Aquecimento "anómalo" vai trazer mais furacões para o Atlântico

Agência Lusa , AG
6 jul 2023, 22:21
Furacão Fiona  (EPA/Orlando Barria)

Fenómeno El Niño pode amenizar a situação, mas aumento da temperatura da água não vai ajudar

A temporada de furacões no Atlântico poderia aumentar para 18 tempestades tropicais com nome e nove furacões, dos quais quatro de categoria maior, devido ao “calor anómalo extremo” que se regista na superfície marinha.

O cenário foi avançado esta quinta-feira pela Universidade Estadual do Colorado (CSU) e corresponde a uma atualização.

O Departamento de Ciências Atmosféricas da CSU antecipava em abril passado uma temporada ciclónica “ligeiramente abaixo da média”, com um total de 13 tempestades tropicais e seis furacões, dois dos quais de categoria maior, correspondentes aos níveis três, quatro ou cinco da escala de Saffir-Simpson.

Em teoria, a atividade na bacia atlântica vai ser influenciada este ano pelo aparecimento do fenómeno meteorológico designado El Niño (O Menino), que deveria amenizar as condições que originam a formação dos furacões no Atlântico.

Mas, na sua atualização, os cientistas da CSU vaticinam uma atividade acima da média, por causa do aumento da temperatura da água, que ajuda a que as ondas tropicais se transformem em tempestades e furacões.

“Atualmente, existem anomalias na temperatura da superfície do mar (...), com recordes de calor no Atlântico tropical e subtropical”, assinalou nas redes sociais Philip Klotzbach, responsável pelo Departamento de Ciências Atmosféricas da CSU.

Os meteorologistas advertem que “há mais incerteza do que o normal com este prognóstico devido aos sinais contraditórios presentes: as águas do Atlântico muito mais quentes do que o normal e o El Niño forte”.

O fenómeno El Niño aumenta os ventos verticais cortantes nas Caraíbas e no Atlântico tropical, o que pode enfraquecer a formação das tempestades; mas “o calor anómalo extremo no Atlântico pode contrariar parte daqueles ventos verticais cortantes típicos provocados” por este fenómeno, apontou a CSU, em comunicado.

O prognóstico atualizado supõe um aumento sensível das 15 tempestades com nome e dos sete furacões e três considerados maiores, prognosticados pela CSU em 1 de julho último.

A informação inclui uma tempestade subtropical sem nome formada em janeiro e as tempestades tropicais Arlene, Bret e Cindy registadas em junho.

As médias da temporada de furacões, que acaba em 30 de novembro, são 14 com nome, sete furacões e três furacões maiores.

Os cientistas da CSU estimam que a probabilidade de um furacão maior chegue a terra nos EUA é superior à média de longo prazo.

O prognóstico vai ser atualizado em 3 de agosto.

A temperatura global média da superfície do planeta atingiu na terça-feira um máximo histórico de 17,18 graus Celsius, segundo os cálculos do projeto Climate Reanalyzer da Universidade de Maine, dos EUA.

Os cientistas têm previsto que 2023 vá ser um anos dos mais quentes de sempre.

Relacionados

Clima

Mais Clima

Patrocinados