Doping na W52-FC Porto: Nuno Ribeiro afastado de funções no ciclismo e sujeito a apresentações semanais

Agência Lusa , NM
26 abr, 00:09

Diretor-desportivo fica ainda proibido de contactar os envolvidos no processo ‘Prova Limpa’

O diretor-desportivo da W52-FC Porto, Nuno Ribeiro, está impedido de manter funções na equipa de ciclismo, sujeito a apresentações semanais às autoridades e impedido de contactar os envolvidos no processo ‘Prova Limpa’, disse este domingo à Lusa fonte judicial.

Também José Rodrigues, diretor-desportivo da equipa sub-23 Fortunna-Maia e adjunto de Nuno Ribeiro na formação ‘azul e branca’, ficou sujeito às mesmas medidas de coação.

Os dois arguidos foram este domingo presentes a primeiro interrogatório judicial, após o qual um juiz de instrução criminal determinou as medidas de coação, nomeadamente a apresentação semanal na esquadra policial da área de residência, a proibição de contactarem mutuamente ou outros envolvidos no processo, ficando ainda impedidos de exercer as funções que tinham antes de serem detidos.

O antigo ciclista Nuno Ribeiro, vencedor da Volta a Portugal em 2003 e desapossado do triunfo de 2009 por doping, foram detidos no domingo, no âmbito da operação de Polícia Judiciária (PJ) designada ‘Prova Limpa’, para a deteção de métodos proibidos e substâncias ilícitas em provas de ciclismo.

Após as diligências, a PJ informou em comunicado que "foram efetuadas duas detenções e realizadas várias dezenas de buscas domiciliárias e não domiciliárias em diversas regiões do território nacional, visando dirigentes, atletas e instalações de uma das equipas em competição", tendo sido "apreendidas diversas substâncias e instrumentos clínicos, usados no treino dos atletas e com impacto no seu rendimento desportivo".

Nesse mesmo dia, a W52-FC Porto falhou a partida para a terceira etapa do Grande Prémio O Jogo.

"A operação policial, envolvendo um total de cerca de 120 elementos provenientes da Diretoria do Norte e ainda das Diretorias do Centro e do Sul, da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e dos Departamentos de Investigação Criminal de Braga, Guarda e Vila Real e Guarda, contou ainda com a colaboração da Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP)", detalhou a PJ.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados