“Já não podemos dar a democracia como certa”. Biden apela aos norte-americanos que se oponham à “violência política e à intimidação”

Agência Lusa , NM
3 nov, 00:55
Joe Biden (AP Photos)

Presidente norte-americano acredita que tem existido um "aumento alarmante no número de pessoas neste país que toleram a violência política ou simplesmente permanecem em silêncio”

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, exortou os americanos a mostrarem oposição à “violência política e à intimidação de eleitores”, a poucos dias das eleições intercalares.

“Já não podemos dar a democracia como certa”, alertou ao democrata, na quarta-feira, num discurso com um tom mais sombrio do que tem sido habitual e numa altura em que as autoridades temem atos de violência, devido às eleições intermédias de 08 de novembro.

Joe Biden defendeu que a democracia está sob ameaça do ex-Presidente Donald Trump e das suas mentiras da violência que elas inspiram.

Apontando em particular para o ataque ao marido da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, Biden disse que as falsas alegações de Trump sobre uma eleição roubada “alimentaram o perigoso aumento da violência política e da intimidação de eleitores nos últimos dois anos”.

"É ilegal. E é anti-americano”

“Enquanto estou aqui hoje, há candidatos a concorrer a todos os níveis de cargos nos Estados Unidos, a governador, ao Congresso, a procurador-geral, a secretário de Estado, que não se comprometerão em aceitar os resultados das eleições”, disse Biden, seis dias antes das eleições intercalares.

“Esse é o caminho para o caos na América”, acrescentou. “É sem precedentes. É ilegal. E é anti-americano”, disse.

O discurso de Biden aconteceu dias depois de um homem que procurava sequestrar Nancy Pelosi, feriu gravemente o seu marido, Paul Pelosi, na sua casa em São Francisco.

“Há um aumento alarmante no número de pessoas neste país que toleram a violência política ou simplesmente permanecem em silêncio”, disse Biden. “O silêncio é cumplicidade.”

Enfatizando que se trata das primeiras eleições federais desde a insurreição de 06 de janeiro de 2021 e as tentativas de Trump de ir contra a vontade dos eleitores nas presidenciais de 2020, Biden pediu aos americanos que rejeitem os candidatos que negaram os resultados da votação.

Antes do discurso de Biden, o chefe de polícia do Capitólio dos EUA, Tom Manger, disse que analisou o ataque ao marido de Pelosi e que acredita que o clima político de hoje exige mais recursos e melhor segurança para os membros do Congresso, após um aumento maciço de ameaças aos legisladores após 06 de janeiro.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados