Cidadão alemão constituído arguido pelo MP pelo desaparecimento de Maddie McCann

CNN Portugal , BCE
21 abr, 20:48

A investigação tem-se desenvolvido com cooperação das autoridades inglesas e alemãs, refere o MP

O cidadão alemão Christian Brückner foi esta quinta-feira constituído arguido pela comarca de Faro do Ministério Público pelo caso do desaparecimento de Maddie McCann.

"No âmbito do inquérito onde se investigam as circunstâncias que rodearam o desaparecimento, em 2007, de Madeleine McCann foi constituído um arguido", pode ler-se na nota divulgada pelo Ministério Público.

Na nota, o MP refere que o "arguido foi constituído pelas autoridades alemãs em execução de um pedido de cooperação judiciária internacional emitido pelo Ministério Público de Portugal".

A investigação do desaparecimento de Madeleine Mccann, em maio de 2007, quando a família e os amigos passavam férias num apartamento na Praia da Luz, no Algarve, tem contado com a cooperação das autoridades inglesas e alemãs, refere o Ministério Público.

Christian Brückner, que está a cumprir atualmente uma pena de prisão relacionada com tráfico de drogas, tem vindo a ser apontado como o principal suspeito pelo desaparecimento de Maddie McCann. 

O alemão, de 44 anos, enfrenta também uma acusação de violação de uma jovem alemã, de 20 anos, crime que terá ocorrido também no Algarve, em 2004, três anos antes do desaparecimento de Maddie, na altura com três anos de idade.

Em junho de 2020, a procuradoria de Braunschweig (no centro do país) abriu um processo contra Brückner, de 44 anos, com base em "provas materiais" pelo sequestro e assassínio de Madeleine McCann.

Maddie desapareceu do apartamento turístico que a sua família alugou na Praia da Luz, no Algarve, na noite de 3 de maio de 2007, quando tinha 03 anos, retirada do quarto onde dormia com mais dois irmãos.

O desaparecimento da menina fez correr muita tinta em Portugal e no mundo e entre os vários suspeitos apontados chegaram a constar os próprios pais.

Até hoje é desconhecido o que aconteceu à menina britânica, num caso que levou a um processo por parte dos pais contra o inspetor da Polícia Judiciária que conduziu a investigação e que escreveu um livro polémico em que os progenitores apareciam como principais suspeitos.

Anos mais tarde, um procurador alemão afirma ter recolhido provas da alegada participação de Brücker no desaparecimento da criança, chegando mesmo a ter sido anunciado que uma análise ao seu telemóvel o dava na altura nas proximidades do aldeamento turístico de onde Maddie desapareceu.

Christian Brücker deverá ser julgado este ano pela violação de uma mulher de 20 anos cometida em Portugal, segundo noticiou em dezembro o semanário Spiegel.

Segundo a mesma fonte, a Procuradoria de Braunschweig everá acusar o suspeito, Christian Brücker, da violação de uma alemã de 20 anos ocorrida em Portugal em 2004, três anos antes do desaparecimento da criança inglesa Madeleine McCann.

O Spiegel acrescentou que o caso da jovem alemã de 20 apresenta semelhanças com a violação, em 2005, de uma cidadã norte-americana de 72 anos na Praia da Luz, no Algarve, crime pelo qual Christian Brücker já foi condenado a sete anos de prisão na Alemanha.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados