Talibãs proíbem cultivo de drogas no Afeganistão, incluindo o lucrativo ópio

CNN , Reuters
4 abr, 15:53
Agricultores afegãos colhem papoilas no distrito de Nad Ali, na província de Helmand, a 1 de abril (AP)

Controlo de drogas tem sido uma das principais exigências da comunidade internacional

Os talibãs anunciaram no domingo a proibição do cultivo de narcóticos no Afeganistão, o maior produtor mundial de ópio.

"De acordo com o decreto do líder supremo do Emirado Islâmico do Afeganistão, todos os afegãos são informados de que, a partir de agora, o cultivo da papoila é estritamente proibido em todo o país", segundo uma ordem do líder supremo dos talibãs, Haibatullah Akhundzada.

"Se alguém violar o decreto, a colheita será imediatamente destruída e o infrator tratado de acordo com a lei da sharia", declarou a ordem, anunciada numa conferência de imprensa pelo Ministério do Interior, em Cabul.

A ordem dizia que a produção, utilização ou transporte de outros narcóticos também era proibida.

O controlo da droga tem sido uma das principais exigências da comunidade internacional ao grupo islâmico, que tomou posse do país em agosto e procura o reconhecimento internacional formal, a fim de revogar as sanções que estão a dificultar seriamente a atividade bancária, empresarial e o desenvolvimento.

Agricultor filtra as vagens de papoilas secas, utilizadas para extrair sementes, para a plantação de uma nova cultura na sua quinta, a 16 de novembro de 2021, na aldeia Talukan, perto de Kandahar (Getty Images)

Os talibãs proibiram o crescimento da papoila no final do seu último governo, em 2000, enquanto procuravam legitimidade internacional, mas houve uma reação negativa por parte das pessoas e, mais tarde, quase mudaram a sua posição, segundo especialistas.

A produção de ópio no Afeganistão, que as Nações Unidas estimaram valer 1,4 mil milhões de dólares no seu auge, em 2017, aumentou nos últimos meses, segundo disseram à Reuters agricultores e membros dos talibãs.

A terrível situação económica do país levou os residentes das províncias do Sudeste a plantarem a cultura ilícita, que lhes poderia trazer retornos mais rápidos e mais elevados do que as culturas legais, como o trigo.

Fontes talibãs disseram à Reuters que estavam a antecipar uma forte resistência por parte de alguns elementos do grupo contra a proibição da papoila e que tinha havido um aumento no número de agricultores a cultivá-la, nos últimos meses.

Um agricultor de Helmand, que falou sob condição de anonimato, disse que nas últimas semanas os preços da papoila tinham mais do que duplicado, com base em rumores de que os talibãs proibiriam o seu cultivo. Mas acrescentou que precisava de cultivar papoila para sustentar a sua família.

"As outras culturas não são lucrativas", disse ele.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados