Porque é que dançar pode ser uma das resoluções de Ano Novo que vai cumprir

CNN , Madeline Holcombe
1 jan, 14:00
Dançar

A sensação de alegria, energia e liberdade ao dançar supera de longe os desafios

Enquanto dançarina profissional há quase 20 anos, descobri que uma combinação de piruetas e saltos pelo chão me podem deixar a transpirar e a respirar com mais dificuldade, mas, na maioria das vezes, nem me apercebo.

A sensação de alegria, energia e liberdade ao dançar supera de longe os desafios.

Contudo, se estava inseguro, pode não ter tido essa sensação, quando a música começou a tocar no casamento do seu primo e foi até à pista de dança.

Se conseguir ultrapassar o desconforto inicial, especialistas dizem que a dança pode melhorar o seu bem-estar físico e mental.

Talvez esta seja a altura ideal para lhe apanhar o jeito em casa. Porque não começar por dançar na privacidade da sua sala de estar?

Para muitos, o Ano Novo começa com objetivos ambiciosos para uma vida melhor, apesar de a maioria deles ser abandonado em meados de março. No entanto, trazer mais dança à sua vida pode ser uma forma duradoura de melhorar a sua saúde mental e física, segundo o professor de dança brasileiro, residente em Nova Iorque, Ricardo Souza. 

“Quando a maioria das pessoas define as suas resoluções de Ano Novo, escolhe coisas que, na realidade, não querem fazer, como perder peso ou fazer mais exercício”, diz Souza, via e-mail. “A dança é algo divertido e, graças a isso, é muito mais provável que o continue a fazer! Também é algo que pode fazer ao seu próprio ritmo e criar objetivos realistas, portanto, continua a ser algo que gosta de fazer”.

Os benefícios da diversão estão comprovados cientificamente. Estudos mostram que é mais provável que continue a fazer exercício, se gostar de o fazer, segundo Katy Milkman, cientista do comportamento e professora na Wharton School, na Universidade da Pensilvânia.

Quer prefira Tango, Jazz ou exercícios com Jazz, Hip-Hop ou Broadway, dançarinos profissionais dizem que há forma de pessoas de todos os gostos e níveis de experiência trazerem mais dança às suas vidas, para se manterem em forma, se divertirem e criarem ligações sociais.

Movimente-se e faça cardio

Se quer aumentar o seu exercício físico, haverá algo melhor do que movimentar-se ao som da sua música preferida?

“Creio que a dança é um exercício cardiovascular fantástico, o que é uma parte muito importante de um bom programa de condição física”, diz Dana Santas, colaboradora de aptidão física da CNN e instrutora de mente e corpo para atletas profissionais.

Exercícios cardiovasculares são todos os que mantenham um ritmo cardíaco elevado, que exercitem o sistema respiratório e usem grandes grupos musculares, acrescenta.

“Música mexida, onde se usa as pernas e basicamente o corpo todo, sem dúvida que se qualifica”, diz Santas. Esse exercício cardiovascular pode ajudar a alcançar vários objetivos para o novo ano.

“Queima calorias, ajuda o coração e os pulmões a funcionarem de forma mais eficiente e estimula a produção de hormonas que nos fazem sentir melhor e da endorfina que melhora o humor e aumenta a resistência, por isso, sentimo-nos com mais energia e menos cansados, ao longo do dia”, afirma Santas.

Para os que querem ter mais energia, o cardio também foi associado a uma melhor qualidade de sono, de acordo com um estudo no Journal of Physiotherapy.

Seja mais feliz

Esse movimento também pode melhorar o seu humor, durante uma altura que tem sido stressante e caótica para muitos. Um estudo publicado pelo jornal Front Psychiatry descobriu que o exercício e a atividade reduzem a ansiedade.

“Mexer o nosso corpo de forma alegre, traz benefícios para todos os aspetos da nossa saúde e bem-estar”, diz Souza. “Também é uma ótima forma de sair da rotina da Covid, onde tantos têm estado presos, para fazer algo novo e conhecer pessoas novas”.

O equilíbrio, coordenação e elegância necessários para executar muitas danças podem mudar a confiança que temos em nós mesmos, acrescenta.

O benefício mental mais óbvio da dança é o envolvimento social e escape emocional que esta proporciona, “de uma forma que não aumenta a pressão na necessidade da comunicação verbal”, diz Lucie Clements, uma psicóloga que vive no Reino Unido e que trabalha com dançarinos profissionais.

Encontre o seu estilo de dança

A dança pode parecer aliciante, mas se as imagens de bailarinas perfeitas, com sapatos de cetim brilhantes, fazem com que a ideia pareça inalcançável, nada tema, dizem os especialistas.

Há várias maneiras para se inspirar e superar a timidez que o possa fazer hesitar.

“Primeiro, tenha uma mente aberta para tentar aprender o máximo de danças possível”, diz Souza.

Fazer apenas uma aula não lhe deve proporcionar os resultados ou a felicidade que procura, diz Celments. Pode ajudá-lo a experimentar diferentes estilos ou diferentes tipos de instrutores para ver o que funciona melhor para si.

Se tiver vergonha por não saber o que está a fazer, ter uma aula mais estruturada, com um instrutor que tenha historial em pedagogia pode dar-lhe a experiência que deseja, afirma Clements.

Livre-se das expectativas

“Segundo, divirta-se com os seus erros. Ninguém o está a ver e ninguém se preocupa quando erra”, diz Souza.

“Uma parte de si quer mexer-se, fazer barulho, ser pateta e expressivo. Deixe-se levar!”, acrescenta. “Se mesmo assim não se sentir confortável, pode sempre criar uma ‘personagem’. Eu tenho um nome para o meu ‘eu’ sensual e fervoroso. Chamo-lhe ‘Amante Latino’.

Sempre que me sinto desconfortável com um movimento ou uma coreografia sensual, chamo o ‘Amante Latino’ para dançar. Resulta!”.

Para alguns, pode ser mais fácil dizer do que fazer. Pode ir mais lentamente, com as aulas online, sugere Souza.

“Assim, aumenta a confiança para dançar em pessoa, quando as coisas melhorarem”, diz ele.

Mostre que sabe dançar

Segundo Souza, o terceiro passo para uma resolução de dança é tentar pensar numa forma de demonstrar o que sabe.

“Uma das vantagens da dança é que esta o prepara para ser o centro das atenções e esta é uma lição valiosa que pode ser aplicada em muitas áreas da sua vida”, diz Souza. “Lembre-se, o importante é expressar-se e divertir-se. Não tenha expectativas. Lembre-se que o movimento é algo natural e divirta-se”.

*artigo originalmente publicado em janeiro de 2022

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados