da manhã (de quinta-feira). Ele foi ferido na virilha, estava a cambalear, a tentar brincar, começou a chorar. Depois enviámos mensagens de texto...".

"A última mensagem foi às 12:00, a dizer que ele seria capturado", disse a mulher.

Dados de 7 de fevereiro de 2024 às 15h00 ET

Observações: "Reclamado" significa que o Instituto para o Estudo da Guerra recebeu informações fiáveis e verificáveis de forma independente que demonstram o controlo ou os avanços russos nessas áreas. Os avanços russos são áreas onde as forças russas operaram ou lançaram ataques, mas não as controlam. As áreas "reivindicadas" são aquelas em que as fontes afirmaram estar a ocorrer controlo ou contraofensivas, mas o ISW não pode corroborar nem demonstrar que são falsas.
Fontes: Instituto para o Estudo da Guerra com o Projeto de Ameaças Críticas da AEI; LandScan HD para a Ucrânia, Laboratório Nacional de Oak Ridge
Gráficos: Lou Robinson e Renée Rigdon, CNN

 

Mãe, eu sou um guerreiro

Na sexta-feira, um blogger militar russo publicou um vídeo que mostrava os corpos de vários soldados. O vídeo tinha o emblema da 1ª Brigada Eslava do Exército russo, que tinha entrado na zona de Zenit, a sul de Avdiivka, dois dias antes, de acordo com vários relatos.

O texto do vídeo diz que foi filmado na sexta-feira em Avdiivka, nas "instalações de uma unidade militar". Refere-se às tropas ucranianas como nazis e diz que "só a morte vos espera na nossa terra".

Kateryna reconheceu o corpo do irmão pelas suas roupas e pela garrafa de água que segurava quando os russos os levaram da posição Zenit.

Biliak, o soldado que publicou a sua conta no Instagram, reconheceu Andrii Dubnytskyi porque este tinha uma tatuagem em forma de cruz no braço.

Também a mulher de Dubnytskyi, Liudmyla, encontrou o vídeo a altas horas da noite. "Às 22:30 encontrei este vídeo e reconheci-o pela sua tatuagem", disse.

"Ele foi convocado em 8 de março de 2022 e, desde então, estava sempre em Avdiivka ... a minha filha tinha 4 meses quando ele foi mobilizado", explicou ao Slidstvo.info.

A mãe de outro dos soldados fez a mesma descoberta horrível.

Heorhii Pavlov, com o indicativo de chamada "Panda", era um soldado contratado desde 2015 e tinha servido na posição Zenit durante o último ano, de acordo com a sua mãe, Inna.

"Esperaram durante três dias por um carro (de evacuação)", disse.

"No dia 14, ele foi ferido, tinha ferimentos de estilhaços, nas costas... Implorei-lhe muito, filho, rende-te, preciso de ti vivo - ele tem um filho pequeno, de cinco anos."

"Ele disse: Mãe, eu sou um guerreiro", contou Inna ao Slidstvo.info.

"Gostaria de acreditar que eles estão vivos. A única coisa que eu quero agora é encontrar o meu filho", continuou.

Poucas horas depois, reconheceu o corpo do seu filho no mesmo vídeo russo.

A 110ª Brigada disse à CNN que não podia verificar quaisquer detalhes do incidente e que estava a tentar verificar o que tinha acontecido.

Um conhecido blogger militar ucraniano, Yurii Butusov, publicou entretanto os nomes dos seis soldados que foram deixados para trás na posição Zenit.

"Estes feridos não conseguiam deslocar-se sozinhos e não havia veículos de evacuação disponíveis para os transportar. Devido ao cerco completo de Zenit, nenhum veículo podia passar para a evacuação", disse Butusov.

Não se sabe como os soldados morreram, mas Butusov alegou que os militares russos "executaram os feridos indefesos e desarmados, que foram capturados e incapazes de se mover".

A Procuradoria-Geral da Ucrânia declarou que foi aberto um inquérito sobre a "violação das leis e costumes da guerra, combinada com homicídio premeditado" no caso dos soldados feridos.

Numa declaração publicada na segunda-feira, a 110ª Brigada Mecanizada Separada disse que tentou negociar com as forças russas a evacuação das tropas feridas da posição de Zenit, depois de esta ter sido completamente cercada.

"Eles [concordaram] em retirar os nossos feridos e prestar-lhes assistência, e posteriormente trocá-los (por outros prisioneiros de guerra). Os nossos soldados receberam ordens para salvar as suas vidas", lê-se na declaração.

A brigada soube mais tarde que os seus soldados tinham sido mortos através do vídeo divulgado pelas forças russas.

"A guerra é cruel e nós estamos a lutar pela liberdade a um preço elevado", afirmou.

A CNN está a contactar o Ministério da Defesa da Rússia para comentar as alegações contra as forças russas em Avdiivka.

Europa

Mais Europa

Patrocinados