Rui Costa fala entre assobios e apupos: «Não há crise de liderança no Benfica»

15 jun, 17:06

Intervenção do presidente na Assembleia Geral Ordinária marcada por insultos e pedidos de demissão

Rui Costa dirigiu-se aos sócios do Benfica este sábado, entre apupos e pedidos de demissão, para garantir que «não há nenhuma crise de liderança» e para anunciar que o orçamento para a próxima época é «ambicioso».

Uma Assembleia Geral muito concorrida e marcada por muita contestação, logo após as primeiras palavras do presidente que teve de interromper várias vezes a sua intervenção inicial.

«Caros consócios, não há nenhuma crise de liderança no Benfica. Não há vazios nem ausência de decisão. O presidente do Benfica está aqui, como sempre esteve, como também está aqui a sua Direção para dar a cara perante todos vós. Assumimos as nossas responsabilidades e temos um projeto para o futuro do clube. Não viro as costas nem fujo às minhas obrigações. Respondo por mim e pela minha equipa, mesmo por aqueles que decidiram sair», destacou Rui Costa já no final da intervenção em que abordou os estatutos do clube e também o orçamento para a próxima temporada.

Logo a abrir a intervenção, Rui Costa agradeceu a participação dos sócios. «Quero em primeiro lugar destacar e agradecer a participação de todos nesta manhã na Assembleia Geral dedicada aos Estatutos e aos procedimentos a seguir quanto à sua aprovação. É bom ter uma Assembleia ao sábado e envolver todos os adeptos, sobretudo aqueles que chegam de mais longe. Hoje, temos de estar orgulhosos desta enorme participação, mais um sinal de vitalidade associativa do nosso Benfica», referiu.

Logo de seguida, o presidente falou num orçamento «ambicioso» para a próxima época. «A primeira nota que aqui quero deixar é sobre o orçamento e a estratégia que está por detrás do documento que aqui hoje submetemos à vossa aprovação. É um orçamento ambicioso, que mais uma vez privilegia a vertente desportiva e que pretende apetrechar as nossas equipas das melhores condições para ganharem. Ainda assim, trata-se de um orçamento equilibrado, responsável, que reforça a robusta situação económica e financeira que soubemos construir, fruto apenas do nosso trabalho e da gigantesca família benfiquista», destacou.

«Não nos podemos autodestruir»

Rui Costa dirigiu-se depois aos críticos. «Tenho assistido em silêncio a muitos ataques ao longo das últimas semanas, sobretudo nos últimos dias, mas é aqui diante dos sócios, diante de vós, diante da família benfiquista, que quero esclarecer tudo o que está a acontecer no clube e deixar claro o rumo para o futuro. Podemos discutir política desportiva, podemos criticar e debater a estratégia do clube, podemos discutir a minha liderança, mas não posso admitir que coloquem em causa a seriedade e o carácter de quem aqui está», destacou.

O dirigente assumiu, depois, que a última temporada ficou aquém das expetativas. «Relativamente à época desportiva, em duas épocas no futebol em que pudemos planear desde o início, ganhámos uma vez e perdemos outra. Sim, ficámos aquém do queríamos. Sim, foram cometidos erros que já estão identificados e vão certamente ser corrigidos para esta nova temporada. Uma época que considero muito abaixo das nossas expetativas irá permitir-nos na mesma, ao contrário de outros anos, marcar presença na Liga dos Campeões e no Campeonato Mundial de Clubes», referiu.

Mas nem tudo foi mau ao longo da última época. «Nesta época, e ainda que sabendo que a ausência de título de campeão no futebol nos deixa totalmente insatisfeitos, ganhámos 6 em 12 Campeonatos, podemos voltar a ganhar 8 em 12, contando com o hóquei feminino e masculino. Mais uma vez o dobro dos nossos adversários em conjunto e, afinal, parece que no Benfica tudo está mal e tudo precisamos de mudar. Exigência e ambição, sim. Mas não nos podemos autodestruir», acrescentou.

Quanto à auditoria à gestão da anterior direção, Rui destaca a «transparência» da sua direção. «Relativamente às questões da transparência e boas práticas: temos procurado informar os sócios de tudo o que fazemos. A cada mercado justifico cada uma das contratações, o seu racional e o que representa em termos de custos, bem como as vendas de jogadores. Fizemos uma auditoria a todos os contratos que estão na Operação Cartão Vermelho. Todos. Disponibilizámos essas conclusões aos sócios antes desta AG e entregámo-las ao Ministério Público. Vamos fazer uma nova auditoria aos contratos que estão sob investigação das autoridades, e assim será sempre que haja dúvidas por parte da justiça», notou.

A fechar, ainda sob alguns apupos, Rui Costa deixou uma garantia. «Vamos voltar a vencer no futebol. Vamos continuar a vencer nas modalidades. O Benfica vai permanecer como o clube mais vencedor em Portugal, como tem sido nas duas últimas épocas», enfatizou ainda.

 

Relacionados

Benfica

Mais Benfica

Mais Lidas

Patrocinados