China silencia contas nas redes sociais após críticas às políticas de saúde relacionadas com a covid-19

Agência Lusa , AM
7 jan, 08:34
China (Associated Press)

Partido Comunista não permite críticas diretas e impõe restrições à liberdade de expressão

A China suspendeu ou fechou contas nas redes sociais de mais de um milhar de críticos das políticas do Governo relacionadas com a covid-19, à medida que o país avança para uma maior abertura.

A Weibo afirmou ter registado 12.854 violações das regras de utilização, e que tiveram como alvo peritos, académicos e trabalhadores médicos, com a plataforma a emitir proibições temporárias ou permanentes a 1.120 contas.

O Partido Comunista, que não permite críticas diretas e impõe restrições à liberdade de expressão, tinha confiado em grande parte na comunidade médica para justificar os confinamentos, quarentenas e testes em massa, que acabou por abandonar abruptamente no mês passado, gerando um surto que está a pressionar os recursos médicos até ao limite.

A empresa "continuará a aumentar a investigação e limpeza de todo o tipo de conteúdos ilegais, e a criar um ambiente comunitário harmonioso e amigável para a maioria dos utilizadores", afirmou a Weibo num comunicado datado de quinta-feira.

A China enfrenta agora um surto de casos e hospitalizações nas principais cidades e está a preparar-se para uma maior propagação em áreas menos desenvolvidas, com o início das viagens do Ano Novo Lunar, que deverá começar nos próximos dias.

Embora os voos internacionais ainda sejam reduzidos, as autoridades dizem esperar que as viagens domésticas ferroviárias e aéreas dupliquem em relação ao mesmo período do ano passado, aproximando-se dos números que se verificavam antes da pandemia.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados