Boris demite-se mas diz que isso é "excêntrico". E culpa "o rebanho" conservador

7 jul, 12:38
Boris Johnson demite-se (GettyImages)

O ainda primeiro-ministro do Reino Unido manifestou vontade de continuar no cargo até o Partido Conservador escolher um sucessor. A oposição quer eleições

Boris Johnson afirmou esta quinta-feira que a vontade do Partido Conservador de ter um novo líder do partido e, consequentemente, um novo primeiro-ministro do Reino Unido "ficou clara" e que, por isso, "o processo de escolher um novo líder deve começar agora". Numa declaração ao país a partir do nº10 de Downing Street, o ainda primeiro-ministro britânico adiantou que o calendário será anunciado na próxima semana: "Continuarei a servir até que haja um novo líder".

"A razão pela qual lutei tanto nos últimos dias para continuar o mandato não foi apenas porque quis mas porque era o meu trabalho, o meu dever e a minha obrigação", justificou, acrescentando: "Estou muito orgulhoso dos objetivos alcançados por este Governo", elencando o Brexit, a pandemia e a guerra como bons exemplos de governação.

Frisando que foi eleito com a maior maioria desde 1987 e a maior percentagem de votos desde 1979, Boris Johnson assumiu que "ninguém é remotamente indispensável" e admitiu que está "triste" por desistir do "melhor emprego do mundo". Aliás, o primeiro-ministro revelou que tentou persuadir os colegas de que mudar de líder seria "excêntrico". Mas não conseguiu:

"Lamento não ter sido bem-sucedido nessas discussões e, claro, é doloroso não ser capaz de ver tantas ideias e projetos sozinho. Mas, como vimos em Westminster, o instinto de rebanho é poderoso".

"E quando o rebanho se move, move-se", afirmou. 

E, nesse sentido, Boris Johnson acredita que "o nosso sistema brilhante e darwiniano produzirá outro líder, igualmente comprometido em levar este país adiante em tempos difíceis": "E para esse novo líder, onde quer que ele esteja, digo que lhe darei todo o apoio que puder", transmitiu.

Dirigindo-se aos britânicos, assumiu: "Eu sei que muitas pessoas ficarão aliviadas e talvez algumas também ficarão desapontadas. E quero que saibam como estou triste por estar a desistir do melhor emprego do mundo. Mas é o que é".

A imprensa britânica adiantou esta quinta-feira de manhã que Boris Johnson decidiu demitir-se de líder do Partido Conservador mas que pretendia  permanecer na chefia do Governo até que seja eleito o seu sucessor no partido - que pode acontecer apenas no outono.

A decisão terá sido tomada cerca das 8:30 desta quinta-feira e surgiu depois de mais de 60 membros do executivo terem apresentado a demissão, em protesto pelos contínuos escândalos que envolvem Boris Johnson.

A oposição quer eleições.

EM ATUALIZAÇÃO

Europa

Mais Europa

Patrocinados