Mortes nos Comandos: instrutor e médico condenados a penas de prisão efetivas 

6 mar, 17:14
Militares

O Tribunal da Relação de Lisboa reverteu parte da sentença no caso da morte de dois militares dos comandos Dylan Silva e Hugo Abreu, na chamada prova zero, em 2016, condenando agora dois dos responsáveis do curso a penas de prisão efetiva.

Em causa, o instrutor Ricardo Rodrigues, que estava condenado a uma pena de 3 anos com pena suspensa e terá afinal que cumprir 5 anos e três meses de prisão; e o médico Miguel Domingues, que estava inicialmente absolvido e passa agora a condenado e uma pena de 7 anos e meio de cadeia.

Mantêm-se as penas suspensas de Pedro Fernandes e Lenate Inácio; e os arguidos Mário Maia, Hugo Pereira e Messias Carvalho, que estavam absolvidos, passam a ter penas suspensas de dois anos.

Mantém-se como absolvidos todos os outros arguidos.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados