Charles Michel fala em "obrigação coletiva" para acordo na próxima semana

Agência Lusa , DCT
17 jun, 23:34
Charles Michel (Associated Press)

Em declarações aos jornalistas europeus em Bruxelas após um jantar informal de líderes que terminou sem acordo numa primeira tentativa sobre cargos de topo da UE entre 2024 e 2029, Charles Michel vincou que as negociações vão "na direção certa".

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse esta segunda-feira ser "obrigação coletiva" dos líderes da União Europeia chegar, na próxima semana, a acordo sobre cargos de topo no próximo mandato, garantindo que as negociações vão "na direção certa".

"Penso que é nosso dever coletivo tomar uma decisão até ao final de junho - já o afirmei várias vezes publicamente e não mudei de opinião. Os 27 líderes têm de trabalhar arduamente para garantir que haverá um acordo sobre esta decisão [de cargos de topo] e sobre a agenda estratégica", afirmou Charles Michel.

Em declarações aos jornalistas europeus em Bruxelas após um jantar informal de líderes que terminou sem acordo numa primeira tentativa sobre cargos de topo da UE entre 2024 e 2029, Charles Michel vincou que as negociações vão "na direção certa".

"De facto, ficou absolutamente claro desde o início e não foi de todo uma surpresa [não ter havido um acordo] porque o objetivo de hoje não era tomar uma decisão […], isso está planeado para a próxima semana. Esta reunião foi planeada para que houvesse a oportunidade de uma troca de pontos de vista aprofundada, para sermos transparentes uns com os outros, para partilharmos as preocupações, as prioridades, as esperanças, as expectativas, para que todos possam ouvir todos, um elemento muito importante no processo de tomada de decisão e é por isso que o objetivo de hoje à noite não era tomar uma decisão", adiantou Charles Michel.

Questionado sobre os nomes envolvidos na discussão desta noite, o presidente do Conselho Europeu escusou-se a especificar, indicando que "isso será clarificado na próxima semana".

"Esta conversa de hoje foi um passo útil para preparar o Conselho Europeu, mas a decisão será tomada […] na próxima semana", reforçou ainda.

O jantar informal de líderes da União Europeia terminou hoje sem acordo, numa primeira discussão que será retomada na próxima semana sobre cargos de topo no mandato seguinte que envolve o ex-primeiro-ministro António Costa, avançou à Lusa fonte comunitária.

A mesma fonte europeia indicou que os líderes no Conselho Europeu querem ver um programa antes de chegarem a acordo sobre os nomes.

Antes, durante e depois do jantar realizaram-se várias reuniões bilaterais para facilitar as negociações, indicaram várias fontes europeias.

Este foi o início oficial de um debate sobre os cargos de topo da UE que deve culminar com uma decisão na cimeira europeia ordinária da próxima semana, discutindo-se o nome de António Costa para a liderança do Conselho Europeu, o de Ursula von der Leyen e o de Roberta Metsola para segundos mandatos na Comissão e no Parlamento, respetivamente, e o da primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, para chefe da diplomacia comunitária.

Este jantar informal dos líderes da UE sobre os cargos de topo no próximo ciclo institucional, entre 2024 e 2029, decorreu uma semana depois das eleições europeias, que deram vitória ao Partido Popular Europeu (PPE), seguido dos Socialistas e Democratas (S&D) e dos liberais do Renovar a Europa.

Hoje, os três partidos - PPE, S&D e liberais - "apresentaram os três primeiros candidatos"", incluindo, assim, o nome de António Costa para o Conselho Europeu, adiantou à Lusa um diplomata europeu envolvido nas negociações.

Europa

Mais Europa

Patrocinados